Buscar

18 janeiro 2017

Projeto de lei do Senado quer impedir que juízes possam bloquear WhatsApp

Imagem relacionadaUm projeto de lei em tramitação no Senado Federal quer impedir que magistrados possam bloquear o WhatsApp por decisão judicial. O bloqueio aconteceu em duas ocasiões no ano passado, em todo o território nacional, e também em 2015, após o Facebook, empresa proprietária do aplicativo de troca de mensagens, recursar-se a fornecer dados de usuários suspeitos de terem cometido crimes.
O projeto ainda será votado na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) e, antes de seguir para votação em plenário, ainda precisa passar pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Depois, parte para a Câmara dos Deputados.
Autor do projeto, o senador José Medeiros (PSD-MT) defende que as investigações criminais não podem afetar a liberdade de comunicação do País. “No mundo atual, altamente conectado, não é minimamente razoável manter-se à disposição de magistrados o poder de ceifar o direito de livre acesso à internet pela interrupção nacional de serviços de comunicação. Serviços que, senão públicos em seu nascedouro, adquirem, pelo desempenho, inquestionável relevância pública e social”, disse.
Para ele, o bloqueio de aplicativos como o WhatsApp é uma medida desproporcional da Justiça e outras medidas poderiam ser tomadas durante investigações.  “Podem ser impostas multas, plenamente adaptáveis às circunstâncias do caso, ou há a possibilidade, ainda, de se bloquear o acesso exclusivamente daqueles que estão sendo investigados”, exemplifica.
O relator da proposta na CCT é o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP). Ele ainda acrescentou no projeto que autoridades judiciais devem respeitar os limites tecnológicos e operacionais dos aplicativos ao analisar a quebra de sigilo das conversas.
“Ora, se o uso de técnicas de criptografia, por exemplo, não é vedado pelo ordenamento jurídico nacional, não há sentido em impor, por via judicial (provisória ou definitiva), que a empresa a modifique ou a abandone. Onde a lei não impõe restrições, não pode o julgador fazê-lo”, defende.
Nas duas ocasiões em que o Facebook negou-se a fornecer dados de usuários, alegou que não conseguia quebrar o sigilo por razões técnicas, já que o WhatsApp utiliza a chamada “criptografia de ponta a ponta”.

Fonte: O POVO

Nenhum comentário:

Postar um comentário