Buscar

13 novembro 2015

Moradores da Grande Messejana enfrentam 24 horas de pânico com 11 assassinatos

tiro
Uma sequência de 11 crimes de mortes, em menos de 24 horas, na madrugada dessa quinta-feira, em Bairros da Grande Messejana, em Fortaleza, abala moradores e muda a rotina da população. A polícia trabalha com três linhas de investigação: represália pela morte de um policial, vingança pelo assassinato de um ex-presidiário ou envolvimento de vítimas com o tráfico e consumo de drogas.

O silêncio impõe o medo entre moradores das áreas afetadas pela onda de crimes. Lideranças comunitárias preparam manifestações cobrando resultados das investigações e dizem que, entre os assassinatos, tinha jovens inocentes.
A chacina mobilizou a cúpula da segurança pública no Ceará. O secretário da Segurança Pública e Defesa Social, Delci Teixeira, se reuniu na noite dessa quinta-feira com os comandantes da Polícia Militar e da Polícia Civil e os responsáveis pelas investigações das 11 mortes ocorridas na madrugada na região da Grande Messejana.
A Secretaria da Segurança Pública determinou prioridade na apuração das circunstâncias dos homicídios. De acordo com a Secretaria de Segurança, equipes da Polícia Civil, por meio da Divisão de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), da Unidade Tático Operacional (UTO) da Divisão Antissequestro (DAS) e dos 6º e 35º Distritos Policiais, além de agentes da inteligência, intensificaram investigações na região.
O Secretário de Segurança, Delci Teixeira, designou Policiais Militares do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), do Batalhão de Policiamento de Rondas de Ações e Intensivas e Ostensivas (BPRaio) e do Policiamento Ostensivo Geral (POG) para realizar ações de saturação na área e dar mais tranquilidade aos moradores da Grande Messejana.
A Polícia trabalha com algumas linhas de investigação: entre elas, a prisão, na última terça-feira (10) de Carlos Alexandre Alberto da Silva (38), vulgo ‘Castor’, que possui antecedentes criminais por tráfico de drogas, porte e posse ilegal de arma de fogo, ameaça, homicídios, tentativa de homicídio, e estava com três mandados de prisão em aberto. Ele portava um fuzil e uma pistola utilizados em uma chacina ocorrida na “Comunidade Cinquentinha”. O preso teria ordenado a morte dos seus delatores.
Outra linha de investigação aponta para retaliação pela morte do traficante Lindemberg Vieira Dias, morto na última quarta-feira, um dia após deixar o sistema penitenciário.
Com relação ao homicídio do soldado da Polícia Militar, Walterberg Chaves Serpa, na noite de quarta-feira (11), na Lagoa Redonda, o caso está sendo investigado para averiguar a hipótese de alguma relação com as mortes da madrugada. A população pode realizar denúncias para auxiliar o trabalho da Polícia pelos telefones 181 ou 190.
NOMINAL CVLI
Fonte: Ceará Agora

Nenhum comentário:

Postar um comentário