Buscar

28 maio 2015

Bete Nascimento prepara DVD para comemorar os 21 anos de carreira

Bete Nascimento
DVD de Bete Nascimento terá 50% de sucessos antigos e 50% de canções novas (Foto: Cleiton Araújo)
Um dos nomes mais conhecidos do forró eletrônico completa 21 anos de carreira neste ano. Bete Nascimento, ex-Mastruz Com Leite, está em um patamar onde poucos estão. A artista acumula 15 anos de Mastruz e 6 de carreira solo.
Para marcar essa data expressiva, a cearense vai contar sua história e trajetória no forró na gravação do seu primeiro DVD. Nomes como Katia Cilene,Aduílio Mendes e Rita de Cássia estarão presentes no show. Bete bateu um papo com a equipe do Blog Puxa o Fole e contou detalhes desse novo projeto. Ela também relembrou os tempos de Mastruz com Leite e se posicionou em relação ao novo cenário do forró.
“Eu lamento bandas boas ainda acreditarem que músicas ruins fazem sucesso. Pelo nomes que elas têm. Queria que os empresários de forró tivessem uma outra visão do que faz sucesso.Tem muita banda romântica arrastando multidões. É preciso repensar essa questão”,  criticou.
A cantora também resgatou sucessos como ‘A Praia‘, Menino Sem Juízo‘ e ‘Flor do Mamulengo‘. A gravação do primeiro DVD da carreira solo de Bete Nascimento acontece em Fortaleza, na casa de show Arre Égua, na próxima quarta-feira (28).
Confira a entrevista na íntegra
Fonte: DN

Bandas de forró investem pesado na produção de DVD

Bonde do Brasil
Bonde do Brasil gravou seu DVD em Fortaleza (foto: reprodução facebook)
A produção de DVD está cada mais forte no mercado forrozeiro. As produções ainda continuam sendo uma boa forma de divulgar os recentes trabalhos dos artistas.
Mara Pavanelly fez grande show em São Luís-MA para gravar o seu DVD. Batista Lima escolheu Salgueiro-PE e contou com super produção para fazer o registro do seu show. Outro artista que usou uma megaestrutura para gravação do DVD, foi Gabriel Diniz. O show foi gravado no Recife e deve ser lançado após o São João. Já no clima de festa junina, e com uma apresentação mais intimista, Bete Nascimento grava DVD em Fortaleza para comemorar os 21 anos de carreira.
Inovações
Recentemente Wesley Safadão anunciou que o Estádio Mané Garrincha, em Brasília, será palco do seu novo trabalho. A banda Aviões do Forró vem com uma Pool Party e promete agitar o Beach Park, em Aquiraz, na gravação do seu novo material.
Pois bem. Enquanto as produções ainda estão no processo de gravação e divulgação, trago aqui para os leitores do blog um DVD que foi bem acertado. Na pegada romântica, o Bonde do Brasil gravou em Fortaleza, a cerca de 2 meses, seu último trabalho, que conta com boa produção, qualidade e um repertório que vai do romântico, passando pelo acústico, e vai até o autêntico forró eletrônico.
Segue o link abaixo para quem quiser conferir o quarteto paraibano
Fonte: DN

Claudia Leitte e a Mercedes

A Mercedes-Benz promoveu, entre os dias 21 e 24 de maio, o AMG Experience, no Autódromo Velo Città, em Mogi Guaçu (SP), quando clientes e convidados puderam testar modelos superesportivos em uma pista de corrida. Um dos destaques da semana de atividades foi uma data reservada inteiramente para o público feminino, que vem cada vez mais se interessando por veículos diferenciados com alta performance. Quem estava por lá: a cantora Claudia Leite, a bordo de um GLA.
claudia
Na última sexta-feira, dia 22, as convidadas puderam se aventurar em uma experiência de pista com os modelos AMG, além de participar de um workshop de direção defensiva com os instrutores da AMG Driving Academy e apoio da equipe de instrutores do Centro de Pilotagem Roberto Manzini. No final do treinamento, houve uma competição entre as participantes e a Vivara foi responsável pela premiação especial da ganhadora que obteve o melhor tempo. A segunda e terceira colocadas receberam prêmios da IWC e óculos Persol.
claudia2
As convidadas também puderam dirigir três novidades em primeira mão: S 63 AMG Coupé 4MATIC e o AMG GT S, lançados no último Salão do Automóvel de São Paulo, além do Mercedes-AMG C 63 S, que teve sua apresentação oficial ao mercado brasileiro durante o evento.
claudia3
claudia4
Fonte: DN

Charge

Charge

Sete dirigentes, entre eles o ex-presidente da CBF, são presos em operação do FBI

Image-0-Artigo-1861913-1
Marin presidiu a CBF de 2012 a 2015 e o comitê organizador da Copa no Brasil
FOTO: REUTERS
Sete dos dirigentes mais poderosos do mundo do futebol, incluindo o ex-presidente da CBF José Maria Marin, podem ser extraditados para os Estados Unidos para enfrentarem acusações de corrupção após serem presos nesta quarta na Suíça, onde as autoridades anunciaram ainda uma investigação criminal sobre a escolha das sedes das duas próximas Copas do Mundo.
O esporte mais popular do planeta mergulhou no caos depois que autoridades norte-americanas e suíças divulgaram inquéritos separados sobre as supostas irregularidades na Fifa.
Autoridades dos EUA declararam que sete dirigentes do futebol e cinco executivos dos ramos de mídia e marketing esportivo enfrentam acusações de corrupção envolvendo mais de US$ 150 milhões em suborno.
Marin, que presidiu a CBF de 2012 a abril de 2015 e foi o presidente do comitê organizador local da Copa de 2014, está entre sete dirigentes presos em Zurique. Atualmente, ele ocupa uma das vice-presidências da CBF.
Em nota, a CBF disse que os acontecimento na Suíça são "graves", mas vai esperar a conclusão da investigação sem fazer qualquer julgamento.
O suíço Joseph Blatter, presidente da Fifa, não está entre os indiciados, mas a lista inclui vários subordinados diretos dele na hierarquia da entidade.
Quatro pessoas já se declararam culpadas de várias acusações, entre elas o brasileiro José Hawilla, dono e fundador do grupo de marketing esportivo Traffic, segundo o Departamento de Justiça. Em acordo fechado em dezembro de 2014 com a Justiça dos EUA, Hawilla aceitou devolver US$ 151 milhões, sendo US$ 25 milhões pagos quando de sua confissão.
'Cultura de corrupção'
A sede da Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caribe (Concacaf) em Miami, na Flórida, foi revistada ontem. "Como dito no indiciamento, os réus fomentaram uma cultura de corrupção e ganância que criou um campo de atuação desigual para o maior esporte do mundo", disse James Comey, diretor do FBI. "Pagamentos secretos e ilegais, propinas e subornos se tornaram uma maneira de fazer negócios na Fifa", disse ele.
Os dirigentes parecem ter caído em uma cilada armada pelas autoridades norte-americanas e suíças. As prisões foram feitas de madrugada em um hotel de luxo de Zurique, o Baur au Lac, onde eles estão se hospedando para a eleição presidencial da Fifa. A entidade, por sinal, classificou as prisões como "um momento difícil", mas afirmou que Blatter irá manter sua candidatura a um 5º mandato e as próximas Copas do Mundo ocorrerão estão mantidas na Rússia e no Catar.
O Departamento de Justiça dos EUA nomeou os presos como: Webb, Eduardo Li, Julio Rocha, Costas Takkas, Eugenio Figueredo e Rafael Esquivel, além de Marin (ver arte abaixo).
Propinas
De acordo com o Departamento de Justiça dos EUA, entre os acusados do grande esquema de corrupção estão executivos de marketing esportivo norte e sul-americanos que supostamente pagaram e concordaram em pagar "bem mais de 150 milhões de dólares em subornos e propinas para obterem direitos lucrativos de mídia e marketing".
À parte a investigação norte-americana, promotores suíços disseram ter iniciado seu próprio inquérito criminal contra pessoas não identificadas suspeitas de corrupção e lavagem de dinheiro relacionadas à concessão dos direitos de sediar os Mundiais de 2018 e 2022.
A maioria dos presos está na Suíça para o Congresso da Fifa, no qual Blatter encara o jordaniano Ali bin Al Hussein na eleição presidencial de amanhã.
Saiba mais
Como funcionava o esquema
A Fifa negociava os direitos de publicidade de torneios com certas empresas de marketing. Estas recebiam valores das TVs pela transmissão do evento e pagavam à Fifa para vincular suas marcas ao torneio, que seria o correto. No meio da negociação, cartolas corruptos eram subornados ou recebiam propinas das empresas de marketing para ganhar apoio nos bastidores da Fifa e facilitar a negociação
Por que o FBI?
A investigação do esquema foi conduzida pelo FBI porque os crimes foram cometidos em território americano, com operações financeiras suspeitas em bancos do país. A lei norte-americana dá autoridade ao Departamento de Justiça de lá para investigar e pedir a prisão de estrangeiros que vivem no exterior, em casos assim
Opinião do especialista
Será a chegada da 'tempestade perfeita'?
A prisão de dirigentes "de peso" da Fifa mostra a complexidade do atual sistema capitalista. Se ao mesmo tempo chegamos a isso por causa da forma altamente mercantilizada com que cartolas tratam o futebol, o mesmo não tolera mais modelos "tradicionais" de gestão dos clubes e entidades esportivas: sem transparência, patrimonialistas e exuberantemente permeáveis a múltiplas formas de corrupção.
Apesar de ser o início de uma investigação e ainda sem certeza de culpas e punições, a notícia do dia dá esperança, pois mexe com a estrutura do futebol mundial e mostra que o modelo precisa de mudanças já.
A diferença do fato atual em relação aos sucessivos escândalos que já vinham afetando o Sistema Fifa e parceiros é que, desta vez, as denúncias levaram a um processo nos EUA com a aplicação das atuais e bem rigorosas leis anticorrupção de lá. Isso realmente é um fato novo e pode gerar desdobramentos surpreendentes.
É importante lembrar a pressão sobre a Fifa vem num crescendo há bastante tempo. A entidade saiu do Brasil com a imagem extremamente arranhada, pois a gestão da Copa de 2014 só foi benéfica para ela. O Brasil ficou com a conta para pagar. Os protestos não perdoaram a entidade.
A péssima imagem acentuou-se com a definição de Rússia e Catar para as Copas de 2018 e 2022. Há inúmeras suspeitas de irregularidades nessas escolhas. O cenário de "tempestade perfeita" é completado com a chegada das eleições na Fifa. Ainda que os dirigentes neguem, o que está acontecendo leva o modelo da entidade "ao chão". A ver como e se ela conseguirá sair desse escândalo. Acho que dificilmente isso acontecerá sem perdas, ao menos do ponto de vista da imagem pública.
Anderson Gurgel
Professor da Un. Presb. Mackenzie e autor do livro "Futebol S/A - A Economia em Campo"
Fonte: DN

Mastruz com Leite é a nova estrela de projeto

Image-0-Artigo-1860885-1
Com 25 anos de carreira, Mastruz com Leite reúne vocalistas novatos e veteranos. O quinteto comemora participação no Som do Ceará
FOTO: BRUNO GOMES
Com a proposta de valorizar os talentos locais, o Som do Ceará escolheu a banda Mastruz com Leite como segunda estrela do projeto, que proporciona aos leitores do Diário do Nordeste, de forma gratuita, a oportunidade de ter em mãos um CD exclusivo do grupo. O disco, que traz 18 canções juninas, vem encartado na edição desta sexta-feira (29).
Os vocalistas do grupo, Éryka Meyre, Neto Leite, Ingrid Sousa, Rainer Rylker, Ana Amélia e João Filho comemoram e se dizem honrados com o convite para fazer parte do projeto, que estreou em março com a dupla Simone e Simaria.
"Para nós é uma honra, porque além de valorizar a cultura nordestina, é uma forma de divulgar o forró", pontua Rainer. Ana Amélia, que está de volta à banda desde janeiro, faz coro ao comentário do companheiro. "São 18 faixas que foram gravadas ao longo da trajetória do Mastruz. Apenas músicas de arrasta-pé, canções juninas".
"Além de sermos a banda que revolucionou o forró eletrônico, somos uma banda de forró cearense. Então, nada mais justo do que a gente fazer parte do projeto", completa Éryka. Para Neto Leite, único vocalista originário da primeira formação, o grande destaque do álbum é a música "Olhinhos de fogueira". "das 18 canções, acredito que essa tem a letra mais bacana", defende ele.
"Somos referência quando o assunto é repertório junino", acrescenta Rainer. O grupo, aliás, se prepara para enfrentar uma agenda intensa, já que durante o período das festas juninas, o número de apresentações aumenta e a agenda fica uma "loucura" até julho.

Senado aprova MP 664 com alternativa a fator previdenciário

Arte
CLIQUE PARA AMPLIAR A IMAGEM
Brasília. O plenário do Senado aprovou ontem, por 50 votos a favor e 18 contra a Medida Provisória 664, que restringe as regras de acesso à pensão por morte e ao auxílio-doença. Os senadores mantiveram a proposta vinda da Câmara, que flexibilizou o fator previdenciário.
A segunda MP do ajuste fiscal segue agora para a sanção da presidente Dilma Rousseff (PT). Ela deve vetar a proposta.
Ao mesmo tempo, porém, na tentativa de evitar novo desgaste político, apresentará um projeto alternativo sobre o assunto.
A intenção do Palácio do Planalto é enviar uma proposta para fazer um contraponto à fórmula que passou pelo crivo do Senado, contando até mesmo com o apoio de petistas descontentes com o governo.
Editada no final do ano passado, a MP 664 tinha como objetivo, segundo o governo, evitar "fraudes e distorções" no pagamento da pensão por morte quanto do auxílio-doença.
Entre as mudanças propostas, está, por exemplo, a exigência de ao menos dois anos de casamento ou união estável para ter direito a pensão por morte.
A expectativa da equipe econômica era economizar cerca de R$ 2 bilhões com as mudanças, mas, como texto foi modificado durante sua tramitação no Congresso, esse valor praticamente caiu à metade.
Apesar de na última semana terem surgido rumores de que o governo trabalharia para deixar a MP expirar e, assim, a presidente não ter de arcar com ônus político de vetar uma fórmula que beneficia os trabalhadores, o líder do governo no Senado, Delcídio Amaral (PT-MS), orientou os aliados a votarem a favor da MP 664 da forma como veio da Câmara. As bancadas do PT e do PMDB do Senado votaram "fechadas" a favor da MP. Foi uma mudança em relação ao posicionamento dos dois partidos na terça (26) durante a votação da MP 665, a primeira medida do ajuste fiscal a passar pela Casa que alterou a concessão do seguro-desemprego e do abono salarial. Foram 50 votos a favor, 18 contra e três abstenções.
Todos os 13 senadores do PT votaram ontem a favor. Os petistas Paulo Paim (RS), Walter Pinheiro (BA) e Lindbergh Farias (RJ) - votos contrários na terça-feira - concordaram em apoiar a MP 664 por serem favoráveis à inclusão, feita pela Câmara, da proposta alternativa ao fator previdenciário, a fórmula 85/95.
No PMDB, todos os 15 votantes foram a favor da MP 664. Um dos peemedebistas que foram contra na primeira votação, Ricardo Ferraço (ES), não participou da votação de ontem e Roberto Requião (PR), outro que havia sido contrário à MP 665, agora foi a favor dessa outra medida provisória. PSDB e DEM votaram em peso contra a MP 664 na oposição.
Abstiveram-se na votação, além de Antonio Carlos Rodrigues (PSB-SE), os senadores Eduardo Amorim (PSC-SE) e Randolfe Rodrigues (PSol-AP)
Com essa derrota embutida para o Palácio do Planalto em relação ao fator, a situação foi bem diferente da noite anterior, quando o governo obteve uma vitória apertada na votação da medida provisória que alterava regras do seguro-desemprego e do abono salarial.
Apesar de serem a favor da mudança no fator previdenciário, os partidos de oposição, como PSDB e DEM, orientaram as suas bancadas a votarem contra a medida, já que tudo indicava que a presidente iria vetar essa parte.
Durante a votação, senadores da base e da oposição cobraram do governo o compromisso de não vetar a alternativa ao fator, a começar pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que afirmou que o Congresso iria derrubar o veto.
Mudança
O fator previdenciário atualmente em vigor reduz o valor do benefício de quem se aposenta por tempo de contribuição antes de atingir 65 anos (no caso de homens) ou 60 anos (mulheres).
O tempo mínimo de contribuição para aposentadoria é de 35 anos para homens e de 30 para mulheres. Essa regra, que acaba por adiar a concessão de uma aposentadoria integral, foi criada no ano de 1999 pelo governo Fernando Henrique Cardoso.
A eventual adoção da fórmula de aposentadoria 85/95 (soma da idade e do tempo de contribuição, respectivamente para mulheres e homens) foi a principal matéria discutida na MP.
Fonte: DN

Falta merenda nas escolas do Interior

Image-0-Artigo-1861580-1
Na cozinha da Escola Filgueiras Lima, as panelas continuam vazias
FOTOS: HONÓRIO BARBOSA
d
A Escola de Ensino Médio Filgueiras Lima, em Iguatu, na região Centro-Sul do Ceará, adotou como estratégia para driblar o problema, desde o início do ano letivo, liberar os estudantes mais cedo
Iguatu. Do início do ano letivo, na segunda quinzena de fevereiro, até abril passado, cerca de 40% das escolas regulares da rede estadual de ensino permaneciam sem o fornecimento de merenda escolar para os alunos. O problema ainda persiste em várias regiões do Estado, mas já foi solucionado em algumas unidades. Estudantes da zona rural são os mais prejudicados.
Sem merenda, algumas unidades de ensino anteciparam o horário de término das aulas, liberando os alunos mais cedo. Essa é a estratégia utilizada pela Escola de Ensino Médio Filgueiras Lima, nesta cidade, na região Centro-Sul do Ceará. Desde o início do ano letivo que não há fornecimento regular de lanche para os estudantes. Atraso no repasse de recursos e questões burocráticas provocaram o problema.
Falta às aulas
A reclamação é geral. "Muitos alunos saem de casa sem comer nada, pela manhã, e não têm dinheiro para comprar merenda vendida na porta da escola", disse o estudante do 3º ano do ensino médio, Luís Oliveira. "Quem mora nos sítios são os mais prejudicados". A estudante Gabrielle Martins foi enfática: "As aulas foram reduzidas, estamos perdendo conteúdo e alguns colegas estão faltando às aulas".
Os pais também lamentam a demora no fornecimento do lanche para os filhos. "Já são três meses sem merenda", disse a dona de casa Marluce Gomes. "Quem pode, dá dinheiro para o filho ou manda lanche, mas muitos não têm condições de comprar todos os dias". Pais e alunos concordam que a merenda que era fornecida nas escolas era de qualidade e variada.
Burocracia
A diiretora da unidade, Joelma Uchoa Pinheiro, confirma o problema e explica que há atraso no repasse de recursos por parte da Secretaria de Educação do Estado (Seduc), além de questões burocráticas na mudança do sistema de licitação e prestação de contas com os fornecedores. Em dezembro passado, houve licitação no valor de R$ 29 mil, mas até agora somente foram liberados R$ 17 mil. O adicional de 40 dias para que dá suporte para o início do ano também ainda não foi liberado.
O sistema de prestação de contas está em processo de mudança, segundo exigência do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Antes, a escola fazia a licitação, recebia os recursos e prestava contas. Agora, o depósito tem de ser feito na conta dos fornecedores. Busca-se maior transparência. "Os fornecedores (empresas e produtores rurais), tiveram que fazer o cadastro, abertura de conta, e no início havia dúvidas se pessoa física ou jurídica", explicou Joelma Uchoa. "Algumas escolas já regularizaram a situação, mas outras, ainda não".
Os repasses são feitos em parcelas para a compra dos produtos. Do total, 30% devem ser destinados à aquisição de gêneros da agricultura familiar: polpa de frutas, cereais, carne, frango, ovos, cuscuz, arroz e feijão, por exemplo. Com a mudança estabelecida na sistemática de prestação de pagamento, os recursos de agora em diante devem ser depositados diretamente na conta dos fornecedores.
A coordenadora da Crede 16, em Iguatu, Mônica Silva, informou que o problema vem afetando as escolas regulares, e não as profissionalizantes, que fornecem almoço e têm o ensino em tempo integral. "O problema atingiu cerca de 40% das unidades regulares, mas já está sendo solucionado", frisou. "Quanto às profissionalizantes está tudo normal", garante.
Mobilização
Alunos integrantes dos grêmios estudantis estão se mobilizando para reivindicar à direção das escolas e à Seduc a volta da merenda escolar com maior brevidade. "Não podemos nos acomodar", disse. Na Escola Filgueiras Lima estudam cerca de 430 alunos e 40% são oriundos da zona rural. Em outras regiões do Ceará, algumas unidades ainda estão sem fornecer merenda. No início do ano, esse número era bem maior. Há escolas que modificaram o cardápio e estão atendendo os alunos diariamente.
Procedimentos
A Assessoria de imprensa da Secretaria de Educação do Estado (Seduc) informou que os recursos financeiros são liberados para as escolas por meio de portarias. Para utilizá-los, há procedimentos orientados pela Seduc que precisam ser seguidos.
O repasse de recursos para alimentação escolar e aquisição de materiais é feito após a comprovação de realização do procedimento de contratação dos serviços. Esse trâmite vem sendo realizado.
A Seduc, a Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação (Crede) 16, sediada em Iguatu, além das escolas, trabalham nesse processo para que tudo esteja resolvido o mais breve possível.
Enquete
Como você avalia a falta da merenda?
"As aulas foram reduzidas. Estamos perdendo conteúdo e alguns colegas estão faltando, ficando em casa, sem vir para a escola. Tudo isso é ruim. A gente reivindica que o problema seja logo resolvido"
Natali Silva
Estudante
"A situação está ruim. Quem tem condições compra lanche em frente à escola, mas a maioria não pode. A merenda era boa e a gente sente a falta. Ninguém tem o costume de trazer lanche de casa"
Gabirela Martins
Estudante
Mais informações:
Secretaria da Educação do Estado - Seduc
Fone: (85) 3101. 3972
Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação (Crede) 16
Fone: (88) 3581. 9450
Honório Barbosa
Colaborador
Fonte: DN

Cerveja será vendida com queda de 62% no preço

CERVEJA

Já pensou em beber uma cerveja sem a cobrança de impostos em seu preço? No dia 2 de junho isso será possível. “Chopp Sem Imposto” é o novo projeto da Rede Liberdade.
 
O evento será realizado no mesmo dia em que nacionalmente acontecerá o “Dia Sem Impostos!”. Aqui em Fortaleza, a ação será realizada no Bar e Restaurante Picanha do Cowboy, localizado na Avenida Dom Luís.
 
Como a casa não trabalha com chopp, serão comercializados Skol de 600 ml por 38% do valor vendido pela estabelecimento, isto é, com uma queda de 62% em seu preço, que é a média da carga tributária presente na bebida.
 
No facebook há um evento criado para a ação.

Fonte: DN

Câmara aprova emenda que põe fim à reeleição

Image-0-Artigo-1861983-1
Em outra votação da reforma política, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, conseguiu com uma manobra aprovar o financiamento privado
FOTO: AG. CÂMARA
Brasília. Com o apoio de governistas e da oposição, o plenário da Câmara aprovou na noite de ontem, em primeiro turno, proposta de emenda à Constituição que acaba com a reeleição para presidente da República, governadores e prefeitos. Foram 452 votos a favor e 19 contra, além de 1 abstenção. O deputado Arnon Bezerra (PTB) foi o único cearense a votar contra.
A medida tem que ser aprovada ainda em 2º turno e, após isso, segue para o Senado, onde também precisa do apoio mínimo de 60% dos parlamentares.
Se entrar em vigor, a medida valerá para os prefeitos eleitos em 2016 e para o presidente e governadores eleitos em 2018.
Ou seja, quem se elegeu em 2012 e 2014 e não está cumprindo o segundo mandato consecutivo ainda pode tentar a reeleição em 2016 ou 2018. Hoje, a Câmara deve votar a proposta de ampliar os mandatos de quatro para cinco anos. A tendência é de aprovação.
Histórico
Sob forte oposição do PT, a reeleição para o Executivo foi aprovada pelo Congresso Nacional em 1997 sob o comando do governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que queria disputar um novo mandato no ano seguinte. Ele governou de 1995 a 2002. A aprovação da emenda ocorreu debaixo de grande polêmica devido à revelação, feita pela Folha de São Paulo, da compra de votos para a aprovação da proposta. FHC acabou reeleito em 1998.
O PT, que chegou ao governo federal em 2003, já disputou e venceu por duas vezes a reeleição, com Luiz Inácio Lula da Silva (em 2006) e Dilma Rousseff (2014). Na sessão de ontem, todos os partidos orientaram o voto favorável ao fim da reeleição.
"A reeleição cumpriu o seu papel histórico, temos que caminhar para um novo ciclo", disse o deputado Marcus Pestana (PSDB-MG), um dos deputado mais próximos ao presidente nacional do PSDB, Aécio Neves.
"Votei a favor da reeleição na época e me arrependi amargamente. O instituto da reeleição é para países desenvolvidos, não para países em construção como o Brasil. A reeleição trouxe vários malefícios para o país", discursou o deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR).
"O modelo não se mostrou produtivo para o país, houve muitas distorções", reforçou o líder da bancada do PMDB, Leonardo Picciani (RJ).
Embora os petistas tenham sido discretos na sessão, o líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), afirmou que não vê problema na decisão. "Quem criou a reeleição foi o PSDB, ou seja, quem pariu Mateus que o embale. Defendo o fim da reeleição, com mandato de cinco anos", disse.
Financiamento privado
Mesmo após o plenário da Câmara rejeitar na véspera o financiamento privado das campanhas políticas, o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), quebrou um acordo político que havia feito e, com apoio da oposição, aprovou ontem a inclusão na Constituição da permissão de doações eleitorais de empresas para partidos. Foram 330 votos a favor, 22 a mais do que o mínimo necessário (308), contra 141 votos. Houve 1 abstenção.
Na terça-feira (26), o plenário havia dado um apoio insuficiente para aprovar a medida - 266 votos, 44 a menos do que o necessário para que houvesse mudança na Constituição.
Ontem, oito deputados cearenses mudaram o voto em relação ao financiamento privado, dos quais sete foram favoráveis à proposta. Com expectativa de que aprovaria a medida com folga, Cunha havia acertado com os partidos que aquela seria a única votação sobre o tema. Ao ser derrotado, porém, recuou e disse que havia se equivocado na terça-feira.
"Havia um acordo, agora vamos mudar? Isso é um escândalo. Não pode, senão ninguém segura mais nada", disse o deputado José Guimarães.
A proposta terá que passar ainda em segundo turno na Câmara e, após isso, segue para o Senado. Lá também precisa ter o apoio de pelo menos 60% dos senadores para entrar em vigor.
O que muda
A medida insere na Constituição a permissão de as empresas doarem exclusivamente para os partidos políticos, que repassariam os recursos para os candidatos.
Os políticos poderão receber diretamente o dinheiro doado por pessoas físicas. Lei posterior poderá ser editada para estabelecer novos limites às doações e ao gasto de cada campanha.
Hoje já há limite para as doações de empresas privadas e de pessoas físicas.
A medida traz o risco da volta de doações ocultas, já que não há no texto a determinação de que haja a declaração detalhada da origem e destino das doações recebidas, como ocorre hoje.
Atualmente as empresas são as principais responsáveis por injetar dinheiro nas campanhas. Candidatos recebem também recursos públicos para suas candidaturas. O financiamento público é uma bandeira do PT.
Durante todo o dia Cunha pressionou aliados a angariar os votos que faltaram na véspera, inclusive dentro do PMDB, que registrou 14 traições. E voltou a afirmar às pequenas legendas, segundo deputados, que um voto contrário representaria a aprovação nos próximos dias do endurecimento das regras para a subsistência dos nanicos.
O objetivo da medida é tentar barrar a tendência de o Supremo Tribunal Federal proibir o financiamento privado das campanhas. O tribunal já formou maioria nesse sentido, mas o julgamento está suspenso há um ano por pedido de vista do ministro Gilmar Mendes.
Fonte: DN

Confira as principais notícias no Retrospectiva do Dia