Buscar

20 novembro 2015

Marcela Alves: estudante cearense desenvolve projetos nos EUA

Unindo empreendedorismo e conhecimento científico, a estudante Marcela Alves, natural de Aratuba, alcançou voos longos nos EUA e no Brasil.

Marcela Alves teve o primeiro contato com computadores aos 19 anos. Natural de Aratuba, distante 128 quilômetros da Capital, passou o ensino médio dividida entre a biblioteca e a escola pública. Agora, aos 24 anos, a jovem é exemplo de superação e tem um currículo de excelência. Quando era estudante bolsista de Ciências da Computação na Faculdade Farias Brito, fez intercâmbio para os EUA. "No ensino fundamental já estudava bastante, já tinha ganhado medalha em olimpíadas de astronomia e de matemática. Pensei em entrar na universidade. Consegui uma nota muito boa no Enem e apliquei para a bolsa integral no Prouni", 

Nos Estados Unidos, além de fundar um grupo de apoio aos estudantes brasileiros e aprender a falar inglês, ela participou de um projeto patrocinado pela Nasa e teve acesso ao famoso telescópio Hubble. Marcela é a primeira brasileira a integrar o Wolfram Science Summer School - curso de verão de um renomado instituto de pesquisa. O programa existe há 12 anos.

"Eu vi a inscrição para a escola (de verão) e um dos cientistas mais importantes do mundo integra o programa. As inscrições eram para 50 cientistas do mundo todo. Não achei que fosse passar, mas me inscrevi e fui passando de fase em fase. O diretor acadêmico do programa gostou do meu projeto de pesquisa, fui selecionada. E, durante os meses nos quais estava lá, conversava com cientistas e pesquisadores que só estavam disponíveis antes através dos livro", conta Marcela.

Ao retornar para o Ceará, a jovem finalizou sua graduação e transformou os estudos iniciados nos EUA no Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Ao lado da amiga Brenda Miranda, fundou um movimento para empoderamento feminino. E assim nasceu uma plataforma para aproximar negócios desenvolvidos por mulheres em áreas remotas. 

Marcela está no caminho para se tornar empreendedora social. Em julho deste ano, foi selecionada para a final do “International Trade Center (ITC), Google, e CI&T Women Vendors’ Forum and Exhibition (WVFE) Tech Challenge 2015”, um desafio internacional para selecionar ideias inovadoras. Agora, os voos são mais altos. Vai viajar para o Quênia próximo mês e sonha com a seleção de pós-graduação. "Quero fazer mestrado no Brasil e doutorado no Exterior", projeta.

Fonte: O POVO ONLINE

Nenhum comentário:

Postar um comentário