Buscar

09 dezembro 2016

Ceará é o estado com o maior número de mortes por microcefalia no Brasil

Resultado de imagem para MicrocefaliaO Ceará lidera a lista dos estados com o maior o número de mortes por microcefalia, conforme o boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde, referentes ao período de 8 de novembro de 2015 a 3 de dezembro de 2016. O Estado confirmou 25 óbitos por causa da doença. Registrou ainda 624 notificações e obteve confirmações de 150 casos de microcefalia.
Conforme os dados, o Rio Grande do Norte aparece atrás do Ceará, com 22 óbitos. Na sequência, vêm os estados da Bahia, 22, Paraíba, 18, e do Rio de Janeiro e de Goiás, ambos empatados com 11 mortes. A região Nordeste lidera com 121 óbitos confirmados, seguido por Sudeste, 25, Norte, 17, Centro Oeste, 23, e Sul, um.
Sobre a distribuição geográfica, os dados do MS apontam que o Ceará teve 117 municípios com casos notificados e confirmou em 54 cidades. No Brasil, os 10.441 casos notificados estão distribuídos em 1.775 dos 5.570 municípios brasileiros.
Permanecem em investigação no País 3.173 casos suspeitos de microcefalia. O Brasil confirmou 2.228 casos. Pernambuco é o estado com o maior número de casos confirmados.

Ministro da Saúde
Em entrevista ao O POVO Online nesta terça-feira, 6, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, disse que, neste momento, "não há evidência científica de um novo ciclo de casos de microcefalia" no País. A curva da microcefalia no Brasil desde o surto da má-formação indica que os casos vem diminuindo a cada semana.
A sazonalidade do vírus da zika, que está associado ao processo de má formação dos recém-nascidos, é um dos fatores que podem ter contribuído para essa redução. Entretanto, o ministro enfatiza que não pode baixar a guarda contra o mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus da zika, dengue e chikungunya.

Fonte: O POVO

Dilma Rousseff é uma das Mulheres do Ano pela Financial Times

Dilma na posse de seu segundo mandatoAfastada em maio de 2016 da Presidência da República, Dilma Rousseff foi eleita uma das Mulheres do Ano pelo Financial Times. Em entrevista ao jornal britânico, a ex-presidente afirmou que uma autoridade mulher é chamada de "dura", enquanto um homem é considerado "forte". A "primeira mulher presidente do maior país da América Latina" disse ainda que o governo à frente do País hoje é formado por "velhos brancos ricos ou, pelo menos, daqueles que querem ser ricos". As informações são do Estadão.
Além de Dilma, o jornal entrevistou também a primeira-ministra britânica, Theresa May; Simone Biles, considerada a maior ginasta de todos os tempos; a escritora e apresentadora de TV britânica do ramo de culinária Mary Berry, dentre outras personalidades. As entrevistas fazem parte de uma série de perfis exibidos pela publicação nesta quinta-feira, 8.
A entrevista com Dilma já começa com uma avaliação em relação ao período do afastamento. "Para uma mulher que acabou de suportar um duro período de seis meses de julgamento político, que resultou em seu impeachment, a ex-presidente brasileira Dilma Rousseff parece incrivelmente relaxada", afirmou o chefe da sucursal do FT no Brasil, Joe Leahy. A entrevista foi concedida em um hotel em Porto Alegre.
Aos 68 anos, Dilma enfatizou que andar de bicileta é sua mais nova paixão. Ela adquiriu o hobby quando estava no Palácio do Planalto e agora pratica regularmente na capital gaúcha. "O lado sério de Dilma – uma ex-guerrilheira marxista que conquistou o cargo em 2010 com o apoio do que era então um dos movimentos operários mais bem-sucedidos do mundo, o PT, nunca está longe, no entanto".
A reportagem explica que, mesmo tendo sido afastada em maio, só deixou o cargo definitvamente em agosto. Ela foi considerada pelo Senado culpada por manobras fiscais para estimular a economia e disfarçar o pior do déficit orçamentário visto no Estado.
"Eu acho que a oligarquia tradicional brasileira ficou chateada com essa pequena (redistribuição da riqueza)", disse Dilma. "Após séculos de exclusão, este foi um esforço muito pequeno na inclusão. Não foi fantástico; precisa ser muito mais do que o que fizemos".

Prefeito garante pagamento de salários e professores de Baturité não entrarão em greve

Prefeito garante pagamento de salários e professores de Baturité não entrarão em greve
Após reunião com o prefeito Herberlh Mota, os professores do município de Baturité decidiram cancelar a greve programada para começar na próxima sexta-feira (10). De acordo com a presidente do sindicato da categoria, Aila Moreira, o prefeito terá o prazo até o dia 12 de dezembro para regularizar os pagamentos. 

Durante o encontro, Herberlh compartilhou as dificuldades encontradas no município, mas assumiu que a partir de agora a responsabilidade é dele. O atual prefeito de Baturité também garantiu a reabertura da Unidade de Pronto Atendimento, e a realização de um grande mutirão de limpeza na cidade nos próximos dias.

Entenda

Herberlh Mota é o quarto prefeito a assumir a Prefeitura Municipal de Baturité, após o pedido de licença médica da presidênte da Câmara, Irmã Edileuza. O prefeito Bosco Cigano e a vice-prefeita Cristiane Braga, foram afastados por decisão da Justiça.

Fonte: CN7

Fortaleza é a 3ª Capital do NE em violência física contra mulher

A cidade de Maria da Penha ostenta uma triste estatística quanto ao direitos de gênero. Em Fortaleza, uma em cada cinco mulheres (18,97%) já sofreu algum tipo de violência física. A capital cearense ocupa o 3º lugar no Nordeste, ficando atrás de Salvador (19,76%) e Natal (19,37%).
Os dados são da Pesquisa de Condições Socioeconômicas e Violência Doméstica e Familiar contra a mulher (PCSVDF Mulher), divulgados ontem. Realizado pelo Programa de Pós-Graduação em Economia da Universidade Federal do Ceará (Caen/UFC) em parceria com o Instituto Maria da Penha, o estudo é considerado o maior da América Latina na área.
Ao todo, cerca de 10 mil mulheres, entre 15 e 50 anos, nas nove capitais da região, foram ouvidas no período de março a junho deste ano. 
As estatísticas fornecem informações quantitativas em relação à violência contra a mulher. As qualitativas, que ajudam investigar as causas, serão obtidas em 2017.
“Uma pesquisa com grande número de entrevistadas dá uma visão mais real da violência contra a mulher no Nordeste. Temos ainda uma segunda etapa em que as mesmas mulheres vão ser novamente entrevistadas em 2017 para complementar esses dados”, afirma Maria da Penha, que dá nome à lei de combate à violência doméstica, que completa dez anos em 2016.

“O objetivo é criar uma grande base de dados científicos e transparentes que possa dotar a sociedade civil desse tipo de informação”, explica José Raimundo Carvalho, professor e pesquisador do Caen/UFC, complementando que as 256 entrevistadoras eram todas mulheres.
Em Fortaleza, outro dado alarmante é que quase um terço das agressões físicas (5,54%) contra mulheres ocorreu nos doze meses anteriores à aplicação da pesquisa.
Além dos dados relacionados à violência física contra mulheres nas capitais do Nordeste, a pesquisa apresenta uma série de outros dados. No Nordeste, cerca de três em cada dez mulheres já sofreram algum tipo de violência na vida (física, emocional ou sexual). Quase metade desses casos (11,92%) ocorreu nos doze meses anteriores em que a pesquisa foi aplicada.

Números

Ranking Violência física contra mulher no Nordeste

Salvador - 19,76%
Natal - 19,37%

Fortaleza - 18,97%
Maceió - 18,44%

João Pessoa - 17,87%
Recife - 17,59%

Aracaju - 15,44%
Teresina - 14,22%

São Luís - 12,54%

Nos últimos 12 meses Maceió - 7,48%
João Pessoa - 6,04%

Recife - 5,74%
Fortaleza - 5,54%

Natal - 5,5%
Aracaju - 5,39%

Salvador - 4,73%
Teresina - 4,38%

São Luís - 3,67%

Fonte: O POVO