Buscar

10 novembro 2015

2016 - Nasce um novo grupo político em Aracoiaba




Contando com nomes de ideias inovadoras e de boas intenções está nascendo um novo grupo político em Aracoiaba, grupo este liderado pela Vice-prefeita Valmira Oliveira, Dona Bill, como é mais conhecida.

Independentemente da situação político-partidária do momento e em meio à efervescência sucessória, D. Bill não abre mão do fortalecimento do seu grupo, fato este já comunicado ao prefeito Antônio Claudio.
Ela quer traçar seu próprio caminho político, e não ficar na dependência dos "humores" de lideranças outras, além do que, no seu entendimento, é chegada a hora de dar um impulso maior no desenvolvimento deste município.
Perguntada sobre quem estaria a compor o seu grupo político, além dos vereadores José Wilson Dantas, Zelão e do seu próprio marido, Wellington Nonato Silva, este presidente da câmara municipal, D. Bill disse que "o que eu posso garantir que nosso grupo virá muito forte e terá lugar para todas as pessoas de bem de Aracoiaba, que precisa, mais do que nunca, do esforço de todos nós para deixar de ser coadjuvante e assumir, de vez, o papel de protagonista”.
D.Bill nutre o desejo de ser prefeita de Aracoiaba, mas, por enquanto limita-se a falar apenas do fortalecimento do seu grupo político, até porque estamos a quase um ano das eleições municipais e ela prefere, politicamente, tratar de uma coisa de cada vez e no momento certo.

D. Bill nos recebeu neste domingo, 8, em sua casa, na Praia Porto das Dunas, com toda gentileza e fineza que são peculiares aos pais do cantor Wesley Safadão, que se encontrava cumprindo sua agenda de shows Brasil afora. 

“Vão ter que me engolir, cearense cabeça grande”, diz Wesley Safadão sobre o Sul

FOTO: DivulgaçãoUm jatinho, um cachê equivalente ao de Ivete Sangalo, 200 funcionários, 2,6 milhões de seguidores no Instagram, uma maratona de até 25 shows por mês e uma equipe de seis compositores a quem chama de “minha usina de hits”. Wesley Safadão – o menino que sonhava em ser jogador de futebol – acumula muitos números ao longo da trajetória como cantor e arrasta multidões por onde passa, levando seu forró pelos quatro cantos do Brasil.
O cearense tem 27 anos, é casado e tem dois filhos. Cruza o país fazendo shows para empreiteiros, ginásios de cidades pequenas, estádio lotado por 50 mil pessoas e até casa de show, onde também se apresentam Roberto Carlos e Morissey. Mudou o visual, trocou as roupas coloridas por peças de cortes mais justos, em preto e branco, prendeu os 53 centímetros de cabelo em um coque estilo samurai e parou de usar pulseiras de miçangas dos anos 1990. Em entrevista a Folha de S. Paulo, ele comenta sobre o passado. “Hoje vejo as imagens… ‘Carái’, me vestia mal pra porra”, analisa.
Além do sucesso nos palcos, Safadão é também “o rei da internet“, com diversos memes (piadas populares das redes sociais). O portal Buzz Feed é um dos responsáveis por isso, com publicações como “25 motivos para você respeitar o Safadão” ou “Se as princesas Disney fossem Wesley Safadão”. Graças a isso, Wesley também caiu no gosto até de quem não gosta de forró. O cantor afirma achar engraçado, mas que seu “rosto de bolacha não combina [com princesas da Disney]”.
FOTo: Divulgação
FOTo: Divulgação
A vida do cantor nem sempre foi essa “balada com uísque e Red Bull“. Filho de um caminhoneiro e uma mãe que trabalhava reciclando sucata, Wesley de Oliveira da Silva começou a cantar aos 15 anos, para substituir um outro cantor na banda de forró que a mãe tinha montado. Dona Maria Valmira, pegou emprestado R$ 2 mil com clientes da sucata e criou o grupo. Hoje, o cearense acredita que uma das fórmulas do seu sucesso, são suas músicas “unissex”. “É música de cachaça, para descer até o chão”, afirma.
Wesley Safadão quer agora adentrar no mercado do Sul do Brasil, onde a cultura do forró não é muito disseminada. “Vão ter que me engolir, cearense cabeça grande“, diz sobre as pessoas da região, que costumam ter preconceito com os nordestinos.
Fonte: FM 93

Ciro encontra obstáculo para ser candidato a presidente

ciro-gomes
Após a entrada dos Ferreira Gomes no PDT, a sigla se prepara para a primeira disputa envolvendo um dos irmãos cearenses. Cotado para ser candidato a presidente da República em 2018 pela agremiação, o ex-ministro Ciro Gomes não é unanimidade entre os pedetistas e a perspectiva é que tenha que disputar com o senador Cristovam Buarque essa primazia.

Cristóvão sempre se colocou contrário a entrada dos irmãos Ferreira Gomes e em recentes entrevistas confirmou sua pré-candidatura. Ciro por sua vez, com apoio do atual presidente da sigla, Carlos Lupi, quer percorrer o país se apresentando como opção a PT e PSDB.
Como responsável pelos trabalhos da Ferrovia Transnordestina, Ciro está indo a vários estados visando ficar na mídia o maior tempo possível, além de encontrar-se com partidários ainda resistentes em apoiar seu nome para a disputa presidencial.
Fonte: Ceará Agora

Detenta é encontrada morta dentro do presídio feminino Auri Moura Costa

Presídio Feminino Desembargadora Auri Moura Costa
Uma detenta foi encontrada morta dentro de uma lata de lixo do Instituto Penal Feminino Desembargadora Auri Moura Costa, em Aquiraz, Região Metropolitana, em Fortaleza. De acordo com a Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado (Sejus) o corpo da detenta foi achado durante inspeção de rotina realizada pelas agentes penitenciárias na noite da última segunda-feira (09/11).

Em nota, a Sejus, disse que as agentes penitenciárias do plantão faziam uma inspeção quando encontraram o corpo da interna, jogado em uma lata de lixo dentro de uma das vivências.
Ainda segundo a Sejus, três celas estavam abertas. As internas dessas celas foram ouvidas pela Delegacia de Homicídios ainda na noite de segunda-feira. A morte ocorreu por espancamento. Ao longo do dia, a Sejus deverá fazer transferências de algumas internas envolvidas no caso para outras unidades prisionais do Estado.
Ana Claudia respondia a processos por roubo e tráfico de drogas e estava recolhida desde dezembro de 2014. A unidade prisional tem cerca de 700 mulheres.
Fonte: Ceará Agora

CMO aprova audiência com ministra para discutir eventual corte no Bolsa Família

Tereza Campello
A Comissão Mista de Orçamento aprovou nesta terça-feira, 10, a realização de uma audiência pública com a ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campello, e a presidente da Caixa Miriam Belchior, para discutir um eventual corte orçamentário no programa Bolsa Família no próximo ano. Os parlamentares vão discutir com as autoridades a sugestão feita pelo relator-geral do Orçamento de 2016, deputado Ricardo Barros (PP-PR), de reduzir em R$ 10 bilhões a verba do principal programa social do governo da presidente Dilma Rousseff.

Ainda não há uma data definida para o encontro. Na reunião do colegiado, os parlamentares aprovaram um pacote de requerimentos para ouvir também o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, representantes de movimentos sociais e da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) e da Confederação Nacional de Municípios (CMN).
Antes da aprovação dos requerimentos, que passaram de forma consensual, Ricardo Barros chegou a sugerir a participação de gestores municipais do programa, mas concordou com a presença de representantes de entidades vinculadas aos municípios.
Durante as discussões, o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), ex-ministro dos Esportes de Dilma, chegou a chamar de erro cortes no programa. Ricardo Barros rebateu Silva, dizendo não ter proposto qualquer corte arbitrário, mas sim baseado em auditorias feitas pela Controladoria-Geral da União que apontou falhas no programa.
Fonte: Ceará Agora

Canindé vive instabilidade política com dois prefeitos reconhecidos pela justiça

Captura de Tela (148)
O prefeito de Canindé, Celso Crisóstomo, que havia retornado ao cargo no último dia 22 de outubro, por determinação do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJCE), não está sendo reconhecido como prefeito pela Justiça de Primeiro Grau da Comarca do Município.

Em decisão datada do dia 09 de novembro, o MagistradoAntônio Josimar Almeida Alves, da comarca local, desconhece Crisóstomo no cargo de prefeito, isto apesar da decisão do Tribunal de Justiça.
Como consequência, o município experimenta um clima de instabilidade política, com duas pessoas reivindicando os poderes de chefe do executivo. Crisóstomo e Paulo Justa são colocados pela justiça – uma de primeiro grau e outra de segundo grau – como os dois prefeitos de Canindé.
O funcionalismo público está confuso e muitos servidores não sabem ao certo a que grupo obedecer. A situação é tal que exige sem dúvida manifestação definitiva da justiça no sentido de deixar claro quem, de fato, pode usar a faixa de prefeito na terra de São Francisco.

Crise: empresas de telefonia brigam para segurar clientes

operadoras
Em meio ao cenário econômico recessivo, as operadoras têm acirrado a briga no mercado para reter seus clientes. Ao contrário da Oi e da TIM, que nos últimos dias anunciaram redução de preços de ligações para usuários de operadoras concorrentes, a Claro, controlada pela mexicana América Móvil, comunica nessa terça-feira, 10, acesso ilimitado para seus usuários com planos pós-pago às redes sociais WhatsApp, Facebook e Twitter. Entre os consumidores cearenses, há curiosidade, reflexão e disposição para reavaliar planos e, principalmente, economizar.

Ao Estado, o presidente da Claro no Brasil, Carlos Zenteno, disse que a estratégia de preços da operadora não vai ser focada nos serviços de voz, apenas em conteúdo (internet). “As pessoas se comunicam muito por meio das redes sociais. Acreditamos que a tendência do nosso consumidor é usar cada vez mais a internet.”
Esse pacote vale para os usuários pós-pagos da Claro e para os que têm o plano Controle, que variam de R$ 31,90 a R$ 71,90 mensais. Além de um bônus extra de 300 MB para todos que possuem esse plano e SMS ilimitados para qualquer operadora. Ligações gratuitas por WhatsApp e outros aplicativos não estão incluídas. O acesso ilimitado vale apenas para as redes sociais.
Nos anúncios feitos pela TIM, controlada pela Telecom Itália, e Oi, os descontos estão concentrados nos serviços de voz feitos para operadoras concorrentes. A TIM, que fez o anúncio no dia 30 de outubro, extinguiu a tarifa diferenciada para outras operadoras nos seus planos pós e pré-pagos. A Oi comunicou na semana passada que as tarifas para operadoras concorrentes custam R$ 0,30 por minuto, até 80% menos que o cobrado até então.
Anatel
A decisão tomada por essas duas operadoras tem como reflexo a redução da tarifa de interconexão (VU-M) promovida pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Fontes da Anatel afirmaram ao Estado que há pelo menos seis anos a agência discute essa redução de preço com as operadoras. A partir de fevereiro de 2016, essa tarifa, hoje em R$ 0,16, passará a R$ 0,10. Em 2017, cairá a R$ 0,05. O valor é cobrado nas ligações entre operadoras diferentes.
A crise econômica acelerou o movimento das empresas, uma vez que os usuários buscam reduzir seus custos. As operadoras também querem inibir a troca de chips, que permite ligações mais baratas.
No caso da Claro, tudo continua igual no serviço de voz. Há o desconto apenas para ligação entre números da própria operadora.
Procurada, a Telefônica Vivo afirmou em nota que “suas ofertas têm como base a qualidade da rede de dados e a melhor experiência de uso do cliente”. Nesse sentido, entre os planos da empresa, destaca-se o Vivo Tudo, primeira opção semanal de plano que inclui voz, internet e SMS, lançado há dois anos e que transformou-se em referência para diversas operadoras.
Tendência
De acordo com Eduardo Tude, da consultoria Teleco, esse movimento das operadoras foi acelerado por causa da crise. “As operadoras querem que o cliente pré-pago migre para o pós e reduza os chips.” Com o crescimento do uso de aplicativos de mensagem, em que o gasto com dados é o mesmo, independente da operadora, o segundo chip perdeu atratividade. Nos últimos seis meses a base de celulares do Brasil encolheu em 7 milhões até o terceiro trimestre, segundo a Teleco. Ao todo, há 277 milhões de celulares ativos no País.
“Acreditamos que os serviços de redes sociais são complementares aos de uso de dados oferecidos pelas operadoras”, afirmou Zenteno. A receita com dados tem avançado sobre o de voz. O Brasil é o segundo maior mercado, atrás da matriz, e poderá se tornar o primeiro nos próximos meses. Redação e Conteúdo Estadão
Fonte: Ceará Agora

Juazeiro: MPF começa a investigar terceirização de hospital municipal

Raimundo Macedo
A Prefeitura de Juazeiro do Norte é alvo mais uma vez de ações do Ministério Público Federal que investiga denúncias de má utilização de recursos públicos na área de saúde. Dessa vez, técnicos e procuradores federais começaram a semana com o levantamento de informações sobre a terceirização do Hospital Municipal São Lucas. O Ministério Público Federal abriu processo para investigar o processo de terceirização da unidade de saúde.

A instauração do inquérito, determinada pelo procurador da República Celso Leal em portaria assinada na última quinta-feira, irá apurar por quais razões o prefeito de Juazeiro do Norte, Raimundo Macedo (PMDB), permitiu a transferência da administração do  Hospital Municipal São Lucas para a iniciativa privada. Segundo o procurador Carlos Leal, o modelo de licitação proposto pela prefeitura resultará em custo excessivo à Secretaria de Saúde do município. O valor será superior a R$ 2,4 milhões mensais.
O edital de licitação, de acordo com o Ministério Público Federal, prevê a contratação de entidade de direito privado sem fins lucrativos, qualificada como organização social, para a gestão, operacionalização e execução dos serviços da unidade. O procurador Celso Leal defende que é preciso apurar os fatos relacionados à terceirização, especificamente sobre a adequação da proposta ao plano de trabalho imposto à Secretaria de Saúde.
O plano de trabalho foi apresentado em julho audiência judicial pelo Ministério Público Federal e doutora em Saúde Pública e auditora judicial Ângela de Oliveira Carneiro. O documento, com 44 páginas, aponta propostas de solução para diferentes problemas na saúde que foram identificados na auditoria, em seminário realizado para discutir serviços do setor e durante a intervenção no setor que durou quase dois meses. Com informações da assessoria de imprensa do Ministério Público Federal.
Fonte: Ceará Agora

Bolsa Família: corte afetaria 1,6 milhão de beneficiários no Ceará

bolsa familia
A semana tem mais uma queda de braços entre os aliados do Governo Federal e o relator-geral do Orçamento da União para 2016, deputado Ricardo Barros (PP-PR), que quer um corte de R$ 10 bilhões no Bolsa Família. A medida atingira, pelo menos, 23 milhões de beneficiários do programa social e, no Ceará, 1.621.709 famílias seriam afetadas.

O Governo Federal apresenta números para convencer os deputados federais e senadores sobre a necessidade de manter as verbas destinadas aos programas sociais. A maioria dos parlamentares é contrária à diminuição do volume do dinheiro para bancar esses programas. Muitos vêem a pressão do relator-geral, ao apresentar a ideia de cortar R$ 10 bilhões do Orçamento, como estratégia para justificar a recriação da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira).
Com números em mãos, os aliados do Governo Federal se movimentam, ao mesmo tempo, para  mostrar que, neste momento de forte crise econômica, a “tesourada” no principal programa social reduziria em todo o país, 23,2 milhões dos 47,8 milhões de beneficiários seriam excluídos do programa, diz o governo. O corte também retiraria 250,7 mil crianças e jovens das escolas no próximo ano, afirma o governo.
Nas simulações feitas pelo Ministério do Desenvolvimento Social, o Estado de São Paulo seria a unidade com a maior evasão: cerca de 61% dos quase 5 milhões de beneficiários do programa em São Paulo teriam de ser desligados. Seriam 2,9 milhões o número de beneficiários seriam o mais afetados pela redução das verbas.
O Paraná, Estado do relator e comandado pelo também tucano Beto Richa, é o que mais perderia beneficiários em termos proporcionais: 75% do 1,4 milhão de pessoas contempladas sairiam do programa social.
A oposição também tem se posicionado contra o corte no programa. No Senado, Ronaldo Caiado (DEM-GO) já manifestou restrições à “tesourada”.
Nas simulações, o critério do ministério para fazer o corte atinge inicialmente as famílias beneficiárias que trabalham e têm maior renda dentro do programa e, depois, aquelas que só contam com o Bolsa Família como fonte de renda. Por essa razão, São Paulo encabeça a lista, seguido por Minas Gerais e Bahia. Por outro lado, Estados mais pobres, como Piauí e Maranhão, teriam o menor corte proporcional, abaixo de 30% do total de beneficiários.
“É um contrassenso”, afirmou o secretário de Renda de Cidadania do Ministério do Desenvolvimento Social, Helmut Schwarzer. “Num momento como este, os beneficiários precisam de políticas que sejam um colchão, que amorteçam o impacto social e não que aprofundem as dificuldades”, disse.
Segundo o secretário responsável por administrar o programa, pelas projeções, 7,9 milhões de pessoas entrariam na pobreza extrema com o corte, das quais 764 mil só em São Paulo. O governo conta com a divulgação dessa “fotografia” do Bolsa Família para convencer os parlamentares a não mexer no programa.
Ensino
A pasta calcula ainda que haveria um aumento da evasão escolar das crianças, uma vez que, hoje, os alunos beneficiados com o programa têm frequência escolar 3,1% maior do que estudantes em condições similares, mas fora do Bolsa Família. Para se habilitar ao benefício ou à complementação de renda programa, a família tem de comprovar renda per capita de até R$ 154.
Os números foram encaminhados a Ricardo Barros, vice-líder do governo Dilma na Câmara, como parte da pressão que o Planalto faz para evitar que a proposta vá adiante. Para entregar um orçamento sem deficit, ele pretende cortar cerca de 35% dos 28,8 bilhões da verba prevista para o Bolsa Família em 2016. A diminuição nos repasses do programa atingiria 11,35% da população do país, calculada pelo IBGE em julho passado em 204,4 milhões de brasileiros.
Procurado, o relator reafirmou que vai propor o corte no programa e acredita ter votos para aprovar a proposta na Comissão Mista de Orçamento (CMO). Ele não teme um prejuízo político-eleitoral com a medida impopular. Ao contrário, disse que seus eleitores apoiam a diminuição do Bolsa Família.
Parâmetros
“Ninguém concorda em rasgar dinheiro”, disse Barros, ressaltando que auditorias do próprio governo apontam que 29% das famílias beneficiadas não se enquadram nos parâmetros de renda do programa. “Não comungo da visão do relator”, rebateu Helmut Schwarzer, ao destacar que o programa é um dos mais auditados “do mundo”.
Até o momento, além da discussão pública dos números do programa, não há uma estratégia definida na comissão para barrar a iniciativa. Por ora, aliados do governo citam manifestações de Dilma, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e até mesmo de lideranças oposicionistas pela manutenção do programa, assim como o “efeito multiplicador” na economia das cidades, para impedir o corte no programa.
“Não trabalhamos com a hipótese de diminuição do programa”, disse o líder do governo na CMO, deputado Paulo Pimenta (PT-RS). Segundo ele, há tempo para reformar a proposta. Com informações da redação e Conteúdo Estadão.