Buscar

19 maio 2015

Ceará imunizou apenas 19,49% do público alvo contra a gripe

Após 11 dias de campanha de vacinação contra a gripe, apenas 29,24% do público-alvo já foram imunizados. O grupo mais vulnerável a complicações da doença é formado por 49,7 milhões de pessoas, das quais 14,5 milhões foram vacinadas entre o dia 4 de maio, início da campanha, e a última sexta-feira (15), segundo balanço divulgado nesta segunda-feira (18), pelo Ministério da Saúde.

O balanço do Ministério da Saúde, revela que até o último dia 15 de maio, o Ceará, imunizou 343.644 pessoas. O número representa apenas 19,49% do público-alvo imunizado. O estado está atrás apenas de Roraima (13,02%), Piauí (17,27%) e Acre (18,44%). 
Mulheres no período de até 45 dias após o parto formam o público-alvo que mais buscou a imunização, com 40% de cobertura. Em seguida, vêm os idosos (32,1% de cobertura), crianças de 6 meses a 4 anos incompletos (29,8%), gestantes (27,56%) e trabalhadores da saúde (22,9%).
A meta do ministério é imunizar 80% do público-alvo até sexta-feira (22), quando a campanha será encerrada. Disponibilizada pelo Ministério da Saúde, a vacina protege contra os três subtipos do vírus da gripe que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais devem circular este ano: A H1N1, A H3N2 e Influenza B.
O período de maior circulação do vírus vai do fim de maio até agosto. Como a vacina demora de duas a três semanas para gerar anticorpos no organismo, as pessoas devem procurar a imunização durante a campanha.
Segundo o ministério, estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% e 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da influenza.
Desde 4 de maio, a vacina está disponível para crianças de 6 meses a menores de 5 anos; pessoas com 60 anos ou mais; trabalhadores de saúde; povos indígenas; gestantes; mulheres que tiveram filhos há no máximo 45 dias; população privada de liberdade; funcionários do sistema prisional; e pessoas com doenças crônicas não transmissíveis ou outras condições clínicas especiais.
Fonte: CNEWS

Nenhum comentário:

Postar um comentário