Buscar

03 fevereiro 2016

Quem trabalhou até 1988 pode ter valores a receber do Fundo PIS/Pasep

Até 1988, as empresas e órgãos públicos depositavam dinheiro no Fundo PIS/Pasep em nome de todos os funcionários e servidores contratados. Cada trabalhador é um cotista do fundo.
Quem tem direito a receber são os contratados em uma empresa ou servidor público que trabalhou antes de 1988 e não sacou todos os recursos do fundo ainda.
Essas pessoas têm direito a receber, a cada ano, os rendimentos de sua parte no fundo. O direito é diferente do abono salarial –o abono do PIS- concedido pelo Ministério do Trabalho e Emprego.
Os trabalhadores que têm dinheiro no Fundo PIS/Pasep podem sacar o valor integral quando se aposentarem ou ficarem com alguma doença grave. Em caso de morte, os valores devem ser pagos aos dependentes.
Para saber se tem direito, caso tenha trabalhado em uma empresa privada procure a Caixa Econômica Federal ou uma agência do Banco do Brasil, se era servidor público. Será preciso informar seu número PIS ou Pasep, se não souber basta apresentar nome e CPF.
A CGU fez um levantamento no Fundo entre julho de 2013 e julho de 2014, ele contava com a participação de aproximadamente 31 milhões de trabalhadores inscritos e cerca de R$ 37,5 bilhões.
26 milhões de participantes tinham trabalhado em empresas privadas, cinco milhões eram servidores públicos. A CGU afirma que quase metade dos cotistas –cerca de 15,5 milhões- pode desconhecer que tenha direito a esses valores. O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou que o assunto seja amplamente divulgado.
O site do Tesouro Nacional traz mais informações sobre o assunto:http://zip.net/blsNBG.

Nenhum comentário:

Postar um comentário