Buscar

29 dezembro 2016

HRSC de Quixeramobim completa dois anos de inaugurado; veja linha do tempo

Envolto em polêmicas, unidade ainda não funciona completamente (Foto: Eduardo Queiroz) Quixeramobim. Na última quarta-feira (28) completaram-se exatos dois anos que o Hospital Regional do Sertão Central (HRSC) foi inaugurado neste Município da região Central cearense, distante cerca de 220 km da Capital. Apresentado com festa à população de Quixeramobim na época pelo então governador Cid Gomes, o HRSC prometia atendimento em diversas especialidades a mais de 600 mil pessoas de mais de 20 cidades da região. Mas os atendimentos ainda colocam o HRSC no centro de uma polêmica.
Para a doméstica Elizabete Lima Guerra, o HRSC ainda é apenas um elefante branco construído às margens da CE-060. Ela procura atendimento pediátrico para a filha e afirma travar uma luta para conseguir uma consulta.
“Eu não tenho condições de pagar, e não consigo encontrar no outro hospital. O que eu tinha que fazer era tentar ir uma vaguinha lá, mas a gente não consegue consulta pra lá ainda”, afirma Elizabete. Ela diz que já tentou por duas vezes ir à unidade. Nas duas, diz que não conseguiu sequer falar com os recepcionistas. “Isso aí tá servindo pra quê? Pra enganar o povo?”.
Defensoria
Há menos de um mês o HRSC recebeu membros da Defensoria Pública do Estado. A classe foi taxativa: o hospital ainda não está funcionando. O Diário do Nordeste acompanhou a inspeção e encontrou, junto com os defensores, equipamentos ainda lacrados, salas equipadas mas sem nenhum aparelho ligado e não mais do que uma única pessoa que havia chegado lá por meio de um médico particular.

A defensora pública Beatriz Fonteles Gomes Pinheiro, integrante do GT de Saúde, afirmou que apesar de uma estrutura impecável e o hospital estar, de fato, aberto, “não haviam médicos e nem pacientes. O que adianta todo esse aparato se não há atendimentos?”, questionou durante a visita.
Resposta da Sesa
De acordo com a Secretaria de Saúde do Estado (Sesa), o HRSC iniciou a primeira etapa do cronograma de funcionamento no último dia 5 de dezembro, com o serviço do ambulatório de cirurgia e do ambulatório multiprofissional (fisioterapeuta, nutricionista e fonoaudiólogo), além dos serviços de exames laboratoriais e de imagem. Até esta quarta-feira, 28, foram realizadas 96 consultas, 61 atendimentos de nutrição, 359 exames laboratoriais e 19 ultrassonografias.

Inicialmente, têm sido atendidos pacientes encaminhados pela Central de Regulação, com indicação de pequenas cirurgias. Nesse primeiro momento, o cirurgião examina o paciente e solicita exames laboratoriais e de imagem para fazer a avaliação. O ambulatório multiprofissional também tem dado suporte a esses atendimentos. As consultas são marcadas com intervalo de cada meia hora.
Desde setembro, setores como os de apoio à gestão, farmácia, nutrição, entre outros, estão trabalhando internamente, cumprindo diversas etapas de preparação e implantação dos serviços para atendimento à população. A próxima etapa será o início da internação cirúrgica eletiva e o funcionamento do centro cirúrgico, previstos para o fim de janeiro.
Polêmicas
Desde o processo de escolha da cidade sede do equipamento até as promessas de abertura e funcionamento, o hospital se vê submergido em contradições e promessas descumpridas que colocam em xeque a credibilidade do Governo do Estado.
Em maio de 2012 Cid Gomes assinou uma ordem para início da construção. A promessa inicial era que a unidade ficasse pronta em 16 meses, o que não aconteceu. Em novembro de 2014 o Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar (ISGH), empresa que gere o HRSC, abriu seleção para o preenchimento de vagas de nível fundamental, médio e superior com validade de dois anos. O certame, no entanto, só foi validado no segundo semestre deste ano e desde então os aprovados esperavam uma resposta. Problemas como falta d’água e de recursos também já foram empecilho para que o hospital permanecesse fechado, o que se resolveu em seguida.
Diário Sertão Central reuniu as datas dos principais fatos do hospital e compôs uma linha do tempo com as mais marcantes. Confira:
Maio de 2012 – Cid Gomes assina ordem para início da construção do HRSC. Promessa é que a unidade ficasse pronta em 16 meses. Na cerimônia da ordem de serviço, o então governador passou mau e desmaiou
Novembro de 2015 – Cirilo Pimenta, então prefeito de Quixeramobim, anuncia que HRSC está pronto. O político ainda fez outro anúncio, embora nas duas ocasiões, a Sesa não tenha confirmado
Novembro de 2015 – Vereadores de Quixeramobim se mobilizam para cobrar na Secretaria de Saúde do Estado (Sesa) repasse maior de verbas para abrir a unidade.
Dezembro de 2015 – Mesmo após um ano de inaugurado, hospital permanece fechado. População protesta fincando 365 cruzes pretas em frente ao local.
Fonte: DN

Nenhum comentário:

Postar um comentário