Buscar

05 abril 2016

Professora é morta a facadas por ex na BA, um dia após terminar namoro

Professora rompeu com ex-namorado uma dia antes do jovem cometer o crime (Foto: Reprodução / Facebook)Uma mulher de 37 anos foi morta a facadas pelo ex-namorado de 27, no município de Maiquinique, região sul da Bahia, no domingo (3). Segundo informações da polícia, a vítima, Marilene Silva, era professora municipal e havia terminado o relacionamento no dia anterior ao crime.
Ainda de acordo com a polícia, os dois chegaram a morar juntos, mas há cerca de quatro meses já estavam vivendo em casas diferentes. No sábado (2), a vítima resolveu terminar o relacionamento de forma definitiva, e no dia seguinte foi surpreendida por uma visita do ex-namorado.
Após uma breve discussão pela janela da casa, o criminoso invadiu o local e atacou a vítima com golpes de faca, que segundo a polícia, ele havia levado da própria casa. Depois de matar a professora, o jovem tentou se matar usando a mesma arma. Os vizinhos acionaram a polícia e o homem foi socorrido ainda com vida para o Hospital de Base de Vitória da Conquista.
O jovem recebeu alta na segunda-feira (4) e foi encaminhado até a delegacia de Maracani, onde segue preso nesta terça-feira (5). O criminoso será ouvido pela polícia e está à disposição da Justiça. Após o crime, o corpo da professora foi removido por uma equipe do Departamento de Polícia Técnica (DPT), que fará a necropsia.

Fonte: g1

Conta de luz 4,09% mais barata ajuda a conter inflação da baixa renda em março

conta de luzA conta de luz voltou a ficar mais barata em março para as famílias de baixa renda e ajudou a frear a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1), divulgado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). A tarifa de eletricidade residencial, que já tinha recuado 2,33% em fevereiro, acentuou a queda para 4,09% em março. No mesmo período, a inflação pelo IPC-C1 desacelerou de 0,73% para 0,44%.
Quatro das oito classes de despesa que integram o indicador tiveram taxas de variação menores do que no mês anterior: Transportes (de 1,55% em fevereiro para 0,19% em março), Habitação (de 0,08% para -0,43%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,58% para 0,36%) e Despesas Diversas (de 1,84% para 0,97%). Além da conta de luz, outros destaques foram as tarifa de ônibus urbano (de 1,82% em fevereiro para 0,06% em março), artigos de higiene e cuidado pessoal (de 0,93% para 0,27%) e cigarros (de 3 02% para 1,27%).
Na direção oposta, houve aceleração no ritmo de aumento de preços nos grupos Alimentação (de 1,01% para 1,21%), Educação, Leitura e Recreação (de 0,38% para 0,42%), Vestuário (de 0,31% para 0,37%) e Comunicação (de 0,66% para 0,69%). Segundo a FGV, os itens que contribuíram para o movimento foram itens laticínios (de 0,85% para 2,89%), hotel (de -1,97% para -0,21%), roupas (de 0,21% para 0,50%) e tarifa de telefone móvel (de 1 07% para 1,45%).
A taxa do IPC-C1 de março foi inferior à inflação média apurada entre as famílias com renda mensal entre 1 e 33 salários mínimos. O Índice de Preços ao Consumidor – Brasil (IPC-Br) mostrou alta de 0,50% no mês passado. Ambos são calculados pela FGV.
No acumulado em 12 meses, entretanto, o IPC-C1 ficou em 9,99%, patamar superior ao do IPC-BR, que avançou a 9,37% em igual período.
Fonte: Estadão Conteúdo
Fonte: Ceará Agora

Cunha recusa pedido de impeachment contra Temer feito por Cid Gomes

cid e cunhaNove pedidos de impeachment foram proferidos pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), nesta segunda-feira, 4 – sete contra a presidente Dilma Rousseff e dois contra o vice Michel Temer. Todos foram rejeitados pelo peemedebista.
Entre eles estava o pedido de impedimento de Temer protocolado na última sexta-feira, 1º, pelo ex-ministro da Educação e ex-governador do Ceará Cid Gomes (PDT). O documento é baseado em citações incorporadas às investigações da Operação Lava Jato que envolvem suposto pagamento de propina no esquema de corrupção na Petrobras e favorecimento ao PMDB.
Nessa segunda, a Câmara enviou ao ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), uma manifestação em que defende o arquivamento do pedido de impeachment de Temer. De acordo com o documento, apenas o presidente da República pode ser impedido pelo Congresso Nacional, e ministros do Supremo não podem intervir em ato do Legislativo.
O ofício foi protocolado após o vazamento, há três dias, de um rascunho de voto do ministro para que, em caráter liminar, Cunha aceite o pedido contra Temer e instaure uma comissão para analisar a denúncia. Cunha afirmou que buscou se antecipar à decisão com informações que teria que esclarecer no futuro.
O presidente da Câmara revelou que o voto do ministro o pegou de surpresa, mas que nenhum decisão foi tomada até o momento. “Se ele proferir essa decisão, que eu não creio que ele irá proferir mas tem todo direito de fazê-lo, nós vamos agravar, recorrer e o plenário não vai mudar o entendimento sobre o tema.”
O parlamentar argumentou ainda que, caso Marco Aurélio seguisse com o voto, ele teria de abrir 47 comissões especiais contra Dilma, fazendo referência ao número de pedidos de impeachment contra a presidente rejeitados por ele até hoje.
Sobre o processo de impeachment da presidente Dilma que deverá ser votado em plenário ainda este mês, Cunha disse que irá exercer o seu direto de votar. Adversário declarado do governo, ele votará pela abertura do processo.
O presidente da Câmara usou como referência o deputado estadual Ibsen Pinheiro, líder do PMDB gaúcho, que, em 1992, comandou o processo que culminou na queda do ex-presidente Fernando Collor (PTC-AL). Como presidente da Câmara dos Deputados, Pinheiro votou ao final da sessão pela destituição do então presidente.
Fonte: Ceará Agora