Buscar

27 julho 2015

Cunha diz que maioria do PMDB tem opinião contrária à aliança com o governo

eduardo-cunhaEm reunião com empresários nesta segunda-feira, 27, em São Paulo o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que rompeu recentemente com o governo, afirmou que a maioria de seu partido é hoje favorável a um rompimento da aliança com o governo.
O deputado lembrou que, na convenção peemedebista do ano passado 41% dos delegados votaram contra a aliança que alçou Michel Temer a vice na chapa de Dilma Rousseff. “A maioria no partido hoje tem opinião contrária à aliança”, disse Cunha, que lembrou ainda que ele próprio votou a favor da aliança em 2014.
Ao falar sobre o cenário político, o peemedebista reforçou os ataques contra o PT e o governo. “A impopularidade do PT consegue ser maior do que a da própria presidente”, afirmou. Cunha voltou a defender a redução de ministérios dizendo que isso teria um simbolismo de que “o esforço da crise está sendo compartilhado”.
O peemedebista voltou a negar que, com sua atuação, esteja perseguindo uma candidatura a presidente. “Sou candidato a cumprir meu papel com correção”, disse. O presidente da Câmara afirmou ainda que não tentou convencer companheiros de partido a também romperem com o governo. “Não telefonei a um integrante do partido pedindo que me acompanhasse no rompimento”, garantiu.
Impeachment
Cunha disse, também, que sua posição sobre a abertura de impeachment da presidente Dilma Rousseff “não mudou uma vírgula” e que todos os pedidos serão analisados de maneira técnica. “Impeachment não pode ser tratado como recurso eleitoral. Recurso eleitoral porque você não se satisfez não é a melhor maneira”, defendeu o peemedebista.
O presidente da Câmara afirmou que o impeachment é “um processo complexo” e que tem de haver base para um pedido. Cunha disse que pediu que fosse feito um saneamento de premissas nos requerimentos recebidos. “Os que sanearem serão analisados sob a ótica jurídica. Os que tiverem fundamento terão acolhimento”, afirmou.
Contas do governo
Cunha deu explicações sobre o processo de julgamento das contas do governo Dilma Rousseff pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e lembrou que o órgão foi criado para assessorar o Poder Legislativo. Segundo ele, o Congresso dará a palavra final sobre o parecer que será dado pelo Tribunal.
O presidente da Câmara reforçou que estava fazendo a explicação para que as pessoas “não se decepcionassem” com a tramitação do processo das contas no Legislativo. “As pessoas estão criando expectativa como se TCU condenasse o governo, não é isso. É um parecer. A palavra é do Congresso”, disse o peemedebista.
Fonte: Ceará Agora

Nenhum comentário:

Postar um comentário