Buscar

02 outubro 2014

Dilma nega uso dos Correios na campanha: 'Um absurdo'

Política

Dilma nega uso dos Correios na campanha: 'Um absurdo'

Presidente-candidata não tratou sobre vídeo em que deputado petista agradece cúpula da estatal pela 'ajuda'. Apenas minimizou o assunto

Gabriel Castro, de Brasília
A presidente-candidata Dilma Rousseff durante entrevista coletiva em Brasília/DF - 01/10/2014
A presidente-candidata Dilma Rousseff durante entrevista coletiva em Brasília/DF - 01/10/2014 (Ichiro Guerra/Divulgação)
A presidente Dilma Rousseff negou nesta quarta-feira que os Correios tenham auxiliado sua campanha eleitoral. Mas não comentou diretamente a confissão do deputado Durval Ângelo, que foi flagrado em vídeo agradecendo a direção da empresa pelo apoio ao PT em Minas Gerais. Ao responder sobre as críticas da oposição ao episódio, afirmou: "Vocês são jornalistas: vocês acreditam nisso? Gente, nós estamos vivendo uma campanha eleitoral, que fica uma situação um pouco nervosa. Isso é um absurdo".
Em entrevista concedida no fim da tarde no Palácio da Alvorada, Dilma destacou seu programa de construção de creches, cuja meta era entregar 6.000 empreendimentos. Até agora, entretanto, pouco mais de 2.000 foram entregues. A presidente enfatizou o número de obras contratadas: mais de 6.400.
As creches são construídas pelas prefeituras com recursos repassados pelo governo federal. Mas o método está sujeito a fraudes, como acabou revelando a própria presidente ao contar um episódio protagonizado por uma prefeitura responsável por três obras. "Um certo cachorro aparecia na foto das três creches; donde a foto em questão não era das três creches, era de uma creche só que ele estava prestando conta", afirmou, para depois concluir: "É interessante essa história do cachorro, porque foi por absoluto acaso que alguém se deu conta que o cachorro era o mesmo", disse ela.
Ainda com a voz rouca por causa do excesso de eventos públicos, Dilma não teve outros compromissos nesta quarta-feira além da entrevista. Ela se poupou para o debate desta quinta-feira, na TV Globo. Com ou sem voz, a presidente garantiu que vai comparecer.

Fonte: VEJA

À CNN, Marina afirma que é vítima de preconceito

Política

À CNN, Marina afirma que é vítima de preconceito 

Candidata disse que pessoas com sua origem 'têm que provar o tempo todo que são inteligentes e competentes para assumir cargos de liderança'

Marina Silva concede entrevista à rede CNN
Marina Silva concede entrevista à rede CNN (Reprodução / CNN/VEJA)
A rede americana CNN exibiu nesta quarta-feira uma entrevista com a candidata do PSB à Presidência, Marina Silva. À jornalista Christiane Amanpour, Marina falou dos ataques de que vem sendo alvo na campanha – e afirmou ser vítima de preconceito por causa de sua origem pobre. “Eu perdi minha mãe com quatorze anos e eu tive que cuidar dos meus sete irmãos. Lutei e continuo lutando, mas eu sempre digo que a educação fez um milagre na minha vida. Tive que enfrentar muitos preconceitos, preconceitos com os quais convivo até hoje. É muito fácil atribuir qualquer opinião para desqualificar uma pessoa com a minha vida.”
Descrita como uma “candidata por acidente”, Marina foi questionada sobre sua queda nas pesquisas de intenção de voto. Afirmou que ainda é cedo para traçar panoramas para o segundo turno. E lembrou que sua campanha começou depois das dos principais concorrentes, após a trágica morte de Eduardo Campos em um acidente aéreo, em 13 de agosto.
Ao tratar sobre sua trajetória de vida, Marina afirmou que se orgulha de suas origens. “Neste momento, há uma campanha de desqualificação do meu trabalho e da minha trajetória de 30 anos de vida pública, em que ninguém pode encontrar uma atitude de preconceito contra quem quer que seja. No entanto, talvez em função da minha religião, eu tenho que pagar um preço muito alto. Pessoas que têm a minha origem têm que provar o tempo todo que são inteligentes e competentes para assumir posições de liderança. Essa trajetória de vida é para mim um motivo de orgulho”.
Questionada sobre sua posição em relação ao casamento gay, Marina falou que seu programa de governo assegura mais direitos à comunidade LGBT do que os de seus concorrentes. Disse que suas propostas defendem a manutenção da atual legislação que garante a união civil entre pessoas do mesmo sexo. Afirmou que “todos os direitos de casais heterossexuais estão assegurados para os homossexuais”.
A jornalista ainda questionou Marina sobre a espionagem americana, que provocou uma crise diplomática entre Brasil e Estados Unidos no ano passado. “O que foi feito nos Estados Unidos espionando outros países e a nossa própria presidente é inaceitável, e deve ser repudiado com toda a veemência. No entanto, é fundamental que se estabeleça um novo padrão para as relações entre os diferentes países, orientados pelo princípio de uma cultura de paz e cooperação, do exercício da liderança fraterna”.
Fonte: VEJA

Dilma, a otimista: política fiscal tem 'desempenho inquestionável'

Contas públicas

Dilma, a otimista: política fiscal tem 'desempenho inquestionável'

Segundo a presidente, a condução das contas públicas é adequada para manter o endividamento baixo

Candidata a reeleição, Dilma Rousseff, durante entrevista coletiva em Brasília/DF - 01/10/2014
Candidata a reeleição, Dilma Rousseff, durante entrevista coletiva em Brasília/DF - 01/10/2014 (Ichiro Guerra/Divulgação)
Um dia depois de o Tesouro Nacional ter anunciado que o Brasil cumpriu apenas 10% da meta de superávit primário no ano, o pior resultado da história, a presidente Dilma Rousseff, que concorre à reeleição pelo PT, defendeu sem meias palavras a política fiscal de seu governo. "Temos tido nessa área desempenho inquestionável", afirmou a presidente.
O resultado primário é a poupança que o governo fez para pagar a dívida pública. Com o governo poupando menos, a relação dívida líquida sobre PIB, que é um dos indicadores de solvência de um país, vem crescendo ao longo deste ano. Em dezembro, a dívida líquida estava em 33,6% do PIB, e fechou agosto a 35,9%. "Essa é uma flutuação. Nós estamos certos que a dívida líquida sobre o PIB fica na mesma faixa e não sai dela", disse a presidente a jornalistas, no Palácio da Alvorada, ao ser questionada sobre o que pretendia fazer para que essa relação voltasse a cair. "Eu não vi ninguém dizer que 35% de dívida líquida (sobre o PIB) seja preocupante nem aqui e nem em lugar nenhum do mundo", acrescentou a petista.
Contas públicas — O resultado fiscal de agosto veio pior do que as expectativas de analistas, que projetavam um resultado negativo de cerca de 9,5 bilhões de reais. No acumulado do ano, a economia feita para o pagamento de juros ficou positiva em apenas 4,68 bilhões de reais, ou 0,14% do Produto Interno Bruto (PIB). A meta era de uma economia de 39,22 bilhões de reais. O valor acumulado no ano é 87,8% menor que no mesmo período de 2013, quando foram economizados 38,42 bilhões de reais (ou 1,22% do PIB).
Com o resultado de agosto, fica praticamente impossível o cumprimento da meta de superávit primário para 2014, que é de 80,77 bilhões de reais, ou 1,55% do PIB. Isso porque o governo teria de economizar em quatro meses 76,1 bilhões de reais a mais do que conseguiu fazer em oito meses. Isso resulta numa economia mensal de 19 bilhões de reais — marca que nenhum governo brasileiro jamais conseguiu alcançar.
(Com Reuters)

Fonte: VEJA

Procurador-geral vai apurar fala de Levy Fidelix sobre gays

Eleições 2014

Procurador-geral vai apurar fala de Levy Fidelix sobre gays

Para Rodrigo Janot, liberdade de expressão não pode ser utilizada para propagação de discursos de ódio contra os homossexuais

O candidato do PRTB à Presidência da República, Levy Fidelix, chega para debate promovido pela Rede Record neste domingo (28), em São Paulo
O candidato do PRTB à Presidência da República, Levy Fidelix, chega para debate promovido pela Rede Record neste domingo (28), em São Paulo (Felipe Cotrim/VEJA.com)
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, abriu procedimento para investigar se o candidato do PRTB à Presidência, Levy Fidelix, cometeu crime em suas declarações sobre homossexuais durante debate veiculado no domingo passado, pela TV Record.
O procedimento preparatório eleitoral foi instaurado com base em representação da Comissão Especial de Diversidade Sexual da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) levada à Procuradoria-Geral Eleitoral.
Janot destaca que "ser contra homossexuais e suas práticas ou contra a união entre eles é opinião que se insere na proteção da liberdade de expressão", mas ressalta que da fala de Fidelix "decorre convite à intolerância e à discriminação, permitindo, em princípio, sua caracterização como discurso mobilizador de ódio".
As declarações de Levy Fidelix foram amplamente noticiadas pela imprensa e o Ministério Público Federal recebeu também representações de cidadãos sobre o assunto, aponta a Procuradoria-Geral.
Nas palavras de Janot, a liberdade de expressão da opinião não pode ser utilizada para propagação de discursos de ódio. O procurador menciona que após o debate, o candidato se manifestou de forma semelhante a outros órgãos da imprensa.
"Surge relevante a apuração dos fatos noticiados pela grande mídia, tendo em conta os limites à liberdade de opinião, direito fundamentais que como todos os demais não é absoluto", escreveu o procurador. Levy terá 24 horas para se manifestar sobre o caso.
(Com Estadão Conteúdo)
Fonte: VEJA

PSDB reúne provas para pedir cassação da candidatura de Dilma

Política

PSDB reúne provas para pedir cassação da candidatura de Dilma

Tucanos vão recorrer ao TSE e ao MP por investigação para que se apure se os Correios boicotaram deliberadamente envio de malotes de campanha de Aécio

Laryssa Borges, de Governador Valadares (MG)
O presidenciável Aécio Neves (PSDB) faz campanha em Minas ao lado de Pimenta da Veiga e Anastasia, candidatos ao governo e senado pelo Estado
O presidenciável Aécio Neves (PSDB) faz campanha em Minas ao lado de Pimenta da Veiga e Anastasia, candidatos ao governo e senado pelo Estado (Divulgação)
Depois de anunciar que acionarão a Justiça por uma investigação rigorosa sobre indícios da utilização dos Correios em benefício da campanha da presidente-candidata Dilma Rousseff, o candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, e o candidato tucano ao governo de Minas Gerais, Pimenta da Veiga, começaram a reunir provas para pedir a cassação dos registros de candidatura da petista e do candidato do PT ao governo de Minas, Fernando Pimentel.
Os tucanos vão recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com um pedido de investigação judicial eleitoral e ao Ministério Público Federal para que as duas instituições apurem se os Correios boicotaram deliberadamente o envio de malotes de campanha de Aécio como forma de favorecer a presidente-candidata na corrida presidencial.
As denúncias levantadas pelos tucanos levam em conta depoimentos de eleitores que não receberam material de campanha de Aécio mesmo após o candidato ter contratado o serviço, no dia 25 de agosto. Neste contrato, estava prevista a distribuição de 5.634.000 santinhos de Aécio no interior de Minas, base de apoio do candidato e colégio eleitoral considerado prioritário para a candidatura tucana. Pelo documento, os kits de campanha deveriam ser entregues até o dia 10 de setembro e, em alguns casos, a 100% da população de cidades pequenas e médias em Minas, como o município de Esmeraldas, com cerca de 60.000 habitantes.
O corpo jurídico da campanha de Aécio já conseguiu mapear pelo menos 1.000 endereços, contratados como destino dos malotes pelo tucano, em que eleitores confirmam que não receberam qualquer material de campanha do PSDB. A campanha reúne depoimentos e dados pessoais dos eleitores supostamente lesados pelos Correios, para embasar os pedidos de cassação dos registros de candidatura. De acordo com o candidato Aécio Neves, que cumpriu agenda nesta quarta-feira nas cidades de Mogi das Cruzes (SP), Juiz de Fora (MG) e Governador Valadares (MG), uma das provas seria a afirmação dos Correios de que poderiam “reenviar” o material. Para ele, isso seria a admissão de que a empresa pública reteve os kits de campanha e não os distribuiu aos eleitores, conforme contratado. Com base nesses indícios, a campanha do PSDB aponta que já existem evidências de abuso de poder político e econômicos, desvio da autoridade dos Correios e utilização de empresa pública em benefício de partidos e candidatos.
Antes de carreata na cidade de Governador Valadares, Aécio insinuou que as suspeitas de uso político dos Correios são como um novo capítulo de um grande esquema de desvirtuamento de instituições públicas, a exemplo do que já aconteceu com a descoberta de um esquema milionário de corrupção na Petrobras. “As denúncias em relação à utilização da empresa dos Correios são extremamente graves. Estamos recebendo centenas de denúncias. Se se comprovar isso, é um crime sem precedentes na história política de Minas”, disse.
“É um escândalo. Agora são os Correios. Antes era a Petrobras”, criticou o candidato do PSDB ao governo de Minas. O tucano, que foi ministro das Comunicações no governo FHC e, portanto, hierarquicamente superior aos Correios, disse que há evidências de “uso despudorado” da empresa pública para fins eleitorais.
O tom das acusações do PSDB sobre a estatal subiu após divulgação de vídeo, pelo jornal O Estado de S. Paulo, em que o deputado estadual Durval Ângelo (MG) diz que a presidente-candidata Dilma Rousseff só chegou à liderança nas intenções de voto porque “tem dedo forte dos petistas nos Correios”.  “Não basta fazerem o que fizeram na Petrobras. Essa forma de governar do PT, se apropriando do Estado como se fosse seu patrimônio, tem que ser encerrada e os responsáveis exemplarmente punidos”, afirmou Aécio em agenda na cidade de Juiz de Fora
Fonte: VEJA

Sindicato Apeoc declara apoio a candidaturas de Camilo Santana e Mauro Filho

DIÁRIO DO CANDIDATO
Sindicato Apeoc declara apoio a candidaturas de Camilo Santana e Mauro Filho

“Sou candidato para garantir os avanços e corrigir o que não está funcionando. Temos compromisso com a educação. A carreira de professor é importantíssima, até porque todas as outras passam por ela”. Com estas declarações, o candidato a governador pela coligação “Para o Ceará seguir mudando”, Camilo Santana, recebeu, nesta quarta-feira (01), o apoio da diretoria do sindicato Apeoc (Associação dos Professores de Estabelecimentos Oficiais do Ceará).

O anúncio do apoio da Apeoc às candidaturas de Camilo e Mauro Filho (senador) se deu durante encontro da diretoria do sindicato com os candidatos, na sede do comitê central da coligação.

Durante o encontro, o presidente do sindicato, Anízio Melo, fez um panorama das ações na área de educação nos governos Lula e Dilma, no plano federal, e Cid Gomes, em âmbito estadual.

Avanços na educação
Anízio Melo destacou que o Ceará foi um dos Estados que obteve mais avanços na remuneração dos professores, destacando leis estaduais que asseguraram valorização salarial aos docentes. “O momento é de avançar em torno de algumas lutas, como, por exemplo, a destinação integral dos royalties do pré-sal para a educação”, defendeu o dirigente sindical.

Após receber formalmente a pauta de reivindicações da Apeoc, Camilo assegurou que pretende buscar mais recursos junto ao Governo Federal para a valorização dos professores junto à presidenta Dilma Rousseff, à frente do Governo do Estado, a partir de 2015. “É hora do movimento sindical e popular ir às ruas para que tenhamos uma grande vitória nestas eleições”, conclamou Camilo aos dirigentes do sindicato.

Também participaram do encontro o deputado estadual Nelson Martins e o sociólogo Élcio Batista, da coordenação do Plano de Governo.

* Com informações da coligação "Para o Ceará Seguir Mudando"


Fonte: http://www.cearanews7.com.br/ver-noticia.asp?cod=20732

Ceará é um dos estados com Lei Seca nas eleições 2014

PROIBIÇÃO
Ceará é um dos estados com Lei Seca nas eleições 2014

A proibição de venda e consumo de bebidas alcoólicas, mais conhecida como Lei Seca, vai ser aplicada de forma obrigatória em todo o Brasil nos dias de eleições.

A aplicação da medida, que busca garantir a segurança durante o período de votação tem ficado a cargo de cada estado, que publica uma portaria com os critérios de vigência da restrição.

No Ceará a venda e o fornecimento de bebidas alcoólicas está proibida das 0h às 18h nos dias 5 e 26 de outubro.


fonte: http://www.cearanews7.com.br/ver-noticia.asp?cod=20735

Polícia encontra dinheiro e material de campanha em veículo que seguia para Sobral

ENCOMENDA SUSPEITA
Polícia encontra dinheiro e material de campanha em veículo que seguia para Sobral
Empresário abordado em blitz da PRF saiu de Fortaleza levando R$ 66 Mil em cédulas trocas.

Fotos: Polícia Rodoviário Federal 
Nesta quarta-feira (01), no primeiro dia da operação realizada pela Polícia Rodoviário Federal para repressão a crimes eleitorais, uma blitz montada no km 21 da BR 222 abordou um motorista em atitude suspeita. Tiziano Moura Belchior, que conduzia o veículo I/Toyota Hilux SW4, placa NQZ-4004/CE, seguindo de Fortaleza com destino a Sobral, levava no veículo a quantia de R$ 6.000,00 em cédulas trocadas e diversos adesivos do candidato Antônio Balhmann (PROS), que concorre à reeleição como deputado federal.

Percebendo a atitude suspeita do motorista ao ser questionado sobre o material, os agentes continuaram vistoriando o veículo e encontraram, guardado em uma mochila no compartimento de carga, um envelope com R$ 60.000,00, também em cédulas trocadas.

Tiziano Moura, que se declarou empresário, disse aos policiais que os R$ 6.000,00 seriam usados no pagamento de despesas médicas de sua noiva, que se encontra hospitalizada, além de gastos pessoais. Já os R$ 60.000,00, oriundos de sua empresa, seriam aplicados na compra de um imóvel.

O motorista, junto com o material suspeito encontrado no veículo, foram levados ao encontro do procurador regional eleitoral Rômulo Conrado, que ficará responsável pela apuração do caso.



Fonte: http://www.cearanews7.com.br/ver-noticia.asp?cod=20734

Na reta final, candidatos ao governo no Ceará exibem mensagem de Lula na TV

PROGRAMA ELEITORAL
Na reta final, candidatos ao governo no Ceará exibem mensagem de Lula na TV
Como os candidatos que polarizam a eleição local são de siglas aliadas ao Planalto, Lula e a presidente Dilma Rousseff (PT) não gravaram depoimentos para nenhum dos dois.

Os dois principais candidatos ao governo do Ceará exibiram nesta quarta-feira (1º) depoimentos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no último dia de propaganda política na disputa nos Estados.
A campanha de Camilo Santana (PT), apoiada pelo atual grupo no poder no Ceará, dos irmãos Cid e Ciro Gomes (Pros), veiculou uma fala genérica de Lula pedindo votos "ao 13", sem citar o nome de Camilo. A imagem apareceu logo após declaração de apoio do ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral). O senador Eunício Oliveira (PMDB) também trouxe um trecho de discurso em que Lula o elogia pela sua passagem como ministro das Comunicações. Eunício exerceu o cargo entre 2004 e 2005, no governo do petista.

Na tarde desta quarta (1°), a Justiça Eleitoral indeferiu o pedido dos advogados de Camilo para impedir que a propaganda de Eunício veicule imagens com Lula e Dilma em cartazes e placas.
De acordo com a decisão, é "possível que um filiado a determinado partido opte por dar apoio a candidatura de outra agremiação política, inclusive adversário ao da sua na corrida eleitoral".

Como os candidatos que polarizam a eleição local são de siglas aliadas ao Planalto, Lula e a presidente Dilma Rousseff (PT) não gravaram depoimentos para nenhum dos dois (ao contrário do que ocorreu em outros Estados nordestinos, como Bahia, Pernambuco e Alagoas).

Na única visita de Dilma ao Ceará, no início de setembro, assessores entraram em campo para barrar a presença de Eunício e Camilo no evento, como forma de não contrariar os candidatos.
Eunício diz ter firmado acordo com Lula antes do início da campanha para não interferir na disputa. O senador é líder do PMDB no Senado --partido que tem a maior bancada na Casa.
Eunício e Camilo estão tecnicamente empatados na disputa ao governo do Ceará, segundo pesquisa Datafolha divulgada nesta quarta (30). O peemedebista tem 39% das intenções de voto, ante 37% do petista. Eliane Novais (PSB) e Aílton Lopes (PSOL) somam 1% cada um.

* Com informações da Folhapress


Fonte: http://www.cearanews7.com.br/ver-noticia.asp?cod=20730