Buscar

17 novembro 2015

Aliados fazem lobby e cobram favores para tentar salvar Cunha

Aliados do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), têm procurado nos últimos dias integrantes do Conselho de Ética e líderes das bancadas para tentar assegurar votos para salvar o mandato do peemedebista.
Favores antigos, como cargos, indicações e auxílios financeiros a campanhas, têm sido cobrados. Uma das principais moedas de troca é o apoio em eleições municipais.
A disputa tem sido usada para tentar convencer o relator do caso de Cunha no conselho, Fausto Pinato (PRB-SP), a ser mais brando -ele é correligionário do pré-candidato à Prefeitura de São Paulo Celso Russomanno.
O grupo acena com o apoio do Solidariedade à candidatura do aspirante a prefeito. A sondagem esbarra na avaliação de que seria mortal para a pretensão eleitoral de Russomanno que seu partido patrocine uma salvação de Cunha.
Publicamente, o PRB nega pressões e conversas e diz que o relatório de Pinato será justo, rigoroso e técnico.
Aliados de Cunha querem convencer Pinato a propor uma pena mais branda, como uma censura ética. Argumentam que o peemedebista não é o único político citado nas investigações na Petrobras, e que uma cassação poderia desencadear uma onda de punições contra os demais deputados envolvidos no caso.
Pinato é amigo de André Moura (PSC-SE), outro aliado de Cunha, que foi incumbido de conversar com o relator.
Parecer do relator
As sondagens começaram em torno do parecer preliminar, cujo prazo para apresentação vence na próxima quinta, 19. Pinato disse que não poderia barrar o caso em razão de compromisso firmado antes com o presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PSD-BA). Foi então que a ala “Cunhista” começou a apostar na possibilidade de abrandar a pena.

Além de Moura, a abordagem a membros do conselho é feita também por Paulinho da Força (SD-SP) e Jovair Arantes (PTB-GO). Algumas conversas têm sido tensas. Na última segunda, 9, Paulinho mal conseguiu abordar o líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP), a quem tentava persuadir a apoiar Cunha.
No mesmo dia, Sampaio foi com o líder da oposição na Casa, Bruno Araújo (PSDB-PE), informar pessoalmente a Cunha que os representantes da legenda no Conselho não votariam a favor dele.
No dia seguinte, na reunião de bancada, Sampaio pediu a Betinho Gomes (PE) e Nelson Marchezan (RS) que “sejam duros e representem a indignação da bancada” no grupo.
Até então aliado a Cunha, o PSDB rompeu por avaliar que houve prejuízo à imagem do partido e que o peemedebista havia se alinhado ao governo para barrar um processo de impeachment contra Dilma Rousseff. (das agências)
Fonte: O POVO

Nenhum comentário:

Postar um comentário