Buscar

14 março 2016

ITAITINGA - Detento é assassinado e carbonizado na CPPL III

dUm detento que estava sendo custodiado na Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor Jucá Neto (CPPL III) foi morto e teve o corpo carbonizado, no último sábado (12). De acordo com informações da Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus), Douglas Matos Ferreira, 20, teve o corpo queimado depois que as visitas que estavam na unidade deixaram o local.
A reportagem apurou que o detento era da Vivência A, mas no momento em que foi assassinado ele e os outros internos estavam no corredor, porque ainda não tinham sido recolhidos depois de receberem seus visitantes. A Perícia Forense do Ceará (Pefoce) esteve no local do crime, mas não revelou o que teria causado a morte do detento. O perito não se pronunciou se ele foi morto e depois carbonizado ou se morreu porque tocaram fogo em seu corpo. 
No momento em que foi queimado, Douglas Ferreira estava enrolado em um colchão. O método para destruir o corpo, conhecido no mundo do crime como 'microondas', é geralmente ligado a questões de acertos de contas e vinganças. 
A queima do cadáver foi filmada por outros detentos e divulgada nas redes sociais. Durante o vídeo, um interno diz frases que sugerem que o crime foi motivado por vingança. "Vai matar mãe de vagabundo, safado, no inferno. Vai colar com Polícia no inferno", afirma o detento enquanto assiste à carbonização. 

Anunciado 

Em um áudio divulgado, há alguns meses, um criminoso faz menção ao assassinato da mãe de um criminoso e diz que dois suspeitos já estariam "decretados" e iriam ser mortos no presídio. O detento reclama das mortes que estão acontecendo no Sistema Penitenciário cearense, mas afirma que estes dois não seriam poupados. 
O detento que se identifica como 'Irmão Alê', seria o paraense Francisco Alexandre Pinto de Lima, o 'Cara de Peixe', conforme uma fonte de Secretaria de Segurança Pública e defesa Social (SSPDS). Ele estaria sendo custodiado na Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor Clodoaldo Pinto (CPPL II).  
A Polícia não fez menção ao áudio. Uma equipe da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) esteve na CPPL III, na noite de sábado, e disse que os motivos para a morte ainda não foram esclarecidos, mas as investigações já tinham começado e um inquérito para apurar os fatos seria aberto. 
"Não esclarecemos o motivo só com o que foi colhido lá dentro. Pelo que nos foi repassado havia uma rixa anteriormente e isto pode ter ligações com o homicídio", afirmou o delegado Cleófilo Rodrigues, da DHPP, que esteve na penitenciária. 
A reportagem apurou que, como os presos não estavam em suas celas no momento do assassinato, ainda não se sabe quantas pessoas podem ter participado do fato criminoso. 
A Sejus confirmou em nota que o corpo foi queimado por outros internos, após a saída das visitas. A Instituição informou que o Grupo de Apoio Penitenciário (GAP) interveio, mas o interno já foi retirado sem vida. 
Conforme a Secretaria de Justiça, "uma das suspeitas é que o crime tenha sido motivado por Douglas Ferreira estar envolvido na morte de um familiar de outro interno daquela unidade". O detento estava na CPPL III, depois de ser preso pelo crime de tráfico de entorpecentes. 

Outros casos

Em março de 2013, um confronto entre detentos da Casa de Privação Provisória de Liberdade Agente Luciano Andrade Lima (CPPL I), em Itaitinga, terminou com sete presos mortos e 13 feridos por queimaduras. A briga começou quando um interno da ´Rua´ E, do Pavilhão 1, foi agredido por outro da ´Rua´ F. 
Os detentos pegaram todos os colchões da Rua E e atearam fogo. Muitos presos já estavam dormindo e não conseguiram escapar dos inimigos. Sete tiveram morte imediata. Treze foram levados ao Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) do Instituto Doutor José Frota (IJF) com ferimentos. No momento do confronto quatro agentes penitenciários estavam de plantão, além de cinco PMs.  

Fonte: DN

Nenhum comentário:

Postar um comentário