Buscar

23 março 2017

Wesley Safadão mostra filha Ysis falando em inglês e se emociona

wesley-safadao-filhosWesley Safadão aproveitou o dia de folga na última segunda-feira (20) para passar o dia ao lado dos filhos, Ysis, de dois anos, e Yhudy, de seis. O cantor compartilhou com os fãs momentos de diversão com os herdeiros no Instagram e se derreteu ao filmar a pequena contando de 1 a 10 em inglês.
Os três ainda apareceram cuidando de um aquário em casa. “‘Bora’ dar comida para os peixinhos, ‘bora’!”, exclama o artista. “Papai, qual é o nome desse peixinho?”, interage Ysis, que sempre rouba a cena por sua meiguice nas redes sociais de Safadão e da esposa, Thyane Dantas.
No último domingo (19), a pequena apareceu em um clique cheia de estilo em frente ao espelho mostrando o seu “look do dia”. A foto foi tirada enquanto a mãe da menina, que é modelo, montava os looks para um trabalho. A pequena foi produzida pelos primos do cantor, que além de vestirem a menina, também fizeram um rabo de cavalo com um aplique que Thyane usa para fazer as fotos.

Fonte: FM93

Sol Almeida fala sobre saída do Aviões: “mais difícil é olhar pro lado e não…

Foto: Reprodução/InstagramSolange Almeida participou do “Programa do Porchat” na noite da última terça-feira (21) e, em entrevista ao apresentador Fábio Porchat, a cantora comentou sobre a recém-saída da banda Aviões do Forró e a relação que mantém com Xand Avião.
Sol revelou que o desejo de seguir carreira solo partiu da vontade de gravar um DVD só dela com músicas diferentes das que os fãs estavam acostumados a ouvir ela cantar, que abrangesse além do forró.
A partir daí, Solange conta que começaram os rumores de que iria sair do Aviões, até que isso foi despertando nela a vontade de seguir carreira solo. “Fui amadurecendo a ideia e, em 2016, disse: “agora é minha vez de voar sozinha“, relembra. Logo após, decidiu com a banda que sua despedida seria no Carnaval 2017.
A baiana ainda explicou como trouxe 6 dos 9 músicos do Aviões do Forró com ela para a nova banda solo. “Saímos da zona de conforto e buscamos o novo”, afirmou.
O mais difícil dessa nova trajetória, explicou Sol, é olhar pro lado e não achar o Xand. “Nós éramos muito presentes um na vida do outro. Ele sempre me encorajava”, disse, emocionada.

Fonte: FM93

Conheça o substituto de Riquelme no Aviões do Forró

Sai Riquelme, entra Pedalada! O novo baterista pertencia à banda do cantor Ávine Vinny, artista que também está no cast da A3 Entretenimento. Antes da confirmação, já se especulava nos bastidores a contratação de Pedalada.
Natural de Palmácia, interior do Ceará, Elivelton Rocha, de 23 anos, começou a tocar profissionalmente aos 17 anos. Sua primeira banda foi “PagoDança” da sua cidade natal. Ao “Vai, Forrozão!”, Pedalada conta que foi bastante incentivado pelo pai.
“Minha paixão pela bateria começou muito cedo. Meu pai me levava para as festas e, nos intervalos, ele pedia para os bateristas um espaço para eu tocar”, relembra.
Segundo Elivelton, o apelido Pedalada foi colocado por um primo do interior. “Desde então, não parou mais. Eu gosto que me chamem de Pedalada”, frisa.
Em relação ao convite para a vaga de Riquelme, Pedalada revela que recebeu o convite do produtor do Aviões Dj Ivis. “Um mês antes dos músicos saírem, Dj Ivis me ligou. Depois, chegaram a um consenso que ia ser eu. Já gravei o novo CD promocional ‘No Comando'”, conta.
Assumir o lugar de um dos maiores baterista do Brasil não é uma tarefa fácil. De acordo com Pedalada, ele já estava preparado para as críticas, mas, por hora, só tem recebido elogios. O novo baterista revela ainda que é fã de Riquelme.
“Eu sou fã dele e sei que é uma grande responsabilidade. Na estreia, não fiquei tão nervoso por conta do tempo que já tenho na profissão e os músicos já eram meus amigos. Eu fico feliz porque eles deram esta oportunidade para a galera nova”, comenta.
Engana-se quem pensa que o Aviões terá a mesma “pegada” da época de Xand e Solange Almeida juntos. Pedalada diz que os novos integrantes trazem uma “pegada” diferente. Já na bateria, ele afirma: “O Riquelme é único. Não pode copiar. Pedalada também é único”.
O novo baterista também quer fazer história no grupo que levou o forró para todo o País. “Quero mostrar para todos que nada é impossível. Eu já tinha pensado em desistir. Hoje, estou no Aviões e é só o começo”, declara.
No palco, conforme Pedalada, o clima é o melhor possível. “Xand está muito feliz com o novo projeto. Para ele, é como se estivesse começando tudo de novo”, finaliza.
O novo baterista do Aviões já integrou as bandas “Zanzibar”, “Mala-Mansa”, “Willy Gomes”, “Fabinho Negão” e Ávine Vinny, banda na qual estava antes de integrar o Aviões do Forró.

Reformulação

Riquelme acompanhou Solange Almeida, que deixou o grupo para seguir carreira solo. Mais cinco músicos deixaram o Aviões do Forró para compor a banda da cantora.  Foram eles: Walci (sanfoneiro), Dani Boy (guitarrista), Marcio Mouzinho (baixista), Belton (percussionista) e Ranyere (trompetista).
Com isso, o Aviões precisou se “reconstruir”. Ao “Vai, Forrozão!” Xand Avião contou que os novos integrantes foram escolhidos a dedo por ele e Carlinhos, que é um dos sócios do Aviões e produtor musical. A banda conta agora com jovens músicos. “O mais velho deve ter seus 25 anos. É uma grande responsabilidade entrar em um grupo que já tem 15 anos de trajetória, mas eles são todos realmente bons”, ressalta o vocalista.
O “Vai, Forrozão!” separou alguns vídeos do novo baterista do comandante aviãozeiro, Xand, em ação. Confira:






Fonte: O POVO

Município no interior do Ceará enfrenta surto de chikungunya

Distante pouco mais de 300km de Fortaleza, a cidade de Catarina  enfrenta um surto epidemiológico de arboviroses, sobretudo da chikungunya. De acordo com o coordenador de endemias do município, Aglayrton Guedes Feitosa, 69 casos da doença foram confirmados e 100 aguardam resultado de exames.
Os casos ainda não foram detectados nos boletins do município, mas são relatados com preocupação pelos moradores.
O POVO Online conversou, por telefone, com um catarinense que não quis se identificar. “Minha filha, meus pais e meu avô tiveram (arboviroses). Meu avô, por ser idoso, foi atendido em Iguatu. Toda a cidade está doente. Você abre a torneira e larvas caem”, relatou. José Wellfter, que também mora na cidade, comenta sobre a situação. "Está uma epidemia, a água é de péssima qualidade, com cheiro de lama...60% dos habitantes estão doentes", frisa.
Enfermeiro no Hospital Municipal de Catarina Dr. Gentil Domingues, Lucas Feitosa conta que 500 ampolas de analgésicos Dipirona eram usadas durante um mês, agora, essa quantidade acaba em apenas um fim de semana. “A situação está caótica, é um cenário de guerra. Pessoas adoecidas a todo momento, o hospital ficou pequeno para a demanda”, explana.
A lotação no hospital, de pelo menos 200 pessoas com suspeita de arboviroses por dia, segundo o enfermeiro, faz com que alguns pacientes sejam transferidos ao Hospital Regional de Iguatu, cerca de 70km de Catarina, uma viagem estimada em 1h40min. “Não todos, mas os casos mais complicados vão para lá”, explica.
Duas pessoas morreram na cidade entre os últimos dias 20 e 21: Valdelice Duarte Martins Feitosa e José Sitônio Mendonça, de acordo com o coordenador de endemias, única fonte do município que a reportagem conseguiu contato, as mortes não tiveram relação com a epidemia. Ele informou ainda, que medidas como limpeza nas caixas d’água, carro fumacê e mobilização para conscientizar a população, estão sendo feitas para controlar a situação.
O POVO Online tentou contato com o prefeito Thiago Paes de Andrade Rodrigues (PMDB) e a secretária municipal de saúde, Valéria Rodrigues Cavalcante, no inicío da tarde dessa terça-feira, 21, até às 14h48 desta quarta, 22, e não conseguiu contato. Em nenhuma das tentativas, houve alguém que pudesse responder pelo município.
Conseguimos contato com o diretor administrativo do hospital municipal, Jardel Mendonça, ainda na tarde de ontem, 21, ele confimou o surto epidemiológico e disse que esclareceria sobre a situação da unidade, mas que não poderia falar no momento. Após esse contato, ele não foi mais localizado pela reportagem. 
Por telefone, a Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (Sesa) informou que ações de controle são de responsabilidade do município. Em nota, afirmou que Catarina passou por ciclo recente de pulverização de inseticida, conhecido popularmente como fumacê. A pulverização espacial UBV-pesado aconteceu entre os dias 14 e 21 de março.

A SECRETARIA ORIENTA

"A recomendação aos moradores é que abram portas e janelas das casas na passagem do fumacê para que o inseticida atinja o mosquito dentro das residências. A passagem do fumacê não diminui a necessidade da eliminação dos potenciais focos do mosquito. Por isso, as famílias devem também fazer sua parte no combate ao Aedes aegypti. O inseticida não mata as larvas do Aedes aegypti, que estão em caixas d’água, potes, baldes, pneus, lajes. É preciso também manter os quintais sempre limpos, recolher, eliminar ou guardar longe da chuva todo objeto que possa acumular água, como pneus velhos, latas, recipientes plásticos, tampas de garrafas, copos descartáveis e até cascas de ovos. O lixo doméstico deve ser acondicionado em sacos plásticos e descartado adequadamente, em depósitos fechados. A eliminação de criadouros deve ser realizada pelo menos uma vez por semana. Assim, o ciclo de vida do mosquito será interrompido", Secretaria da Saúde do Estado do Ceará por meio de nota.

Saiba mais

Arboviroses são consideradas as doenças transmitidas por insetos e aracnídeos como mosquitos, carrapatos e aranhas. No Brasil, além de dengue, zika, chikungunya e febre amarela, os arbovírus transmitem patologias como malária, Doença de Chagas, febre do Mayaro e leishmaniose.

Fonte: O POVO

Câmara aprova terceirização para todos os setores

Resultado de imagem para Camara FederalA Câmara aprovou, na noite de ontem, a redação final do projeto de lei de 19 anos atrás que permite terceirização irrestrita em empresas privadas e no serviço público. A proposta também amplia a permissão para contratação de trabalhadores temporários, dos atuais três meses para até nove meses - seis meses, renováveis por mais três.
O texto principal do projeto foi aprovado por 231 votos a 188. Houve ainda oito abstenções. O placar mostra que o governo terá dificuldades para aprovar as reformas trabalhista e, principalmente, a da Previdência, que será votada por meio de Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que exige um mínimo de 308 votos favoráveis na Câmara.
A Câmara não pôde incluir inovações no texto. Isso porque a proposta, de 1998, já tinha passado uma vez pela Casa, em 2000, e pelo Senado, em 2002. Com isso, deputados só puderam escolher se mantinham integral ou parcialmente o texto aprovado pelo Senado ou se retomavam, integral ou parcialmente, a redação da Câmara.
O texto final aprovado, que seguirá para sanção do presidente Michel Temer, autoriza a terceirização em todas as atividades, inclusive na atividade-fim. Atualmente, jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho (TSE) proíbe terceirizar a atividade-fim da empresa. Por exemplo, um banco não pode terceirizar os atendentes do caixa.
No caso do serviço público, a exceção da terceirização será para atividades que são exercidas por carreiras de Estado, como juízes, promotores, procuradores, auditores, fiscais e policiais. Outras funções, mesmo que ligadas a atividade-fim, poderão ser terceirizadas em órgãos ou empresas públicas.
O projeto final também regulamentou a responsabilidade “subsidiária” da empresa contratante por débitos trabalhistas e previdenciários dos trabalhadores terceirizados, como acontece hoje. Ou seja, a contratante só será acionada a arcar com essas despesas se a cobrança dos débitos da empresa terceirizada contratada fracassar.
O texto que segue para sanção prevê ainda um escalonamento do capital social mínimo exigido de uma empresa de terceirização, de acordo com o número de funcionários. O capital social mínimo exigido vai de R$ 10 mil, para companhias com até 10 funcionários, a R$ 250 mil, para empresas com mais de 100 trabalhadores.
Hoje, não há essa exigência na iniciativa privada. Já no serviço público, a empresa contratante é que determina na hora da contratação qual deve ser o capital social mínimo da companhia de terceirizados.
Inicialmente inserida na proposta, a anistia de “débitos, penalidades e multas” impostas até agora às empresas foi retirada do texto pelo relator para facilitar a aprovação do projeto. O governo era contra a medida. Segundo o relator do projeto na Câmara, Laércio Oliveira (SD-SE), essas dívidas hoje somam R$ 12 bilhões.

Oposição

A oposição criticou a votação do projeto, sob o argumento de que ele representa um retrocesso e precariza o trabalho. Opositores tentaram negociar, sem sucesso, o adiamento da votação. Eles queriam que, em vez da proposta de 1998, fosse votado um projeto de 2015 que regulamenta a terceirização, que já foi votado na Câmara e está parado no Senado. 
Na avaliação de deputados da oposição e das centrais sindicais, a proposta mais recente oferece mais salvaguardas aos trabalhadores. O projeto de 2015 traz garantias como a proibição de a empresa contratar como terceirizado um funcionário que trabalhou nela como CLT nos últimos 12 meses. Já o projeto aprovado não prevê esse veto.
O texto aprovado também não restringe os calotes nos direitos trabalhistas. O projeto de 2015, por exemplo, obrigava o recolhimento de impostos antecipadamente e a retenção de valores. A proposta que seguiu para a sanção também não garante aos terceirizados os mesmos direitos a vale-transporte, refeição e salários dos demais.
Para opositores, a aprovação do projeto anula a reforma trabalhista que está em discussão na Câmara. “Se a terceirização for votada hoje, ela anula esta comissão. Se for votada, a reforma trabalhista vai perder muito o sentido”, disse o deputado Paulão (PT-AL).
O líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), por sua vez, saiu em defesa da proposta. Segundo ele, o projeto vai permitir a geração de empregos. “O Brasil mudou, mas ainda temos uma legislação arcaica. Queremos avançar em uma relação que não tira emprego de ninguém, que não vai enfraquecer sindicatos”, disse.

Saiba mais

Veja como votou a bancada cearense

Adail Carneiro (PP): Sim
André Figueiredo (PDT): Não

Aníbal Gomes (PMDB): Sim
Cabo Sabino (PR): Não

Chico Lopes (PCdoB): Não
Domingos Neto (PSD): Sim

Genecias Noronha (Solidariedade): Sim
Gorete Pereira (PR): Sim

José Airton Cirilo (PT): Não
José Guimarães (PT): Não

Leônidas Cristino (PDT): Não
Luizianne Lins (PT): Não

Moses Rodrigues (PMDB): Não
Odorico Monteiro (Pros): Não

Paulo Henrique Lustosa (PP): Sim
Ronaldo Martins (PRB): Não

Vaidon Oliveira (DEM): Sim
Total: 17

Fonte: O POVO

Chuvas garantem abastecimento de 21 cidades do CE até 2018; veja lista

Chuva em Fortaleza (Foto: TV Verdes Mares)
Vinte e um municípios e quatro localidades do Ceará receberam recargas para garantir o abastecimento hídrico até 2018, devido às chuvas registradas nos últimos meses no estado, conforme a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece).
Esses municípios são Altaneira, Antonina do Norte, Canindé, Caridade, Coreaú, Forquilha, General Sampaio, Graça, Independência, Maranguape, Martinópole, Moraújo, Mucambo, Pacujá, Paramoti, Pires Ferreira, Reriutaba, Senador Sá, Tejuçuoca, Uruoca e Varjota. Além dos distritos de Lagoa do Mato (Itatira), São Domingos (Caridade), Tabuleiro dos Mendes (Antonina do Norte) e Lapa (Graça). Para o diretor de Unidade de Negócios do Interior da Cagece, Hélder Cortez, o número ainda pode aumentar.
No caso de Fortaleza e Região Metropolitana, a situação ainda não mudou. O principal açude que abastece a região, o Castanhão, está muito abaixo de sua capacidade de armazenamento, com um volume de apenas 5,7%.

Crise hídrica
Apesar de as precipitações registradas em fevereiro e março pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), os açudes de muitas cidadades têm nível abaixo da capacidade mínima de armazenamento.
Conforme a Cagece, atualmente 27 cidades encontram-se em situação de contingência. Nesses locais, a companhia realiza ações com objetivo preservar ao máximo os mananciais, dentre elas o rodízio de abastecimento, a disponibilização de carros pipas e a busca por novas fontes de captação, como perfuração de poços tubulares e construção de Adutoras de Montagem Rápida.
Os municípios em contingência são: Apuiarés, Araripe, Aratuba, Campos Sales, Catarina, Catunda, Crateús, Fortim, Granjeiro, Hidrolândia, Ibicuitinga, Iracema, Irauçuba, Itapiúna, Mombaça, Mulungu, Nova Olinda, Pacoti, Palmácia, Pentecoste, Pereiro, Piquet Carneiro, Potengi, Potiretama, Salitre, São Luiz do Curu e Tamboril.

Fonte: G1

Funceme prevê mais chuva em todo o Ceará na quinta e sexta-feira

Chuva em Fortaleza (Foto: TV Verdes Mares)A Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) prevê dias nublados e chuvosos em todas as regiões do Ceará nesta quinta e sexta-feira (23 e 24). As chuvas são ocasionadas pela atuação de uma zona de convergência intertropical no Nordeste brasileiro. 
Nesta quarta-feira (22), as chuvas se concentraram principalmente no litoral e Região Norte do estado. As precipitações ocorreram em 74 das 184 cidades do Ceará, sendo os maiores volumes em Barro (70 milímetros), Granja (59), Itaitinga (54) e Cascavel (47).

Segurança hídrica em 21 cidades
Nesta quarta, a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) divulgou uma lista de 21 cidades onde as chuvas garantiram armazenamento de água até pelo menos 2018.
Os municípios são Altaneira, Antonina do Norte, Canindé, Caridade, Coreaú, Forquilha, General Sampaio, Graça, Independência, Maranguape, Martinópole, Moraújo, Mucambo, Pacujá, Paramoti, Pires Ferreira, Reriutaba, Senador Sá, Tejuçuoca, Uruoca e Varjota. Além dos distritos de Lagoa do Mato (Itatira), São Domingos (Caridade), Tabuleiro dos Mendes (Antonina do Norte) e Lapa (Graça). Para o diretor de Unidade de Negócios do Interior da Cagece, Hélder Cortez, o número ainda pode aumentar.
Em Fortaleza e Região Metropolitana, a situação segue crítica. O principal açude que abastece a região, o Castanhão, está muito abaixo de sua capacidade de armazenamento, com um volume de apenas 5,7%.

Fonte: G1

Gasolina no Ceará é vendida de R$ 3,47 a R$ 4,19, diz ANP

Após alta da gasolina, preço do etanol dispara na região de Ribeirão Preto (Foto: Alexandre Sá/EPTV)O preço médio do litro de gasolina no Ceará sofreu uma redução duas semanas após a Petrobras anunciar queda do preço do produto nas refinarias. De acordo com a Agência Nacional do Petróleo (ANP), o litro do combustível é vendido no estado, em média, a R$ 3,82; há duas semanas a média era R$ 3,89.
Ainda de acordo com a pesquisa da ANP, o preço da gasolina nos postos do Ceará variam de R$ R$ 3,47 a R$ 4,19. Os preços foram coletados de 12 a 18 de março em mais de dois mil estabelecimentos no Brasil, sendo 205 localizados no Ceará. 
O preço mais baixo no Ceará é em Maracanaú, no posto J Comercial de Petróleo,  R$ 3,47. Já a cidade de Canindé tem o preço mais alto do produto. Em Fortaleza, os postos pesquisados pela ANP vendem a gasolina a preços que variam de R$ 3,69 a R$ 3,99. A média de preço na capital cearense R$ 3,79.

Redução nas refinarias
Desde outubro, a Petrobras pratica uma nova política de definição de preços dos combustíveis, com reuniões mensais para definir os valores da gasolina e do diesel cobrados nas refinarias.
Na prática, o preço da gasolina e do diesel passou a flutuar como uma commodity no mercado nacional, alternando quedas e baixas, refletindo tanto os preços internacionais como também o câmbio e concorrência do mercado de distribuidores.

Fonte: G1

Justiça nega absolvição sumária a acusados de matar ambientalista no Ceará

Tribunal de Justiça do Ceará nega absolvição sumária a acusados de matar ambientalista no Ceará (Foto: TJCE/Divulgação)O Tribunal de Justiça do Ceará negou a absolvição sumária a dois acusados de matar o ambientalista e líder comunitário José Maria Filho, conhecido como Zé Maria de Tomé, assassinado com 25 tiros em Limoeiro do Norte, no interior do Ceará, em 2010. O recurso havia sido pedido por dois acusados de envolvimento no crime. O Tribunal de Justiça decidiu ainda manter o julgamento por júri popular do terceiro acusado de participação no homicídio.
O relator do caso, desembargador Martônio Pontes de Vasconcelos, disse ter percebido que a “linha de raciocínio mencionada na divergência parcial”, é de que, diante das provas apuradas, não seria possível o pedido de absolvição de João Teixeira Júnior e José Aldair Gomes Costa.
A desembargadora Francisca Adelineide Viana, que havia pedido vista do processo em 15 de março, apresentou voto negando o recurso dos réus. A magistrada entendeu que haveria indícios “suficientes” nos autos para a acusação contra todos os acusados.

Homicídio
De acordo com o Ministério Público do Ceará (MPCE), autor da denúncia, em 21 de abril de 2010, José Maria Filho foi assassinado com 25 tiros de arma de fogo. O crime ocorreu por volta das 15h, na localidade Sítio Tomé, Limoeiro do Norte, e teria tido como mandante o empresário João Teixeira Júnior, com o apoio de José Aldair e Francisco Marcos.
O MPCE ressalta que o líder comunitário era envolvido nas causas sociais de sua comunidade e reivindicava melhorias de condições de vida para as famílias de pequenos agricultores na Chapada do Apodi.
Entre as várias reivindicações, destaca-se o combate ao uso abusivo de agrotóxicos, principalmente por meio de pulverização aérea, denúncia de contaminação da água com agrotóxicos e ocupação irregular de grandes empresas em áreas públicas. Por causa das reivindicações sociais, teria feito vários desafetos, entre os quais João Teixeira Júnior, proprietário da empresa Frutacor.

Fonte: G1