Buscar

30 abril 2015

No Estado, Oi e Vivo descumprem metas da Anatel

Image-0-Artigo-1844506-1
Para a internet 3G, a Anatel informou que todas as operadoras atuantes no Ceará cumpriram as metas em fevereiro
FOTO: KLÉBER A. GONÇALVES
A Oi foi a operadora de telefonia móvel com o pior desempenho no serviço de dados no Ceará, revelou ontem relatório da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). De acordo com o levantamento, referente a fevereiro deste ano, os clientes da empresa conseguiram conectar com êxito sua internet móvel em 94,01% das tentativas, sendo que a meta de qualidade imposta pela agência reguladora é de 98% (há uma tolerância de 2%).
Ainda no Ceará, o melhor desempenho foi registrado pela prestadora Nextel, que em 99,74% dos casos conectou com sucesso o serviço de dados. Claro (99,55%), TIM (98,05%) e Vivo (98,01%) também atingiram as metas impostas pela Anatel no que diz respeito à internet móvel. Em nota, a Oi disse "que saiu da média de atendimento das metas de 78,1% em julho de 2014 para 86% em fevereiro". A operadora também informou que "os investimentos em suas redes de telecomunicações já começam a gerar resultados, com forte queda no número de reclamações apurado pela Anatel".
Conexão de dados 2G
Levando em conta somente a conexão de dados 2G, duas operadoras atuante no Ceará não atingiram o padrão de qualidade da Anatel: Oi e Vivo. A primeira obteve, mais uma vez, o pior resultado, de 93,63%, enquanto que a segunda ficou com taxa de 97,91%. "Entre as operadoras de âmbito nacional, somos a empresa com menor número relativo de reclamações, tanto no volume de queixas gerais quanto em relação às reclamações de rede", informou a Vivo, em nota. A operadora também garantiu que segue mobilizada e dedicando esforços e investimentos para garantir serviços e atendimento de qualidade aos seus 81 milhões de clientes em todo o Brasil.
Para a internet 3G, a Anatel informou que todas as operadoras atuantes no Ceará cumpriram as metas em fevereiro, tendo em vista que registraram taxas de conexão de dados superiores a 98%. No quesito em questão, o melhor desempenho foi da Vivo (99,85%) e o pior, da Oi (98,69%). Os padrões impostos pela agência para a 4G também foram cumpridos no Estado.
Chamadas de voz

O relatório da Anatel também trouxe informações sobre as chamadas de voz. Segundo a agência, no Ceará, todas as cinco operadoras cumpriram as metas, ficando ambas com resultados acima de 95% - a tolerância é maior neste quesito. O melhor resultado foi o da Claro, com 99,29% das chamadas completadas com sucesso. Vivo (99,14% ), TIM (99,02%), Nextel (97,74%) e Oi (97,68%) apareceram na sequência, aponta o estudo.
Anatel cobra qualidade
Com base no resultado de levantamento feito, ao longo de dois anos, dos planos de melhorias das operadoras de telefonia celular, a Anatel determinou que Claro, Oi, Tim e Vivo, além de CTBC, Nextel e Sercomtel, melhorem seus indicadores de qualidade de rede em todos os municípios brasileiros. Nenhuma delas cumpriu totalmente as metas prometidas em 2012.
"A agência concluiu que houve cumprimento parcial dos compromissos assumidos nos planos de melhoria e determinou a instauração de Procedimentos de Apuração de Descumprimento de Obrigações, que podem resultar em penalidades para as prestadoras", informou a Anatel.
A Anatel, aliás, estabeleceu prazos, em despachos decisórios publicados ontem no Diário Oficial da União, para que os resultados dos indicadores de acesso às redes de voz e de dados sejam superiores a 85%.
Berzoini defende que teles sejam remuneradas
Brasília. O ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, disse ontem que é necessário buscar modelos de negócios que viabilizem que as empresas de telecomunicações sejam devidamente remuneradas pelo uso de suas infraestruturas. Ele citou que grandes produtores de conteúdo, como redes sociais e assinaturas de streaming de vídeos pela internet, não pagam pelo grande tráfego de dados gerados pelos seus serviços.
"Em qualquer país do mundo, a preocupação das teles é ter infraestrutura para voz e dados, mas existem grandes usuários que não pagam um centavo para usar essa rede. Muitas dessas aplicações oferecem até mesmo comunicação por voz, sem a cobrança de tarifas", afirmou, em audiência pública na Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara dos Deputados. "Temos que discutir como a transformação tecnológica e a mudança de modelo de negócio das empresas de conteúdo possa ter retorno para quem investe em rede", disse. Para o ministro, é preciso buscar um equilíbrio entre interesse público e financiamento da atividade das empresas.
Existe uma discussão mundial a respeito da possibilidade de cobrança diferencial por parte das empresas de telecomunicações de companhias de conteúdo que exigem grande tráfego de dados, como o Google. O Marco Civil da Internet aprovado pelo Brasil no ano passado não é claro quanto à questão, que também gera debates no País.
Teles e parte do governo defendem que a possibilidade de cobrança existe e não fere o novo marco legal.
Opinião
Problemas levaram à portabilidade
Fui cliente da Oi por mais de 10 anos. Na verdade, acho que entrei na operadora desde que a mesma chegou ao Ceará. Bom, eu posso dizer que aguentei enquanto pude, mas não teve como continuar na empresa com tantos problemas que ela apresenta no serviço de dados. Conexão lenta, muitas vezes até inexistente, que cai quase o tempo todo. Isso só para dizer o que lembro. Em um mundo cada vez mais conectado, fica difícil ser cliente de uma operadora que não possui uma boa conexão à internet. Fiz minha portabilidade em outubro do ano passado e ainda não me arrependi. O serviço não é perfeito, mas é melhor. A verdade é que todas as operadoras ficam devendo neste aspecto. Sinceramente, acho que a Anatel devia apertar ainda mais o cerco contra essas empresas, que faturam milhões e nos oferecem apenas migalhas.
Débora Oliveira
Estudante
Fonte: DN

Nenhum comentário:

Postar um comentário