Buscar

13 outubro 2016

Presidente do PDT diz que PT deve "cair na real" e apoiar Ciro em 2018

O presidente nacional do Partido Democrático Trabalhista (PDT), Carlos Lupi, afirmou, nesta quarta-feira (12), que "o PT terá que cair na real" e apoiar o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) para presidente nas Eleições 2018. Ele disse ainda que atualmente o PDT é maior do que o PT e que a candidatura do cearense é “irreversível”. As informações são da Folha de São Paulo. 
Segundo revelou Lupi, Lula está aberto a apoiar outra candidatura. Conforme disse, o expresidente acredita que o momento do Partido dos Trabalhadores é de recuar para se erguer novamente. 
A partir de janeiro de 2017, Ciro Gomes já participará de programas do partido na TV e no rádio. "Agora, é hora de o PT recuar, ter humildade e apoiar Ciro. A gente também tem que ser apoiado", disse o presidente do PDT nacional.

Alianças 

Com a candidatura pré-confirmada, Ciro tem se dedicado a apoiar campanhas de segundo turno. Além de Roberto Claudio, em Fortaleza, o ex-ministro participa de atividades nas cidades de Osasco e Ribeirão Preto, em São Paulo. No 1º turno, Ciro empenhou-se, de forma intensa, para a eleição do irmão Ivo Gomes, em Sobral.  
A política de alianças é uma das principais estratégias do PDT para as eleições de 2018. Para ajudar na candidatura de Ciro, o PDT já se coligou com o PC do B e o PSB neste ano. 
Lupi rechaça ainda a tese de que Ciro não tem visibilidade nacional para a corrida presidencial. "Ele concorreu há 14 anos. É nacionalista e relativamente conhecido." 

Apoio do PT

Ciro Gomes tem buscado aproximação do eleitorado petista. Ele tem demonstrado apoio a Lula e à ex-presidente Dilma Rousseff. O ex-governador afirmou ainda que acompanhará Lula em busca de asilo numa embaixada caso o petista venha a ser condenado na Operação Lava Jato. 

Fonte: DN 

Ministério da Justiça quer regras mais rígidas para soltar presos

Uma tentativa para desestimular a onda de crimes no Brasil. O governo Michel Temer quer elevar o tempo de cumprimento de pena em regime fechado de condenados por corrupção ativa e passiva e por crimes praticados com violência ou que representem grave ameaça.
O Ministério da Justiça prepara proposta que altera a Lei de Execuções Penais para endurecer a progressão da pena. Hoje, para haver a mudança de regime prisional, é necessário que o preso cumpra pelo menos 1/6 do tempo de condenação. O objetivo é aumentar esse período mínimo para a metade da pena.
Com a alteração, por exemplo, o tempo exigido para a progressão de pena para uma condenação de 5 anos e 4 meses por roubo qualificado com uso de arma de fogo passaria de 11 meses para 2 anos e 7 meses. No caso de corrupção ativa, a progressão de regime para uma pena de 4 anos e um 1 mês aconteceria a partir de 2 anos, e não mais de 8 meses como é atualmente.
O governo planeja discutir a iniciativa ainda neste mês com os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e enviá-la ao Congresso até o final de novembro. A mudança tem como objetivo acabar com o que o governo chama de “distorções no cumprimento do regime fechado”.
A discordância é que as atuais regras de progressão da pena fazem com que condenados por crimes considerados menos graves, como estelionato e furto simples, permaneçam na prisão por período semelhante ao de condenados por infrações mais severas.
Com a mudança, a espera do Ministério da Justiça é também manter por mais tempo em regime fechado integrantes do crime organizado envolvidos em roubos de armamento pesado, como fuzis e explosivos. Esses são exemplos de grave ameaça.
Com informações da Folha de São Paulo.
Fonte: Ceará Agora

Após série de fugas presos serão retirados de delegacias

Nas últimas 72 horas, 18 presos deixaram as celas das delegacias em Fortaleza pela porta da frente, não por decisão da Justiça, mas após fugas registradas no 4º DP (Pio XII), 3º DP (Otávio Bonfim) e na Delegacia Geral da Polícia Civil, no Centro de Fortaleza.
Após as ações, entre elas dois resgates, a Polícia Civil promete zerar o número de presos em xadrezes nas delegacias de Fortaleza e da Região Metropolitana. A informação consta em nota divulgada na noite desta quarta-feira.
No documento enviado à imprensa a Polícia Civil informa ainda que será montada uma força-tarefa já a partir desta quinta-feira, 13, em parceria com a Secretaria da Justiça para a retirada de todos os presos das delegacias. Eles serão distribuídos nas unidades prisionais do Estado.
Restarão nas delegacias apenas xadrezes para custodiar presos atinentes à lavratura de autos de prisão em flagrante, permanecendo apenas o tempo necessário para finalização das investigações policiais em sede de inquérito policial.
Fonte: Ceará Agora

Nordeste terá pior seca dos últimos 100 anos, prevê Governo Federal

O Governo Federal prepara uma campanha publicitária direcionada ao Nordeste para informar que a região vai entrar no sexto ano consecutivo de estiagem. Será a seca mais prolongada dos últimos 100 anos. A última crise foi entre 1910 e 1915.
O ministro da Integração, Helder Barbalho, não descarta um colapso na região metropolitana de Campina Grande (PB), com falta de água para o consumo humano já em abril, e problemas pontuais em Fortaleza. “Estamos monitorando para encontrar soluções para os grandes centros urbanos, nos quais pode ocorrer um colapso.”
A estratégia do governo com a campanha é evitar que o presidente Michel Temer seja responsabilizado pela falta d’água numa região em que é impopular. O governo avalia que, se preparar a população para o problema, a reação será minimizada. O ministro diz, contudo, que não tem informação sobre esse assunto.
Obras estruturantes e novas adutoras não ficarão prontas a tempo de resolver o problema, que bate à porta. O governo tem usado carros-pipa. São 6.800 atendendo 3.500 localidades. E se queixa de que alguns Estados não fizeram a sua parte.
Com informações do Conteúdo Estadão
Fonte: Ceará Agora

PM atira e fere dois seguranças em festa no Terminal de Passageiros do Mucuripe

Atualizada às 14h40min
Um cabo da Polícia Militar atirou contra dois seguranças ao ser retirado da festa Garota White na madrugada desta quarta-feira, 12. As vítimas foram socorridas e encaminhadas ao Instituto Dr. José Frota (IJF), no Centro. O policial Johnatan Tiago Silva de Andrade foi preso em flagrante e indiciado no 9º Distrito Policial.
O caso aconteceu no Terminal Marítimo de Passageiros do Mucuripe, em festa que tinha como principal atração show do cantor Wesley Safadão. De acordo com a assessoria de imprensa do evento, o policial estava com uma companheira e um casal de amigos causando tumulto e incomodando outros convidados.
A organização da festa teria advertido o policial. Diante da insistente conduta, os seguranças pediram que ele se retirasse. Por volta das 4h30min da manhã, ele e o amigo foram levados para o lado de fora do local.
Quando os seguranças retornavam para a festa, Johanatan sacou a arma e atirou, atingindo a primeira vítima nas costas, para, logo em seguida, atirar no segundo homem, acertando seu abdômen.
A assessoria de imprensa afirma que é feita a revista manual e por detector de metal na entrada da festa, sendo proibido o porte de arma entre convidados, inclusive policiais que não estejam em serviço. Informa ainda que será apurado se o PM teve acesso ao local da festa com arma.  
De acordo com nota da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), o caso será encaminhado para a Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário do Estado do Ceará (CGD).
Câmera de segurança flagrou o momento em que PM atira contra os seguranças. Veja vídeo:

Lei Seca: multa ficará mais pesada para quem for pego alcoolizado ao volante

Quem for pego pela Operação Lei Seca dirigindo alcoolizado ou se recusar a fazer o teste do bafômetro, a partir do dia 1º de novembro, pagará uma multa muito superior ao valor cobrado atualmente, que é de R$ 1.915. Devido a  mudanças na legislação de trânsito, o valor subirá para R$ 2.934,70 e o motorista ainda terá a carteira de habilitação suspensa pelo prazo de 12 meses.
O motorista que falar ao celular enquanto dirige também será penalizado com mais rigor: de infração média (multa de R$ 85,13) para gravíssima (R$ 191,54). E quem estacionar indevidamente em vaga de idoso ou deficiente perderá sete pontos na carteira.
De acordo com o coordenador da Lei Seca, tenente-coronel da Polícia Militar, Marco Andrade, para que o trânsito seja humanizado, é necessário a contribuição de todos. Existe o esforço legal de tentar inibir as transgressões através das penalizações. A multa é para chamar a atenção. “O grande objetivo é a reeducação, não temos prazer em multar”, explicou.
A Operação Lei Seca, iniciada em 2009, trouxe uma mudança para a realidade da segurança nas ruas e estradas do Estado do Rio. Segundo dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) e do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), o número de mortes em 2009 foi de 59 por 100 mil veículos. No ano passado, ficou em 29 para cada 100 mil veículos, uma redução de aproximadamente 50%.
Segundo o coronel Marco Andrade, “quando começamos, há sete anos, 20% dos motoristas eram flagrados sob efeito do álcool. Hoje, este número caiu para 7%. Da mesma forma, esperamos um amadurecimento com relação ao uso do cinto de segurança no banco de trás, com a não utilização do celular ao volante e o respeito às regras de velocidade. Precisamos que a sociedade compre essa ideia”, afirmou.
De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil é o quarto país do mundo com o maior número de mortes em acidentes de trânsito por ano. O país tenta cumprir uma meta estipulada pela Organização das Nações Unidas (ONU): uma redução em 50%, no período 2011-2020, de casos fatais em acidentes viários.
Fonte: Ceará Agora

TRE nega pedido de impugnação da candidatura de Doria

Resultado de imagem para joão doriaO Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) negou pedido de impugnação da candidatura do prefeito eleito da capital paulista, João Doria, apresentado pelo vereador Paulo Fiorilo (PT). A decisão foi do juiz eleitoral Costa Wagner. Ainda há possibilidade de recurso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
A ação alegava que Doria não se afastou até quatro meses antes da eleição do cargo ou função de direção, administração ou representação em empresas que “pelo âmbito e natureza de suas atividades, podem influir na economia nacional”.
A Justiça Eleitoral entendeu que não há provas de que as empresas das quais Doria é sócio tenham sido reconhecidas como praticantes de monopólio e que não se pode exigir a desincompatibilização das funções ou cargos que o empresário exercia nas empresas em até quatro meses da eleição, como pedia Fiorilo.
Fonte: Ceará Agora