Buscar

02 março 2015

Confira as principais notícias no Retrospectiva do Dia



Rajadas de vento assustam banhistas em praia do Recife

Tromba D'água
Apesar do grande susto, ninguém ficou ferido
REPRODUÇÃO/G1
Na tarde deste domingo (01), banhistas na praia de Piedade,em Jaboatão dos Guararapes, no Recife se assustaram com a formação de uma tromba d'água. 
Com a ventania muito forte, objetos voaram e foram arrastados enquanto muitas pessoas corriam aos gritos. Vários vídeos foram registrados por banhistas que estavam no local. Em alguns deles, é possível ver o momento em que o fenômeno climático ficou próximo à orla da praia.
Veja o vídeo:
Segundo a Agência Pernambucana de Águas e Climas (Apac), a ocorrência de trombas d'água ocorre devido à presença de nuvens densas e não se pode definir quando esse tipo defenômeno poderá acontecer novamente. A metereologista da Agência, Edvânia Santos, conversou com o portal de notícias G1
 "Recebi um vídeo e vi que dessa nuvem sai um cone que vai até a superfície do mar, o que a gente entende ser uma tromba-d’água de pequena escala. Como é um fenômeno localizado  não há como prever, é muito pontual", afirmou.
Neste caso,segundo a agência, dois sistemas influenciaram: o vórtice ciclone de altos níveis e a zona de convergência intertropical. Como se forma entre a superfície do oceano e a nuvem , é possível que ele se direcione ou não para o continente. 
Apesar do susto, ninguém ficou ferido.
Fonte: DN

DISPUTA no INTERIOR > Quixeramobim e Quixadá se articulam por curso de Medicina

Hospital Regional do Estado 27.12.14Quixadá
A Secretária de Saúde do Estado (Sesa) ainda não definiu quando o Hospital Regional do Sertão Central (HRSC), construído em Quixeramobim, começará a funcionar. A Sesa também não informou os motivos da demora para o início das atividades do HRSC. A esse respeito, o prefeito de Quixeramobim, Cirilo Pimenta divulgou que a falta de água e o sistema de energia elétrica são os motivos da demora. Mesmo assim, o gestor municipal voltou a articular em Brasília o interesse de Quixeramobim pela implantação do curso de Medicina na sua cidade.
Após perder a construção do HRSC, através de uma eleição do Governo do Estado, à época tendo à frente o ex-governador Cid Gomes, tendo como principal motivo Quixadá não possuir aporte hídrico para atender a demanda do Hospital Regional, a resposta de Quixadá veio rápida. O vereador Higo Carlos Cavalcante, presidente da comissão de Desenvolvimento Econômico Turismo e Meio Ambiente de Quixadá, divulgou a realização do I Fórum Permanente de Debates em Defesa dos Projetos Estruturantes e da Implantação do Curso de Medicina em Quixadá.
Conforme Higo Carlos, a primeira reunião do Fórum será realizada nesta quarta-feira, 4, às 19 horas, no auditório da Câmara Municipal. O objetivo principal é mobilizar a classe política e a sociedade pela  conquista do curso de Medicina para a cidade de Quixadá. Apesar do HRSC ter sido construído em Quixeramobim, Quixadá já possui toda a infraestrutura para a implantação do curso. Além de possuir a melhor faculdade do Interior do Ceará , a Diocese de Quixadá também é mantenedora do Hospital Maternidade Jesus Maria José (HMJMJ). A unidade já está pronta para ser transformada em Hospital Escola.
Por ironia, caso a quadra meteorológica não melhore a situação hídrica dos açudes de Quixeramobim a cidade terá como alternativa para abastecimento de água a construção de uma adutora com mais de 30Km de extensão com custos de R$ 60 milhões, tendo como fonte o açude Pedras Brancas, situado nos limites de Banabuiú com Quixadá, o qual abastece esta última cidade. Conforme a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), o Pedras Brancas tem atualmente volume de 71 milhões de m³, o suficiente para abastecer Quixadá por mais dois anos.
Fonte: DN

Repercussão de vestido inspira campanha solidária

campanha
A repercussão serviu como base para a ação, que tem como objetivo ajudar a quem precisa de roupa
DIVULGAÇÃO
A polêmica em torno do vestido azul e preto (ou branco ou dourado), que dominou os debates na Internet na última quinta-feira (26), serviu como base para a criação de uma campanha que tem como objetivo ajudar quem precisa de roupa.
Com o slogan #DoeDeQualquerCor, a ação visa arrecadar roupas de "qualquer cor" para os moradores da Casa São Francisco, no Centro de Fortaleza, que acolhe homens em situação de rua.
A campanha criada pela agência Delantero Comunicação em parceria com aComunidade Católica Shalom busca também incentivar as pessoas a serem mais solidárias e tornar a rede mais social.
Para participar, os interessados podem fazer doação das roupas no próprio Casa São Francisco, localizado na Rua Conselheiro Tristão, 138, Centro, Fortaleza. Ou pode contribuir em dinheiro.
A Casa São Francisco
 
O abrigo, que existe há 13 anos e é mantido por doações, já atendeu cerca de 10 mil pessoas e tem capacidade para acolher até 50 homens em situação de rua. A instituição é administrada pela Comunidade Católica Shalom e faz parte do projeto Jesus Meu Abrigo.
 
 
Serviço: 
 
Conta para doação: 
Banco do Brasil - Agência 1369-2 
Conta Corrente 8902-8 Associação Shalom 
CNPJ 07.044.456/0001-00
 
Mais informações pelo telefone (85) 3252.3530.
Fonte: DN

Fortaleza lança nota explicando problema na entrada de torcedores

fec
Nota explica problemas ocorridos durante o Clássico
REPRODUÇÃO
A diretoria do Fortaleza lançou, na tarde desta segunda-feira (2), uma nota de esclarecimento sobre os problemas ocorridos durante a entrada dos torcedoresno Clássico-Rei do último sábado (28), quando várias pessoas entraram pulando as catracas do estádio Castelão. Outra reclamação rebatida pelo comando do clube foi a demora na divulgação do boletim financeiro da partida, fato que causou irritação entre dirigentes alvinegros e da FCF. 
Na nota, a diretoria informa que houve problemas no funcionamento de algumascatracas devido à falha de comunicação entre a empresa que confecciona os ingressos e a que controla o acesso do público ao estádio. O texto diz ainda que a liberação da entrada dos torcedores através do recebimento manual dos ingressos foi uma forma de garantir o acesso do público ao estádio com 3 horas de antecedência.
Com relação à demora na divulgação do borderô, a diretoria leonina informou que o boletim foi liberado logo após o término da partida e que não cabe nenhum tipo de reclamação ao procedimento adotado pelo clube.
Confira a nota na íntegra:
Com relação ao que foi divulgado, dando conta de problemas no funcionamento de algumas catracas de acesso ao estádio, constatamos que existiu uma falha na comunicação entre as empresas envolvidas no processo, uma que faz o ingresso e a outra empresa que controla o acesso ao Castelão, ou seja, a primeira não passou em tempo hábil as informações (arquivo eletrônico) para que a segunda procedesse o controle da entrada. 
Como o clube mandante, no caso o Fortaleza, tem o compromisso de liberar o acesso ao público com três horas de antecedência do horário de início do jogo, foi procedido então o acesso dos torcedores com o sistema de recebimento manual dos ingressos, valendo ressaltar que cerca de uma hora antes do início do evento o problema foi corrigido, voltando a ser adotado o sistema de liberação eletrônica das catracas mediante o uso dos bilhetes. 
Portanto necessário se faz esclarecer, que o Fortaleza Esporte Clube não pode ser responsabilizado pelo ocorrido, já que não deu causa ao problema, muito pelo contrário, exigiu de imediato que fossem tomadas as devidas providências para que o acesso dos torcedores com ingresso fosse normalizado o mais rápido possível. Valendo salientar ainda, que hoje mesmo já entramos em contato com as empresas envolvidas, exigindo a correção de citado procedimento, para que tal fato não volte a ocorrer. 
Esclarecemos ainda que logo após o jogo, foi providenciado o borderô com as devidas prestações de contas da partida, tudo de forma absolutamente transparente e na maior lisura, como sempre foi postura adotada pelo Fortaleza, não cabendo qualquer insinuação leviana a esse respeito."
Fonte: DN

Miss Bumbum Ceará se candidatará a prefeita

Renata Miss Bumbum
Renata Alves irá se candidatar nas próximas eleições. A meta é chegar ao executivo de Groiaíras, cidade do interior do Ceará
DIVULGAÇÃO
A coroa de Miss bumbum Ceará parece não ser suficiente para satisfazer Renata Alves. A loira, que acaba de chegar de uma viagem que ganhou de presente de um fã para a Turquia, revelou que vai entrar na corrida eleitoral de 2016.
Isso mesmo. A bela vai concorrer ao cargo de prefeita em sua cidade natal, Groiaíras, que fica no Interior do Ceará, a 220km de distância de Fortaleza.
Renata contou que seguiu seu coração para tomar a decisão e ainda que assumir a prefeitura de Groiaíras é um sonho de infância. A loira  falou também sobre o seu passado, outro forte fator que a influenciou a entrar na política.
"Desde pequena sofri muito, com a fome a seca, a falta de oportunidades que minha família e eu passamos, e que até hoje existe em meu Nordeste. Desde menina eu dizia que um dia eu ia ajudar todo mundo, mudar o que eu via, e agora que eu posso ter esta oportunidade vou lutar por isso", comenta.
As minorias e o tabu da sexualidade que ainda perpetua no interior do Ceará também são questões que Renata promete levantar no debate eleitoral: "Quero que minha cidade seja livre de preconceitos e acorde para o Mundo".
Insta
Foto: Divulgação
Fonte: DN

Por que WhatsApp está sob ameaça de bloqueio em diversos países?

  • Aplicativo já sofreu ameaças em diversos países, sob justificativa de ser usado por criminosos
    Aplicativo já sofreu ameaças em diversos países, sob justificativa de ser usado por criminosos
Aplicativo já sofreu ameaças em diversos países, sob justificativa de ser usado por criminosos

Não é apenas no Brasil, onde um juiz do Piauí ordenou o bloqueio do aplicativo, que o WhatsApp corre o risco de sair do ar.

No Reino Unido, na Arábia Saudita, no Irã e em outros países, o aplicativo também sofreu ameaças de bloqueio e, em alguns deles, chegou a ser suspenso.

A discussão ocorre porque é mais difícil monitorar mensagens enviadas pelo aplicativo do que ligações telefônicas ou e-mails, por exemplo – o que, segundo alguns países, pode ameaçar tanto a segurança pública quanto a segurança nacional.

O bloqueio do WhatsApp, no entanto, é visto por muitos como uma ameaça à liberdade de expressão.

No Brasil, o juiz Luiz de Moura Correa determinou que o WhatsApp seja bloqueado para forçar a empresa a colaborar com a Justiça em uma investigação sobre pedofilia que corre sem segredo.

No Reino Unido, o primeiro-ministro David Cameron também critica a falta de colaboração da empresa em investigações – neste caso, sobre terrorismo.

Em um discurso em janeiro, o britânico disse que tentaria proibir serviços de mensagens encriptadas – como as do WhatsApp e do Snapchat – caso o conteúdo não pudesse ser acessado pelos serviços de inteligência britânicos.

A declaração foi feita após os ataques a revista satírica Charlie Hebdo, em Paris, que aumentaram o temor sobre ameaças terroristas. Já existe uma pressão para que empresas como Google e Facebook forneçam mais informações sobre as atividades dos seus usuários, já que há uma forte ação de recrutamento de grupos radicais pela internet.

"Vamos permitir meios de comunicação que são impossíveis de ler? Minha resposta é: não, não devemos fazer isso", disse Cameron.

Terrorismo

Ameaças de terrorismo ou à segurança nacional também serviram de justificativa para o bloqueio do serviço em outros países.

Muitos desses governos, no entanto, foram criticados por restringir a liberdade de expressão.

Na Arábia Saudita, de acordo com agências de notícias, houve uma ameaça de retirar o Whatsapp do ar em 2013 porque o serviço não estaria se adequando às regras de Comissão de Comunicações e Tecnologia da Informação. Na época, o país chegou a tirar do ar o Viber, aplicativo de mensagens e chamadas de voz pela internet, pelo mesmo motivo.

Em Bangladesh, o serviço foi bloqueado em janeiro, também de acordo com agências. O governo afirmou que havia ameaças de terrorismo e que era difícil monitorar comunicações pelo aplicativo.

"Terroristas e elementos criminosos estão usandos essas redes para se comunicar", disse uma autoridade do Paquistão para justificar a suspensão do aplicativo em uma província, segundo a mídia local.

No ano passado, o presidente do Irã, Hassan Rouhani, considerado moderado, precisou se empenhar pessoalmente para liberar o aplicativo.

A linha dura iraniana pediu a censura, segundo a emissora de TV americana Fox News, devido à compra do app pelo Facebook – cujo dono, Mark Zuckerberg, seria uma "americano sionista", segundo o comitê do país responsável pela internet.

Na Síria, que passa por uma guerra há mais de três anos, o aplicativo – usado para marcar protestos durante a Primavera Árabe – foi suspenso em 2012.

"Um golpe na liberdade de expressão e nas comunicações em todo lugar. Um dia triste para a liberdade", publicou o WhatsApp em seu Twitter à época.
Fonte: UOL

Mister Distrito Federal 2015 desiste do título e vice assume

  • Ecktor Lopes (à direita) é o novo Mister Distrito Federal 2015
    Ecktor Lopes (à direita) é o novo Mister Distrito Federal 2015
O vice-Mister Distrito Federal 2015, Ecktor Lopes, 24, assumiu o título neste domingo (1º), substituindo Lucas Ramalho, 25, que havia vencido o concurso, realizado em Brasília, na sexta-feira (27).
O vencedor precisa assinar um contrato com o Mister Brasil, assumindo compromissos de imagem e de participação em eventos.
Ramalho não concordou com os termos e, por isso, foi substituído.
O novo Mister Distrito Federal é brasiliense, tem 1,84 metro e é empresário.
No concurso, Lopes representou o Lago Sul. Ele agora vai representar o Distrito Federal no concurso Mister Brasil 2015, que acontece em junho, em Florianópolis (SC), de onde sairá o candidato brasileiro para o Mister Mundo.
Lopes sucede Lucas Montandon, Mister Distrito Federal 2014 e que também é o atual Mister Brasil.
O candidato de Guará, Gabriel Correa, 30, que foi o preferido dos internautas do UOL, com 21% dos votos, terminou em sexto lugar.
No total, 17 candidatos das mais diferentes regiões do DF disputaram a vaga.
Também na sexta-feira, o bancário Rodrigo Soares, 29, venceu o concurso Mister DF Universo e disputará o concurso nacional em Natal (RN), em abril. Se vencer, ele se classifica para o Mister Universo na República Dominicana, em junho.
Ampliar

Veja quais eram os candidatos do Mister DF 201517 fotos

15 / 17
SUDOESTE - Gabriel Lucena, 26 Divulgação
Fonte: UOL

5 razões pelas quais impeachment de Dilma é improvável, segundo brasilianistas

  • Falta de interesse da oposição e de provas de envolvimento de Dilma no escândalo da Petrobras são alguns dos motivos apontados pelos especialistas
    Falta de interesse da oposição e de provas de envolvimento de Dilma no escândalo da Petrobras são alguns dos motivos apontados pelos especialistas
A série de problemas enfrentados pela presidente Dilma Rousseff neste início de segundo mandato já foi indicada por alguns como sinal de ameaça ao seu governo.
Na semana passada, um blog publicado no site do jornal britânico "Financial Times" listou 10 motivos para acreditar que Dilma poderia sofrer impeachment, entre eles as investigações de corrupção na Petrobras, a economia em baixa, a crise no abastecimento de água e energia e o menor apoio no Congresso.
No entanto, para cientistas políticos consultados pela BBC Brasil, esse não é um cenário realista e, apesar dos problemas, no momento não há razão para considerar a possibilidade de que Dilma não termine seu mandato.
Abaixo, cinco motivos pelos quais os brasilianistas consideram improvável um processo de impeachment no Brasil:

1 – Até o momento, não há base para impeachment

Para os analistas entrevistados pela BBC Brasil, apesar dos graves problemas enfrentados pelo governo, não está claro qual seria a base para um processo de impeachment.
"Há tensões dentro do governo, tensão entre Lula [o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva] e Dilma, entre o PT e [o novo ministro da Fazenda] Joaquim Levy. A polarização no Brasil está ficando muito forte, entre o PT e a oposição, entre o Congresso e a presidente", enumera Peter Hakim, presidente emérito do instituto de análise política Inter-American Dialogue, em Washington.
"Mas a pergunta que eu tenho é como o processo de impeachment seria iniciado, qual seria a base para impeachment", questiona.
Segundo Hakim, até o momento não parece haver nada que possa desencadear um processo de impeachment. Ele ressalta que acusações de "incompetência", por si só, não são motivo para impeachment.
O cientista político Riordan Roett, diretor do programa de estudos da América Latina da Universidade Johns Hopkins, em Washington, lembra que nos Estados Unidos a ameaça de impeachment também costuma ser mencionada com frequência.
"O impeachment nunca está fora de questão. Os conservadores do Tea Party estão sempre falando em impeachment no Congresso americano, mas obviamente isso não vai acontecer", compara.
"[No caso do Brasil] penso que é muito cedo para sequer pensar sobre a possibilidade de um processo sério de impeachment."

2 – Não há evidências de envolvimento de Dilma no escândalo da Petrobras

O escândalo de corrupção na Petrobras, que já provocou o rebaixamento da nota da empresa pela agência de classificação de risco Moody's, é considerado por Hakim o principal problema enfrentado por Dilma no momento.
Mas ele e outros analistas ressaltam que nada indica que a presidente --que esteve à frente do Conselho de Administração da empresa entre 2003 e 2010-- tenha tido algum tipo de envolvimento ou soubesse dos casos de corrupção.
"Até o momento, não há evidência de que Dilma seja culpada de nada além de má administração [no caso da Petrobras]", diz o cientista político Matthew Taylor, pesquisador do Brazil Institute, órgão do Woodrow Wilson Center e professor da American University, em Washington.
Taylor observa que, assim como no escândalo do Mensalão muitos dos membros mais céticos da oposição diziam na época que o então presidente Lula deveria saber do que ocorria, no caso da Petrobras é possível que muitos digam o mesmo de Dilma, que seus laços com a empresa eram tão estreitos que ela deveria saber do esquema de corrupção.
"Mas em uma grande organização como essa, é bem plausível que ela simplesmente não tenha investigado mais profundamente o que poderia estar ocorrendo", afirma.
"Até agora não há qualquer sugestão nos documentos que se conhece de que Dilma seja culpada de qualquer comportamento criminoso", diz Taylor.

3 – A oposição não tem interesse em um processo de impeachment

Segundo os analistas ouvidos pela BBC Brasil, a oposição não teria condições e nem tem interesse em levar adiante um processo de impeachment.
"Não acho que o PSDB teria muito a ganhar. Além disso, precisaria do apoio do PMDB e de outros partidos na coalizão do governo. E, francamente, nenhum desses partidos gostaria de ver Dilma sofrendo um impeachment", afirma Taylor.
"Eles têm muito a ganhar com uma Dilma enfraquecida", observa. "Talvez seja melhor para a oposição simplesmente deixar Dilma mergulhada na crise e deixar que ela tome as difíceis medidas de austeridade e ser responsabilizada por elas."

4 – Apoio no Congresso

Dilma enfrenta dificuldades em sua relação com o Congresso e com a própria base aliada, em um momento em que o PT e o PMDB, apesar de terem as maiores bancadas, perderam cadeiras nas últimas eleições, que também foram marcadas por uma maior fragmentação do Congresso.
"Uma das questões cruciais para Dilma é lutar contra a oposição que há no Congresso ao plano de ajuste fiscal. Mas ela está em uma posição enfraquecida, porque não é popular, o PT tem menos membros no Congresso, há mais partidos pequenos", enumera Roett.
Apesar das dificuldades, os analistas ressaltam que a estrutura de apoio de Dilma é muito mais forte do que a do ex-presidente Fernando Collor de Mello, alvo de impeachment em 1992.
"Collor estava implementando políticas que eram de certa maneira radicais, que iam contra a maioria dos eleitores, e estava fazendo isso em um contexto em que seu partido tinha menos de 3% do Congresso", diz Taylor

5 – Dificuldades em toda a América Latina

A avaliação dos analistas é de que, apesar de graves, os atuais problemas não são exclusividade do Brasil. Muitos países da América Latina também enfrentam um período de escândalos e economia em queda.
"Não é como se o Brasil estivesse sozinho", observa Hakim.
Ele cita os casos de México, Venezuela, Peru, Chile e Argentina, onde os presidentes também atravessam um momento de fraca popularidade.
"Se no Brasil a inflação chega a 7,3% nos últimos 12 meses, na Argentina está em torno de 40%, e na Venezuela perto de 70%", diz Hakim.
"A confiança do investidor está em baixa em toda a América Latina."

Exagero

Para Hakim, há um certo exagero quando se fala na possibilidade de impeachment de Dilma.
"Ninguém falava em impeachment de Fernando Henrique Cardoso por causa da crise do apagão. Ninguém falava em impeachment de Lula por causa do Mensalão", lembra.
O analista reconhece que Dilma está enfrentando problemas em várias frentes, mas afirma que esses problemas não são incomuns em governos com a economia em baixa.
"Lembra quando todos falavam que o Brasil era um foguete em direção à lua, que ninguém segurava o Brasil? Aquilo foi dramaticamente exagerado. Agora, o suposto desastre enfrentado pelo Brasil também está sendo exagerado. Pode estar prestes a enfrentar um pouco de turbulência, mas não se compara à situação da Argentina ou da Venezuela", afirma Hakim.
Taylor diz que o escândalo da Petrobras o deixa "cautelosamente otimista".
"Quando se pensa no Brasil e nas experiências da América Latina, em quantos outros países você prenderia alguns dos mais importantes empresários e consideraria a possibilidade de prender alguns dos mais importantes políticos? E, mesmo eu não achando um cenário realista, a própria contemplação de impeachment de uma maneira válida institucionalmente. Isso tudo aponta para a força da democracia brasileira, não fraqueza."
Fonte: UOL

Competidor usa cueca fio-dental em 'corrida seminua' na China

Uma corrida com participantes seminus contou com atletas usando até cueca fio-dental, no domingo (1º), em Pequim, na China. Centenas de pessoas, várias delas vestindo peças íntimas com a estampa do Super-Homem, disputaram a prova.
Competidor usa cueca fio-dental em corrida na China (Foto: Kim Kyung-hoon/Reuters)Competidor usa cueca fio-dental em corrida na China (Foto: Kim Kyung-hoon/Reuters)
Corrida foi realizada em Pequim, na China (Foto: Kim Kyung-hoon/Reuters)Corrida foi realizada em Pequim, na China (Foto: Kim Kyung-hoon/Reuters)
Participante usou fantasia para participar da prova (Foto: Kim Kyung-hoon/Reuters)Participante usou fantasia para participar da prova (Foto: Kim Kyung-hoon/Reuters)Fonte: G1

Começa nesta segunda prazo para regularização do título de eleitor

Título de eleitor pode ser pedido até esta quinta-feira (23); reimpressão pode ser pedida em qualquer cartório (Foto: Reprodução / TV Globo)Eleitor com título durante atendimento em cartório
(Foto: Reprodução / TV Globo)
Começa nesta segunda-feira (2) o prazo para regularização do título de eleitor de quem não compareceu às três últimas votações e não justificou a ausência.  De acordo com a Justiça Eleitoral, 1.782.035 brasileiros estão nessa situação. Quem não resolver a pendência até 4 de maio, terá o  título cancelado.
A regularização não é necessária para eleitores com menos de 18 anos ou com mais de 70, para os quais o voto é facultativo. Pessoas com deficiência e que têm dificuldade de cumprir as obrigações eleitorais também não terão o título suspenso.
Para regularizar a situação, o eleitor deve comparecer ao cartório eleitoral com um documento oficial com foto e o título, além dos comprovantes de votação, de justificativa e de recolhimento da multa ou dispensa da multa.
Para efeito de cancelamento, são consideradas eleições para todos os cargos (prefeito, presidente, etc), além de eleições suplementares e referendos. Se um eleitor deixou de votar no primeiro e no segundo turno de um mesmo pleito, terá duas faltas registradas. Não é contabilizada ausência em eleições anuladas por determinação da Justiça.
Quem tem o título de eleitor cancelado pode ficar impedido de retirar passaporte ou carteira de identidade, de receber salários de função ou emprego público e de obter alguns tipos de empréstimos. Também pode enfrentar dificuldades para ser nomeado em concursos públicos ou fazer renovação de matrícula em estabelecimento público de ensino.
Quem quiser verificar se tem pendência com a Justiça Eleitoral pode consultar as listas que estão disponíveis nos cartórios eleitorais ou então fazer uma busca no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), aqui. Nenhum tipo de notificação, seja por correspondência ou email, será enviada pelas autoridades.

Dos 1.782.035 eleitores em situação irregular, a maior parte, 498.681, está em São Paulo. Em seguida, 192.858 estão no Rio de Janeiro e 155.398 em Minas Gerais. Os brasileiros que vivem no exterior e podem ter o título cancelado somam 34.050, sendo 4.542 em Nova York e 2.657 em Lisboa.

Em 2013, 1.354.067 eleitores tiveram seus títulos cancelados por não terem votado nem justificado nas três últimas eleições realizadas até 2012. Em 2011, foram cancelados 1.395.334 títulos.
Fonte: G1

Contas de luz sobem, em média, 23,4% no país a partir desta segunda

Os brasileiros já estão pagando mais pelas contas de luz. Com a entrada em vigor da revisão extraordinária das tarifas aprovada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na última sexta-feira (27), as contas subiram, em média, 23,4%.
Para os consumidores do Sul, Sudeste e Centro-Oeste, a alta é de 28,7%, na média – 4,5 vezes maior que a aplicada para aqueles que vivem em estados do Norte e Nordeste, que será de 5,5%, também na média.
Essa diferença ocorre porque os consumidores das três primeiras regiões terão mais custos para cobrir com essa revisão extraordinária. Um exemplo é a energia gerada pela hidrelétrica de Itaipu, que atende a todo o país e foi reajustada em quase 50% em 2015, mas que é repassada apenas às contas de luz de moradores do Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Ao todo, a Aneel autorizou o reajuste das tarifas de 58 das 63 distribuidoras de energia do país. Os cerca de 1,2 milhão de consumidores daAES Sul, que atende em 118 cidades do Rio Grande do Sul, terão o maior reajuste, de 39,5%.
Entre as maiores distribuidoras, os mais altos são da Copel (36,4%), que atende a clientes no Paraná, da Eletropaulo (31,9%), que atua em São Paulo, e da Cemig (28,8%), que atende a consumidores de Minas Gerais. Veja, abaixo, lista das distribuidoras e respectivo reajuste.

Clientes de quatro distribuidoras não foram atingidos pelo reajuste extra das contas de luz. Os da CEA, do Amapá, porque a empresa não pediu à Aneel a revisão extraordinária. Já os da Amazonas Energia (AM), Boa Vista e CERR (RR), estão livres porque vivem em regiões que não são atendidas pelo Sistema Interligado Nacional (SIN), rede de linhas de transmissão que liga o país, e por isso não participam do rateio de contas do setor.

Aumento extra
As revisões extraordinárias aprovadas na sexta representam um aumento extra nas contas de luz, aplicado quando há risco de desequilíbrio nas contas das distribuidoras. Portanto, os consumidores podem esperar por nova alta em suas tarifas ao longo de 2015, pois a Aneel ainda vai autorizar o reajuste ordinário, aquele que já ocorre uma vez por ano.

Das 63 distribuidoras, 6 já passaram, em fevereiro, pelo reajuste ordinário. A Ampla, que atende cidades do interior do Rio de Janeiro, vai ter os reajustes ordinário e extraordinário aprovados juntos ainda no mês de março, por isso não consta da lista divulgada pela Aneel na sexta.

A revisão aprovada na semana passada vai permitir que as distribuidoras arrecadem, de imediato, recursos para cobrir custos com a compra de energia de Itaipu, novos contratos de suprimento de eletricidade firmados em leilões recentes, além de ações do governo financiadas pela Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).

Pela regra, as distribuidoras deveriam bancar essas contas para, depois, serem ressarcidas no reajuste anual, mas elas alegam não ter recursos. Ou seja, essas despesas bilionárias já seriam repassadas aos consumidores mas, com a revisão extraordinária, isso ocorre antes.

Também na sexta, a Aneel aprovou a previsão de orçamento da CDE para 2015. E determinou que os consumidores paguem, via contas de luz, R$ 22,06 bilhões para o fundo.
O dinheiro vai financiar, entre outras ações, o programa Luz para Todos, o subsídio à tarifa de famílias de baixa renda, combustível para usinas termelétricas do Norte do país e o pagamento de indenizações a empresas.

Consumidores do Sul, Sudeste e Centro-Oeste vão pagar 80% desse valor. Aos consumidores do Norte e Nordeste, será repassado 20% do total. A arrecadação dos R$ 22,06 bilhões será feita ao longo de 2015.

Equilíbrio
O diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, afirmou que o reajuste extra vem corrigir “eventos que perturbam o equilíbrio econômico e financeiro das distribuidoras”, entre os quais o repasse da CDE “é o principal item.”

“Com essas decisões que estão sendo tomadas, completamos o ciclo para alcançar a sustentabilidade do setor elétrico por meio da tarifa”, disse Rufino.

A medida faz parte dos esforços do governo para equilibrar as contas públicas e reverter o processo de perda de credibilidade. No caso do setor elétrico, isso significa suspender ajuda financeira às distribuidoras, por meio de recursos do Tesouro, e promover o chamado “realismo tarifário”, ou seja, repassar às tarifas todos os custos do setor.

Veja a lista das distribuidoras e o respectivo aumento:
AES Sul – 39,5%
Bragantina – 38,5%
Uhenpal – 36,8%
Copel – 36,4%
RGE – 35,5%
CNEE – 35,2%
Cocel – 34,6%
Muxfeldt – 34,3%
Demei – 33,7%
Caiua – 32,4%
Forcel – 32,2%
Eletropaulo – 31,9%
CFLO – 31,9%
Hidropan – 31,8%
CPFL Paulista – 31,8%
EDEVP – 29,4%
CPFL Piratininga – 29,2%
Cemig – 28,8%
Enersul – 27,9%
DME-PC – 27,6%
Celg – 27,5%
Eletrocar – 27,2%
Eflul – 27%
Energisa MG – 26,9%
Cemat – 26,8%
Escelsa – 26,3%
ENF – 26%
Bandeirante – 24,9%
Celesc – 24,8%
Elektro – 24,2%
CEB – 24,1%
Ienergia – 23,9%
CJE – 22,8%
Light – 22,5%
CEEE – 21,9%
CSPE – 21,3%
Chesp – 21,3%
Santa Maria – 21%
Eletroacre – 21%
Cooperaliança – 20,5%
Joaocesa – 19,8%
CPEE – 19,1%
Ceron – 16,9%
Mococa – 16,2%
Coelce – 10,3%
CPFL Santa Cruz – 9,2%
Energisa SE – 8%
Sulgipe – 7,5%
Energisa Borborema – 5,7%
Coelba – 5,4%
Ceal –  4,7%
Celtins – 4,5%
Energisa PB – 3,8%
Celpa – 3,6%
Cepisa – 3,2%
Cemar – 3%
Cosern – 2,8%
Celpe – 2,2%
Bandeiras tarifárias
A Aneel já havia tomado na sexta uma outra decisão que implica em aumento das contas de luz para os brasileiros ao aprovar o aumento na taxa extra das bandeiras tarifárias, cobrada nas contas de luz quando há aumento no custo de produção de energia no país. Os novos valores, agora oficiais, também começam a valer nesta segunda-feira (2) e são os mesmos propostos no início de fevereiro, quando o assunto foi levado a audiência pública.
  •  
Tarifas de luz (Foto: Arte/G1)
Em caso de bandeira vermelha, que vigora atualmente em todo país e sinaliza que está muito caro gerar energia, passará a ser cobrada nas contas de luz uma taxa extra de R$ 5,50 para cada 100 kWh (quilowatts-hora) de energia usados, aumento de 83,33% em relação aos R$ 3 cobrados entre janeiro e fevereiro.
Já no caso de bandeira amarela, que sinaliza que a produção de energia está um pouco mais cara, taxa extra aplicada passa de R$ 1,50 para R$ 2,50 (+ 66,66%). Não houve alteração em relação à bandeira verde, que sinaliza que não há custo adicional para produção de eletricidade e, portanto, não é aplicada a taxa extra.

Os recursos arrecadados via bandeiras vão cobrir o custo extra pelo uso mais intenso no país de termelétricas (usinas movidas a combustíveis como óleo e gás e que geram energia mais cara), além da compra, pelas distribuidoras, de energia no mercado à vista, onde o preço também é mais alto.
Assim como no caso da revisão extraordinária, as distribuidoras deveriam pagar essa fatura no primeiro momento para depois repassar aos consumidores no reajuste anual. Como elas alegam não ter recursos para isso, as bandeiras permitem a arrecadação imediata.
Governo e Aneel apontam que essa troca (arrecadação imediata via bandeiras ao invés de aguardar o reajuste) é vantajosa para os consumidores, que seriam obrigados a pagar juros às distribuidoras caso elas bancassem os gastos extras nesse primeiro momento.
Fonte: G1