Buscar

17 novembro 2016

'Inaceitável', afirma Temer sobre invasão da Câmara

PlenarioBrasília - O presidente Michel Temer condenou nesta quarta-feira, 16, a invasão do plenário da Câmara por manifestantes. Segundo ele, ações como esta são “inaceitáveis”.
"Episódios como o de hoje são inaceitáveis e serão combatidos à luz da lei, em defesa da garantia de integridade de cada uma das instituições de Estado", afirmou em pronunciamento lido pelo porta-voz da Presidência, Alexande Parola.
Cerca de 50 manifestantes invadiram durante a tarde o plenário da Câmara dos Deputados defendendo o fim da corrupção, dos supersalários e intervenção militar no País. Houve tumulto, a sessão foi suspensa e o local fechado. "Em uma democracia, o valor a ser preservado é o do respeito à livre expressão e da busca de apoio pelo convencimento e pela argumentação", disse Temer.
A invasão do plenário da Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira, deixou o governo em estado de alerta e apreensivo com os desdobramentos do episódio. Desde o feriado, o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) foi informado de que manifestantes de grupos favoráveis à intervenção militar prometiam fazer arruaça em Brasília. Por precaução, a pista de ligação entre os palácios do Jaburu, residência atual do presidente Michel Temer, e do Alvorada foi fechada.
O acesso só foi liberado para receber os convidados de Temer para um jantar com senadores da base aliada, também nesta quarta-feira, no Alvorada. Mesmo assim, uma das pistas ficou bloqueada porque, na avenida presidencial, estudantes protestavam contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita os gastos públicos e a reforma do ensino médio.
O presidente também mostrou preocupação com o aumento dos protestos de servidores contra o pacote de ajuste proposto pelo governo do Rio, que terminaram em confronto com a Polícia Militar, diante da Assembleia Legislativa.
Embora no caso da invasão da Câmara o governo avalie que os atos foram organizados pela extrema direita, há no Palácio do Planalto o receio de que o clima de insatisfação acabe alimentando a volta de manifestações de rua contra Temer. Além disso, não se sabe como o mercado vai reagir à onda de protestos, que pode criar instabilidade no País no momento em que o governo tenta atrair investimentos.
Outro foco de inquietação no Planalto está nas universidades ocupadas. Grupos ameaçam tirar à força de lá os estudantes que são contra a reforma do ensino médio e a PEC do Teto. 
Para o líder do governo no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), a invasão do plenário da Câmara é o ápice de um processo que precisa ser detido. “Há universidades invadidas, há interrupção de ruas, avenidas e estradas e, agora, isso na Câmara. É um escárnio, um absurdo”, disse o senador. “Esse comportamento não se sustenta diante da ordem democrática.”
Fonte: ESTADÃO

Nenhum comentário:

Postar um comentário