Buscar

03 março 2015

"Quem tiver que pagar, vai pagar", afirma Procurador sobre Lava Jato

Janot
"Se eu tiver que ser investigado, eu me investigo", afirmou Rodrigo Janot
JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL
Nesta segunda-feira (2), o Procurador-Geral da República Rodrigo Janot falou sobre os pedidos de investigação de políticos envolvidos no esquema de corrupção da Petrobras. Segundo ele, "quem tiver que pagar, vai pagar". Manifestantes fizeram vigília de apoio a ele na sede da Procuradoria-Geral, em Brasília, quando Janot resolveu descer de seu gabinete para dar as declarações.
A lista de políticos suspeitos de envolvimento no esquema está sob sigilo e poderá ser divulgada nesta terça (3).
Além disso, o Procurador foi fotografado segurando um dos cartazes dos manifestates que dizia: "Janot, você é a esperança do Brasil". O movimento Vem Pra Rua, que organizou a vigília, é o mesmo responsável por marcar uma mobilização para o dia 15 de março, que deve ocorrer em diversas cidades do País e entre as reinvindicações pede o impeachment da presidente Dilma Rousseff.
Veja o vídeo:
O grupo prometeu orações para Janot e algumas mensagens de seus cartazes diziam: "O povo acredita em vossa excelência" e "Janot, não engaveta".
"Vamos trabalhar com tranquilidade, com equilíbrio, e quem tiver que pagar, vai pagar. Nós vamos apurar, isso é um processo longo, está começando agora. A investigação começa e nós vamos até o final da investigação", afirmou Janot aos que estavam à sua espera na sede. "Se eu tiver que ser investigado, eu me investigo", enfatizou.
Até o momento, as investigações da Operação Lava Jato geraram 130 inquéritos policiais, que irão resultar em novas frentes para a investigação. Com a lista de políticos envolvidos, espera-se a abertura de novos inquéritos junto ao Supremo pela Procuradoria da República, fechando assim a primeira ponta do esquema de corrupção. Doleiros, que lavavam o dinheiro do esquema, e empresários responsáveis pelo financiamento já foram presos
Já foram citados políticos dos partidos PT, PP, PMDB, PSB e PSDB que podem estar envolvidos no esquema. A expectativa é de que os pedidos de investigação de autoridades com foro no Supremo cheguem à Corte nesta terça-feira (3). A intenção do relator da Lava Jato, o ministro Teori Zavascki, é derrubar o sigilo dos pedidos de inquérito realizados por Janot.
Fonte: DN

Nenhum comentário:

Postar um comentário