Buscar

12 fevereiro 2015

Municípios do CE não atingem meta

Passar pelo primeiro ciclo de educação de maneira bem feita pode ser decisivo para um bom desempenho nas demais etapas de estudo. Levantamento realizado pelo movimento Todos Pela Educação (TPE), no entanto, aponta que o rendimento nas matérias de Língua Portuguesa e Matemática precisa melhorar no Ceará, assim como no País. Com base na proficiência dos alunos nas avaliações da Prova Brasil em 2013 e do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), apenas 28,3% dos municípios cearenses atingiu a meta estabelecida para o 9º ano do Ensino Fundamental (EF) em Matemática.
Em relação à Língua Portuguesa, 60,3% dos municípios avaliados atingiu a meta referente ao 9º ano do EF. Em ambas as disciplinas, houve redução no índice de aprendizado na mesma série, se comparado ao ano anterior avaliado, 2011, quando, nas matérias de Português e Matemática, o Ceará teve 79,9% e 51,1% de seus municípios com a meta atingida, respectivamente.
Os dados são referentes ao monitoramento da Meta 3 do Todos pela Educação - Todo aluno com aprendizado adequado ao seu ano. Para o cumprimento dessa meta nos municípios, o movimento usou como indicador o percentual de alunos com aprendizagem adequada por disciplina. O TPE considera como aprendizagem adequada o aluno que alcançou 220 pontos ou mais em Português e 225 pontos ou mais em Matemática no 5º ano e 275 pontos ou mais em Português e 300 pontos ou mais em Matemática no 9º ano.
Capital
No desempenho nas duas disciplinas em 2013, Fortaleza ficou abaixo das metas estabelecidas nos dois anos do EF. No 5º ano, a meta era que 39,2% dos estudantes ficassem com o aprendizado adequado em Português, mas o observado pelo levantamento foi de 36%. Já em Matemática, no mesmo ano, o esperado era que 24,3% dos alunos estivessem com o aprendizado adequado, mas o observado foi de 24%. Nos anos anteriores avaliados (2011, 2009 e 2007), a Capital havia ficado acima do esperado nessa disciplina.
Em relação ao 9º ano, a situação é mais crítica. Segundo o movimento, a meta de aprendizado adequado em Português em 2013 era de 28,9%, mas o observado no mesmo ano foi de 25%, enquanto que em Matemática, apenas 9,7% dos estudantes alcançaram ou superaram a pontuação estabelecida, para uma meta que era de 24,1%.
Sobre o levantamento, o secretário da Educação do Ceará, Maurício Holanda, afirma que a aparente piora na situação educacional do Estado não se configura, em virtude do que aponta os dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). "O Ceará saiu de uma média de 3,5 em 2007 para 5 em 2013 e, nos anos finais do ensino fundamental, saiu de 3,3 para 4,1", destaca.
Segundo ressalta, os dados apresentados pelo Todos Pela Educação são diferentes por tratar dos números de cada cidade, evidenciando como se organizada cada gestão municipal. Sendo assim, afirma, ao se falar de um município pequeno, por exemplo, e outro muito grande, a leitura dos dados não permite dizer que todas as cidades estão caindo.
Apesar da consideração, o secretário admite que o percentual de municípios conseguindo a média estabelecida vem diminuindo, sobretudo em Matemática. "Não estamos avançando no tempo necessário que a sociedade precisa. Temos que continuar firmes e focados na manutenção dos esforços que já vêm sendo feitos". Entre eles, destaca o gestor, o programa Alfabetização na Idade Certa, a ampliação do ensino integral do 6º ao 9º ano, o aumento da carga horária dos professores voltada para planejamento, além da garantia do piso salarial da categoria.
O coordenador do Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Educação (SME), Carlos Eduardo Almeida, afirma que já existe um plano estratégico para melhorar, de forma pontual, a qualidade da educação nas turmas do 9º ano, além do ensino como um todo.
Entre as estratégias adotadas, anuncia, estão o diagnóstico dos alunos de 1º e 2º ano nas habilidades de alfabetização; um trabalho de fluência em leitura entre o 4º e o 5º ano; a implantação de um total de 28 escolas de tempo integral até 2016; o aperfeiçoamento dos professores de Língua Portuguesa e Matemática e o investimento na formação de coordenadores pedagógicos. "Além disso, o Município firmou uma parceria com o Instituto Ayrton Senna, por meio do programa Fórmula da Vitória, para trabalhar com alunos em dificuldade em Matemática e Português, com aulas no contra turno".
Renato Bezerra
Repórter
d
Fonte: DN

Nenhum comentário:

Postar um comentário