Buscar

25 novembro 2016

MEC tira isenção de candidato que fizer Enem mais de 3 vezes e veta 'treineiros'

Candidato perderá direito à isenção se fizer o Enem mais de 3 vezesBRASÍLIA - O candidato que prestar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) mais de três vezes com isenção de taxa perderá o direito à gratuidade na quarta tentativa. Também não haverá mais certificação do ensino médio e não se aceitará a participação de “treineiros”. A medida faz parte de um pacote elaborado pelo Ministério da Educação (MEC) para diminuir os custos da prova, que neste ano superaram os R$ 650 milhões.
O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão do MEC responsável pelo Enem, apura os motivos que levam candidatos a realizar o exame repetidas vezes – há relatos de pessoas que participam das provas por até 8 edições consecutivas. “Ainda estamos pesquisando quem são elas e qual a motivação para essa recorrência”, informou ao Estado a secretária executiva da pasta, Maria Helena Guimarães de Castro. “Não faz sentido que façam sete vezes sem pagar. Vamos dar a oportunidade de isenção por até três edições.”
Em reunião nesta quinta-feira, 24, entre o Inep e o Conselho Nacional dos Secretários de Educação (Consed), outras providências para tornar o Enem “mais sustentável” foram anunciadas. Por exemplo: a prova servirá apenas para acesso ao ensino superior, e não mais para que o candidato obtenha o certificado de conclusão do ensino médio. A decisão tem como base um índice muito baixo de sucesso: dos 990 mil inscritos para este fim, apenas 72 mil conseguiram o diploma – pouco mais de 7%.
Para atender a esse público, será reativado o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja), suspenso há três anos. “É a melhor solução. As provas são repassadas sob sigilo aos Estados, que ficam responsáveis pela aplicação e certificação”, disse Maria Helena. 
O Enem também não aceitará mais a adesão de “treineiros”, candidatos que buscam conhecer a logística do exame antes de prestar “para valer” – normalmente estudantes secundaristas dos 1.º e 2.º anos. Só neste ano foram R$ 1 milhão de inscritos nesta categoria, incluídos no cálculo geral de custos (neste ano, R$ 74 por candidato).
Hora do Enem. O Inep prepara, junto às Secretarias Estaduais de Educação, a aplicação de simulados específicos para esse público. “Dessa forma, os objetivos dos treineiros serão atendidos, sem que isso represente mais ônus ao ministério”, justificou a secretária. Ela não informou se vai manter o programa Hora do Enem, plataforma online de estudos e simulados lançada pela gestão anterior, mas já opinou que se trata de “um modelo muito caro”.
Debatido entre o ministério e um grupo de consultores, o pacote de alterações no Enem também busca diminuir o índice de abstenção, que neste ano chegou a 30% – o mais alto dos últimos sete anos. Segundo o MEC, 1,2 milhão de candidatos que obtiveram a isenção de taxa sequer abriram a notificação de local de prova. “É um pouco de falta de responsabilidade e cuidado com o dinheiro público, porque é o contribuinte, o povo brasileiro, quem paga a aplicação”, criticou Maria Helena.
Outra alteração em vista, mas que não trata especificamente de contenção de despesas, é o modelo de aplicação do Enem para estudantes sabatistas – aqueles que, por motivos religiosos, permanecem seis horas dentro de sala de aula à espera do início da prova, às 19 horas. “É um absurdo, uma tortura para esses estudantes”, disse o ministro Mendonça Filho em audiência pública na Câmara dos Deputados, na quarta-feira, 23. 

Ele afirmou que, para a edição deste ano, não haveria tempo hábil para mudar as regras. Mas afirmou que “fará esforço para eliminar essa condição de humilhação para 2017”
Fonte: ESTADÃO

Ceará tem 24% dos municípios com risco ou alerta de surto de dengue

Resultado de imagem para dengueUm em cada quatro municípios cearenses está em situação de alerta ou risco de surto de dengue, chikungunya e zika. O Estado acumula 14 cidades no estado mais grave e 32 com risco, de acordo com o Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti, do Ministério da Saúde. Os dados, divulgados ontem, apontam que 855 localidades no Brasil somam alto índice de infestação nos últimos meses do ano.
Os números devem orientar as ações de controle das três doenças. De acordo com Ricristhi Gonçalves, técnica do Núcleo de Controle de Vetores da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), o balanço mostra situação “crítica”. Contudo, o cenário no Estado pode ser ainda pior, já que a amostra analisou dados de 111 municípios — dos 184 do Ceará.
Segundo a técnica da Sesa, o quadro mais grave é naquelas localidades onde foram encontrados focos do mosquito em mais de 3,9% dos imóveis visitados . “Isso é alto para este período. É complicado porque, se já começa assim, no início do próximo ano o risco de surto é maior”, explicou.
A situação nacional é mais grave, as 855 cidades com infestação alta representam 37,4% dos locais pesquisados. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, projeta redução da proliferação das doenças. “Para este ano, esperamos estabilidade nos casos de dengue e zika. Como chikungunya é uma doença nova, pode ocorrer aumento de casos ainda este ano. Porém, para o próximo, também esperamos estabilização dos casos de chikungunya”, afirmou.
Saiba mais
Municípios do Ceará com risco em surto de dengue, chikungunya e Zika: Aracoiaba Baturité, Canindé, Capistrano, Coreaú, Farias Brito, Ipaumirim, Irauçuba, Jaguaretama, Marco, Mauriti, Missão Velha, São Luís do Curu e Varjota.
Cidades em situação de alerta: Pentecoste, Quixadá, Horizonte, Reriutaba, Hidrolândia, Uruoca, Boa Viagem, Caridade, Itapagé, Alto Santo, Parambu, Massapê, Pacajus, Tauá, Apuiarés, Crateús, Madalena, Caucaia, Viçosa do Ceará, Ipu, Moraújo, Pacatuba, Mucambo, São Gonçalo do Amarante, Senador Sá, Uruburetama, Pereiro, Forquilha, Guaraciaba do Norte, Pires Ferreira,Tururu e Maracanaú.
Fonte: O POVO

URGENTE - Geddel decide deixar o cargo após agravamento de crise política

Resultado de imagem para Geddel
O ministro Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) decidiu deixar o cargo após o agravamento da crise envolvendo seu nome, o presidente Michel Temer e o ministro Eliseu Padilha.
O anúncio deve ser feito ainda nesta sexta. Geddel comunicou aliados de sua decisão, entre eles alguns ministros e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).
Geddel foi acusado pelo ex-ministro da Cultura Marcelo Calero de tê-lo pressionado a rever decisão do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional) que impede a construção de um empreendimento imobiliário onde o ministro da Secretaria de Governo adquiriu apartamento.
Em depoimento à Polícia Federal, Calero disse ainda que o presidente Temer o "enquadrou" no intuito de encontrar uma "saída" para obra de interesse de Geddel.
Além de Temer e de Geddel, Calero implica também o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. O ex-ministro diz à PF ter recebido uma ligação de Padilha após uma conversa ruim com Geddel.

Ainda não se sabe se a saída de Geddel do cargo será por demissão ou apenas afastamento. Se houver demissão, ele perderá o foro privilegiado e poderá ser julgado em instâncias inferiores ao STF (Supremo Tribunal Federal).
Fonte: Folha de SP

Faculdade do Maciço de Baturité realiza I Seminário de Iniciação Científica

A Faculdade do Maciço de Baturité (FMB) realizou, na noite desta quinta-feira (24), a abertura do I Seminário de Iniciação Científica (SEMIC). O evento que inova e possibilita inscrições para ouvintes ocorreu no auditório da Faculdade do Maciço de Baturité (FMB) e contou com a participação de autoridades, professores, estudantes e bolsistas de Iniciação Científica da Universidade. A programação do seminário estende-se até o próximo sábado (26).
A Faculdade do Maciço de Baturité, seguindo o seu ideal de contribuir para a formação de profissionais qualificados e aptos a enfrentar os desafios do mundo contemporâneo, está promovendo o I Seminário de Iniciação Científica (SEMIC), com a temática da “Educação das Relações Étnico-Raciais”. 
O objetivo geral que norteia o SEMIC é de proporcionar o aprofundamento do debate científico nas áreas de administração e pedagogia e ciências afins, em torno das principais demandas do Maciço de Baturité, bem como as suas relações com as demais áreas do conhecimento. Nesse mesmo sentido, foram elencados os seguintes objetivos específicos: Incentivar a produção científica no âmbito da FMB; Favorecer o envolvimento da comunidade acadêmica com a comunidade local; Garantir o diálogo entre pesquisa, ensino e extensão; Divulgar o trabalho de docentes e discentes da FMB; Criar pontes da produção acadêmica entre a FMB e demais intuições publicas e privadas do Estado do Ceará; Proporcionar a divulgação de trabalhos e pesquisas científicas de pesquisadores de outras instituições do ensino superior.
“O seminário é um momento de celebração para os alunos que iniciam os primeiros passos na pesquisa e serve de estímulo para que mais discentes busquem o envolvimento em projetos, o que amplia o horizonte da formação e promove a familiarização com a pesquisa, além de capacitar para uma atuação futura tanto em instituições acadêmicas quanto em outras funções profissionais”, declarou o professor doutor Edmar Silva, coordenador de Pesquisa da FMB.
Para a palestrante professora doutora Vera Rodrigues a realização de eventos como este é de fundamental importância para o crescimento científico da Universidade, assim como para o enriquecimento pessoal dos participantes. “A Iniciação Científica é basilar, pois a universidade é construída em cima do seu principal material humano, que são os seus alunos, razão da existência da universidade. A preparação desses alunos para uma vida científica é fundamental, e ela ocorre, essencialmente, por meio da Iniciação Científica. Precisamos estimular essa atmosfera para que os nossos estudantes possam compor a nossa pós-graduação da melhor forma possível”, ressaltou.

SEMIC

O SEMIC está sendo realizado no período de 24 a 26 de novembro nas dependências da FMB. Contará com a presença de docentes da própria FMB e professores convidados da UNILAB que irão realizar, sob vários pontos de vistas, uma discussão sobre o tema central do evento, apresentando possíveis caminhos para a redução dos indicadores de preconceito, racismo, discriminação religiosa ou exclusão por gênero.
O SEMIC quer contribuir, ainda, com a valorização da cultura local, especialmente as culturas indígena e negra, que foram fundamentais para estruturação do tecido social do Maciço de Baturité, mas que têm sido relegadas a um segundo plano e têm sofrido com a ausência de políticas públicas municipais específicas que não somente valorizem, mas também resgatem e resinifiquem essas valiosas contribuições culturais.
No dia 26/11 serão apresentados os trabalhos de iniciação científica, resumos expandidos ou artigos que foram submetidos e aprovados pela Comissão Científica do evento. As apresentações começarão às 08:00 horas e serão abertas ao público.