Buscar

19 janeiro 2017

Veja a repercussão sobre a morte do ministro do STF Teori Zavascki

Resultado de imagem para teoris avasqueVeja abaixo como os meios político e jurídico reagiram à morte do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki.
Teori tinha 68 anos e a morte dele foi confirmado pelo filho, Francisco Zavascki. O ministro do STF estava em um avião que seguia de São Paulo para Paraty (RJ), mas a aeronave caiu no mar.

A repercussão

Leia abaixo o que políticos disseram sobre a morte do ministro do Supremo:

Antonio Imbassahy (BA), líder do PSDB na Câmara:
"O falecimento do ministro Teori Zavascki é uma perda irreparável, que causa a todos nós profunda consternação. Tido por todos como um verdadeiro juiz, na mais profunda essência do cargo, o ministro cumpria um papel primordial nas investigações do maior escândalo de corrupção da história. Ao mesmo tempo em que prestamos solidariedade aos familiares de todas as vítimas, amigos e colaboradores, esperamos uma célere investigação sobre as causas do acidente."

Associação dos Magistrados Brasileiros:
"Com enorme pesar e consternação a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) manifesta o sentimento de luto da nação brasileira com a notícia da morte do ministro Teori Albino Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), ocorrida nesta quinta-feira (19). Homem de caráter e conhecimento jurídico indiscutíveis, Teori pontuou sua vida pela retidão de suas atitudes. Nos últimos anos, ensinou aos operadores do Direito e a todos que acompanhavam sua carreira na mais alta Corte do País ser um exemplo de parcimônia e responsabilidade na atuação judicante. [...] A AMB manifesta suas condolências aos amigos, colegas e familiares do ministro."

Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho:
"A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) manifesta o seu mais profundo pesar pelo falecimento do ministro Teori Zavascki, ocorrido em acidente de avião na tarde desta quinta-feira (19/01), em Paraty, na Costa Verde do Rio de Janeiro (RJ). A Anamatra homenageia a memória do ministro Teori Zavaski, magistrado probo, comprometido e dedicado à causa da Justiça e que, certamente, pelo seu modo de agir ponderado, firme e discreto, figura como paradigma na jurisdição, representando uma inestimável perda para o Poder Judiciário e para toda a sociedade. É absolutamente fundamental que as causas e circunstancias do acidente sejam apuradas com a maior rapidez e transparência possível".

Aécio Neves (MG), senador e presidente do PSDB:
"Estou profundamente impactado com a tragédia que envolveu o ministro Teori e outros passageiros do mesmo voo. O Brasil tem uma grande dívida de reconhecimento e gratidão com o ministro pela forma equilibrada e responsável com que ele conduziu um dos momentos mais difíceis da história do país. Ele honrou a cadeira que ocupou na nossa mais alta Corte. Os meus profundos sentimentos às famílias de todas as vítimas".

Aloysio Nunes (PSDB-SP), líder do governo no Senado:
"Participei da sabatina do ministro Teori na Comissão de Constituição e Justiça do Senado. Fui para o plenário para votar "sim" com a convicção de que o STF ia receber um juiz culto, equilibrado e justo. Sua atuação só fez confirmar esse sentimento."

Baleia Rossi (SP), líder do PMDB na Câmara:
"O Supremo Tribunal Federal perde um grande ministro. Um homem ponderado, correto e sereno. O País perde um grande brasileiro. Que seus familiares tenham muita força e fé neste momento difícil".

Bancada do PPS na Câmara:
"A bancada do Partido Popular Socialista (PPS) lamenta a morte do ministro Teori Zavascki, em acidente aéreo, nesta quinta-feira, em Paraty (RJ). Para os deputados, o país perde muito com o falecimento do magistrado, responsável pela relatoria da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal."

Daniel de Almeida (BA), líder do PCdoB na Câmara:
"Como todos os brasileiros, recebemos com consternação a informação da queda do avião. Prestamos solidariedade à família. É importante que se esclareçam as circunstâncias da morte do ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki para que não haja suspeita".

Eduardo Braga (PMDB-AM), senador:
"Com pesar que recebi a notícia do inesperado falecimento do ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki. Expresso minhas condolências e solidariedade a família, amigos e admiradores da carreira jurídica do respeitado magistrado. Descanse em paz!”.

Eduardo Suplicy, vereador pelo PT-SP:
"Expresso meu sentimento de pesar a família de Teori Zavascki que infelizmente faleceu hoje em um desastre de avião. Ministro do STF, sempre agiu de maneira muito equilibrada e em nenhum momento sua conduta foi questionada. É importante que as causas do acidente de Teori Zavascki sejam apuradas."

Eliseu Padilha, ministro da Casa Civil:
"Teori Zavascki, um dos mais brilhantes Ministros do STF, morreu. Os brasileiros perdem um exemplar cidadão e um Magistrado qualificadíssimo."

Eunício Oliveira (CE), líder do PMDB no Senado:
"O Brasil foi surpreendido pela trágica notícia do acidente aéreo que vitimou o ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki. Perdemos um magistrado exemplar, eterno vigilante da Constituição, absolutamente coerente com suas convicções. Sua sobriedade fará falta à Nação e à Justiça do Brasil. Que Deus conforte a todos os seus familiares e amigos".

Geraldo Alckmin, governador de SP:
O Brasil perde um homem da Justiça; os brasileiros, um dos protagonistas da Justiça. Teori Zavascki era uma das pessoas mais lúcidas e coerentes do Judiciário. Um humanista, tolerante e atencioso com as pessoas e suas diferentes formas de pensar, era modelo de sobriedade do magistrado. Tinha uma capacidade de trabalho invencível. Em seu trabalho criterioso, que há de ter continuidade, milhões e milhões de brasileiros depositavam a esperança de um país melhor e mais justo. Professor e referência no estudo do Direito, Teori Zavascki dignificou o magistério e a magistratura do Brasil. Fará muita falta. Nossos sentimentos e orações às famílias de todas as vítimas do acidente."

Humberto Costa (PE), líder do PT no Senado:
"Lamento profundamente a morte do ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki. Sem dúvida é uma perda irreparável para o Brasil. O ministro Teori sempre teve uma trajetória jurídica pautada pela ética e pela competência".

José Ivo Sartori, governador do RS:
"A carreira do ministro Teori Zavascki testemunha valores de civismo, dignidade, conhecimento e independência. Além de notável jurista e magistrado, foi um grande ser humano. Construiu família e grande parte de sua trajetória no Rio Grande do Sul, o que sempre foi motivo de orgulho para todos nós. É uma perda que consterna profundamente a população gaúcha e brasileira. Decretarei luto oficial no Estado por três dias. Aos familiares, nossas condolências".

José Sarney (PMDB), ex-presidente da República:
"É com profunda tristeza que recebo a notícia do falecimento do Ministro Teori Savascki, por quem tinha grande admiração. Era um magistrado sério, correto e brilhante. Prestou um grande serviço à magistratura brasileira com sua experiência, e cultura jurídica. Recordo que o conheci ainda durante o meu governo, quando era juiz federal e foi nomeado para o Tribunal Federal do Rio Grande do Sul. De lá ascendeu ao Superior Tribunal de Justiça onde teve passagem marcante. Lamento enormemente sua morte e associo-me à dor de sua família nesse momento de pesar".

Luciana Genro (PSOL-RS), ex-deputada federal:
"Que tragédia esta notícia da queda do avião!E se o Min.Teori faleceu o Temer vai nomear o relator da Lava Jato.Torna o fato muito suspeito."

Pauderney Avelino (AM), líder do DEM na Câmara:
"O líder do Democratas na Câmara, deputado Pauderney Avelino (AM), lamenta profundamente o falecimento do Ministro Teori Albino Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, na tarde desta quinta-feira (19) e presta sua solidariedade aos familiares e amigos neste difícil momento".

Paulo Bauer (SC), líder do PSDB no Senado:
"É com profundo pesar que recebo a notícia do trágico falecimento do ministro Teori Zavaski. Teori fazia um trabalho de excelência no Supremo Tribunal Federal e na relatoria dos processos da Operação Lava Jato. Que a sua atuação idônea e o seu trabalho sério contra a corrupção, sirvam de exemplos para o país. Para que possamos ter um combate sério à corrupção. O Brasil perde um grande homem público. Deixo meus sentimentos à família e o desejo de que Deus os conforte nesse momento de tristeza e pesar."

Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Congresso Nacional:
"É com extremo pesar e perplexidade que recebo a notícia da morte do ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, na tarde desta quinta-feira. Professor de Direito Civil, Teori foi ainda desembargador da Justiça Federal e ministro do Superior Tribunal de Justiça. No cumprimento de seu trabalho sempre se destacou pela seriedade, brilhantismo e tranquilidade na defesa do Poder Judiciário e de todas as instituições brasileiras. Trata-se de um magistrado que ganhou respeitabilidade pelo senso de justiça, legalismo, equilibrio e devoção às leis. O Brasil, a sociedade e o mundo juridico perdem um de seus maiores expoentes. Em nome do Congresso Nacional, manifesto minhas condolências à família e rogo pelo rápido esclarecimento das causas desse trágico acidente".

Rodrigo Janot, procurador-geral da República, em nota:
"O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, lamenta o falecimento do ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki nesta quinta-feira, 19 de janeiro. Segundo Rodrigo Janot, Zavascki honrou o papel de magistrado, ao atuar de forma ética, isenta, discreta e extremamente técnica durante toda sua carreira. Na relatoria da Operação Lava Jato no STF, o ministro não hesitou em adotar medidas inéditas para a Suprema Corte, a pedido do Ministério Público Federal".

Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados
"Sob grande impacto e consternação recebi a informação da morte do ministro Teori Zavascky. O ministro engrandeceu o Supremo Tribunal Federal com uma postura firme, discreta e justa. Neste momento, em nome da Câmara dos Deputados, dirijo meus pensamentos e orações ao familiares e aos milhares de brasileiros que compartilham o sentimento de grande tristeza."

Rogério Rosso (DF), líder do PSD na Câmara:
"É com profundo pesar, tristeza e consternação que recebemos essa inimaginável notícia. O Ministro Teori Zavascki era uma referência de magistrado e cidadão de conduta irreparável e que honrava a todos nós brasileiros por seus relevantes e fundamentais servidos prestados em prol da Democracia , da Justiça e da Nação. Nossos mais profundos sentimentos e condolências a família do Excelentíssimo Ministro Teori Zavascki".

Ronaldo Caiado (DEM-GO), senador:
"É com profundo pesar que recebo a notícia desse terrível acidente com o ministro Teori Zavascki. É preciso respeitar a dor dos familiares e amigos das vítimas. Minhas orações e que Deus conforte a todos. Teori foi um grande homem público que ganhou o respeito de toda a sociedade brasileira pela maneira austera, competente e equilibrada com a qual pautou as suas decisões, mesmo nas situações mais delicadas desse país. É uma grande perda".

Vanessa Grazziotin (AM), líder do PCdoB no Senado:
"Minha solidariedade à família do ministro Teori Zavascki. Perdemos hoje um grande brasileiro que se dedicou à Justiça e ao país."

Weverton Rocha (MA), líder do PDT na Câmara:
"Acompanhei com tristeza a confirmação da morte do ministro do STF Teori Zavascki. É uma grande perda para o País. Desde sua nomeação, em 2012, o ministro deu uma grande contribuição à Justiça brasileira, conduzindo com profundo conhecimento, imparcialidade e correção todos os processos que passaram por suas mãos. Desejo conforto aos familiares do ministro Teori Zavascki e de todos os que foram vítima desse triste acidente".

Fonte: G1

Relator da Lava Jato no STF, Teori Zavascki morre aos 68 anos após queda de avião em Paraty, diz filho

Resultado de imagem para teoris avasque
O Relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Teori Zavascki morreu na tarde desta quinta-feira (19), aos 68 anos, após a queda de um avião em Paraty, no litoral sul do Rio de Janeiro. A morte de Teori foi confirmada pelo filho do magistrado Francisco Zavascki em uma rede social.
Às 18h05, o filho do ministro, Francisco Prehn Zavascki, escreveu no Facebook: "Caros amigos, acabamos de receber a confirmação de que o pai faleceu! Muito obrigado a todos pela força!". Às 17h22, ele já havia publicado: "Amigos, infelizmente, o pais estava no avião que caiu! Por favor, rezem por um milagre".
No meio da tarde desta quinta, chegou ao STF a informação de que o nome do ministro estava na lista de passageiros da aeronave que caiu no litoral fluminente. A lista foi entregue para a presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, e também para o presidente da República, Michel Temer.
A Infraero informou que a aeronave prefixo PR-SOM, modelo Hawker Beechcraft King Air C90, decolou às 13h01 do Campo de Marte, na capital paulista. O avião é de pequeno porte e tem capacidade para oito pessoas.
A Anac informou que a documentação da aeronave estava em dia, com o certificado válido até abril de 2022 e inspeção da manutenção (anual) válida até abril de 2017.
O dono e operador da aeronave é o Hotel Emiliano, segundo informações de abril de 2016 disponíveis no Registro Aeronáutico Brasileiro, documento divulgado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que reúne uma relação de todas as aeronaves brasileiras certificadas pela Anac.


Viúvo desde 2013, Teori deixa três filhos. Ele se tornou ministro do STF em 2012 por indicação da então presidente da República, Dilma Rousseff.
O magistrado teve o nome aprovado no Senado com 54 votos favoráveis e quatro contrários. Ele substituiu o ministro Cezar Peluso, que havia se aposentado no mesmo ano.
Natural de Faxinal dos Guedes (SC), Teori também foi ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), presidiu o Tribunal Regional Federal da 4ª região (Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná) entre 2001 a 2003 e atuou como juiz do Tribunal Regional Eleitoral na década de 1990.
Ele ingressou na carreira jurídica em 1971, em Porto Alegre, como advogado concursado do Banco Central, onde atuou por sete anos. No anos 80, o magistrado se transferiu para a superintendência jurídica do Banco Meridional do Brasil.
Teori Zavascki está na lista de passageiros de avião que caiu em Paraty (RJ)
A queda do avião
Segundo o aeroporto de Paraty, o avião saiu de São Paulo (SP) e caiu a 2 quilômetros de distância da cabeceira da pista. De acordo com a Força Aérea Brasileira (FAB), quatro pessoas estavam a bordo.
Por volta de 14h50, a Polícia Militar disponibilizou uma lancha para auxiliar as buscas. A Capitania dos Portos e o Corpo de Bombeiros também trabalhavam no resgate.
Na tarde desta quinta, a Infraero informou ao G1 que a aeronave prefixo PR-SOM, modelo Hawker Beechcraft King Air C90, decolou às 13h01 do Campo de Marte, em São Paulo (SP), com destino a Paraty. A aeronave é de pequeno porte e tem capacidade para oito pessoas.
O dono e operador da aeronave é o hotel Emiliano, segundo informações de abril de 2016 disponíveis no Registro Aeronáutico Brasileiro, documento divulgado pela Agência Nacional de Aviação Civil que reúne uma relação de todas as aeronaves brasileiras certificadas pela Anac.
Rumores sobre a morte de Teori começaram a chegar ao STF no meio da tarde desta quinta. Assim que foi informada sobre o acidente, a presidente da Corte, que havia acabado de desembarcar em Belho Horizonte, retornou à capital federal.
O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes – que está de férias em Lisboa –, deve retornar ao Brasil nesta sexta (20).

Atuação no STF

Além dos processos regulares na Corte, o ministro acumulava em seu gabinete mais de 50 inquéritos e ações penais da Lava Jato. No momento, o caso mais importante, que ainda aguardava sua homologação, era a delação premiada de 77 executivos da Odebrecht.
O ato, que oficialmente reconhece a validade jurídica dos acordos, estava previsto para o início de fevereiro. Só a partir dele, a Procuradoria Geral da República (PGR) poderia iniciar novas investigações com base nos depoimentos.
Na análise do caso, Zavascki era considerado pelos pares e advogados um relator técnico e discreto. Nunca concedeu entrevista sobre o assunto e só se manifestava nos autos.
Numa das decisões mais marcantes, no final de 2015, convocou uma sessão extraordinária na Segunda Turma – responsável pela Lava Jato – para confirmar uma ordem de prisão do então senador Delcídio do Amaral e do dono do banco BTG, André Esteves. Na época, veio à tona gravação com indícios de que ambos pretendiam comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.
“O presente caso apresenta linha de muito maior gravidade. O parlamentar não está praticando crimes qualquer, está atentando contra a própria jurisdição do Supremo Tribunal Federal”, disse Zavascki.
Outra decisão marcante foi o voto permitindo a prisão de condenados após a segunda instância. Como relator, Zavascki obteve a adesão de outros 6 ministros da Corte (Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Dias Toffoli, Cármen Lúcia e Gilmar Mendes); 4 votaram de forma contrária (Rosa Weber, Marco Aurélio Mello, Celso de Mello e Ricardo Lewandowski).
O julgamento levou à reação da própria classe política: no fim de maio, veio à tona uma gravação na qual o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), atacou a mudança de jurisprudência em uma conversa com o ex-presidente da Transpetro Sergio Machado. No diálogo, o senador do PMDB – investigado pela Lava Jato – afirma que o Congresso Nacional precisa aprovar uma nova lei para restabelecer as prisões somente após o trânsito em julgado.
A fala do presidente do Senado foi interpretada por procuradores da República como indício de uma tentativa de atrapalhar as investigações do caso e chegou a embasar o pedido de prisão apresentado ao Supremo contra Renan por Janot. Relator da Lava Jato no STF, o ministro Teori Zavascki rejeitou o pedido de prisão.
A irritação de Renan Calheiros foi motivada, em parte, pelo fato de que a decisão do Supremo de rever a regra de execução das prisões serviu como estímulo às delações premiadas, na medida em que, temendo a prisão mais rápida, muitos investigados acabaram fechando acordos de colaboração com a Justiça em troca do abrandamento da pena.

Veja a trajetória de Teori

- Nasceu em 15 de agosto de 1948 em Faxinal dos Guedes (SC)
- Formou-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Era mestre e doutor em Direito Processual Civil pela mesma universidade
- Ingressou na advocacia em 1971
- Foi professor de Direito da UFRGS, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UniSinos) e da Universidade de Brasília (UnB), além de advogado do Banco Central do Brasil
- Foi nomeado juiz federal em 1979 e exerceu cargos no Tribunal Regional Federal da 4ª Região entre 1989 e 2003. Ele chegou a presidir o tribunal
- Zavascki também foi ministro do Superior Tribunal de Justiça de 2003 a 2012, onde chegou a ser presidente da 1ª Turma - no biênio de 2004 a 2006 - e presidente da 1ª Seção, de 2009 a 2011
- Em 2012, durante o governo Dilma, foi nomeado ministro do Supremo Tribunal Federal. Na Suprema Corte, presidiu a Segunda Turma de 2014 a 2015. Atualmente, era o relator dos processos da Operação Lava Jato
- Teori tem seis publicações em direito de sua autoria, além de outros 28 em co-autoria
- Recebeu diversas condecorações, títulos e medalhas, como Ordens do Mérito Judiciário do Trabalho e Militar, além de outras regionais
- Foi membro do Instituto Ibero-Americano der Direito Processual e Instituto Brasileiro de Direito Processual.

Fonte: G1

URGENTE - Avião cai em Paraty; ministro do STF estaria na lista de passageiros

Resultado de imagem para teori zavascki
Um avião caiu na tarde desta quinta-feira (19) no mar de Paraty, na Costa Verde do Rio de Janeiro. Segundo o Corpo de Bombeiros, o acidente foi próximo à Ilha Rasa. O nome do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki está na lista de passageiros da aeronave. Ainda não há informação sobre mortos. 
O aeroporto do litoral informou que o avião saiu de São Paulo (SP) e caiu a 2 km de distância da cabeceira da pista. De acordo com a FAB (Força Aérea Brasileira), quatro pessoas estavam a bordo. Ainda não há informações sobre a identidade das vítimas.
Modelo Hawker Beechcraft King Air C90, semelhante ao que sofreu a queda em Paraty (Foto: Divulgação/Beechcraft)Por volta de 14h50, a Polícia Militar havia disponibilizado uma lancha para auxiliar nas buscas. A Capitania dos Portos e o Corpo de Bombeiros também trabalhavam no resgate.
Segundo moradores da região, no momento do acidente chovia forte em Paraty. "Eu não vi o momento do acidente só senti um cheiro muito forte de combustível. De onde estou, consigo ver o resgate. Tem uma pessoa tentando sair da aeronave que parece ser de pequeno porte", contou Rosália Ramos Lima, proprietária de uma pousada e restaurante da ilha.
A assessoria de comunicação da Infraero confirmou ao G1 que a aeronave prefixo PR-SOM, modelo Hawker Beechcraft King Air C90, decolou às 13h01 do Campo de Marte, em São Paulo (SP) com destino a Paraty. A aeronave é de pequeno porte e tem capacidade para oito pessoas.
Trabalho de resgate da aeronave em Paraty, na Costa Verde (Foto: Sonia Barcelos/Arquivo pessoal)
O dono e operador da aeronave é o hotel Emiliano, segundo informações de abril de 2016 disponíveis no Registro Aeronáutico Brasileiro, documento divulgado pela Agência Nacional de Aviação Civil que reúne uma relação de todas as aeronaves brasileiras certificadas pela Anac. O G1 procurou a assessoria de imprensa do grupo Emiliano Empreendimentos e eles não tinham informações sobre o acidente.
Às 15h50, uma equipe do Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) estava se dirigindo ao local para apurar as causas do acidente.
As fotos foram enviadas para o WhatsApp da TV Rio Sul.

Aeronave caiu na tarde desta quinta-feira (Foto: Rosália Ramos Lima/Arquivo Pessoal)

Acidente foi próximo à Ilha Rasa, em Paraty (Foto: Arquivo Pessoal)

Fonte: G1

Homem é assassinado e tem o corpo jogado dentro de um canal do Conjunto Ceará

Homem é assassinado e tem o corpo jogado dentro de um canal do Conjunto CearáNo local, nenhum morador reconheceu a vítima. O corpo será encaminhado à Pefoce
Mais um crime misterioso é registrado em Fortaleza. No começo da manhã desta quarta-feira (18), moradores  das avenidas C e E do Conjunto Ceará, na zona Sul da Capital, se depararam com o corpo de um homem boiando no canal que corta as duas vias públicas. A Polícia Militar foi chamada e isolou o local.
O homem morto estava vestido apenas de cueca e uma camiseta. Apresentava sangramento a altura do tórax e do abdome, mas até o momento da chegada de patrulhas do Ronda do Quarteirão não se sabia se ele havia sido atingido por tiros ou lesionado com outro tipo de arma. Tratava-se de um jovem, cor branca, estatura média, cabelos pretos.
Moradores do local não informaram terem ouvidos estampidos durante a  noite de ontem ou madrugada de hoje. A Polícia não descarta a hipótese de uma “desova”, isto é, de que a pessoa tenha sido morta ou ferida em outro local e o cadáver jogado no canal.

Bombeiros

Inspetores do 12º DP (Conjunto Ceará) estão também no local para dar início às investigações em conjunto com a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).  Mas, até agora, a vítima não foi reconhecida pela população.  Policiais acionaram o Corpo de Bombeiros para a retirada do cadáver do canal.

O local onde ocorreu a descoberta do cadáver pertence à Área Integrada de Segurança Dois (AIS-2), de responsabilidade do 12º Distrito Policial e do 17º BPM. 

Por FERNANDO RIBEIRO 

Fonte: CN7