Buscar

01 outubro 2014

Lideranças se reuniram em Itapiúna para afirmar apoio a Thiago Campelo e Mauro Benevides

Lideranças se reuniram em Itapiúna para afirmar apoio a ‪#‎ThiagoCampelo77000‬ ‪#‎MauroBenevides1555‬‪#‎Camilo13Governador‬,‪#‎Mauro900Senador‬ ‪#‎Dilma13‬. É a arrancada pra vitória!
A aliança em apoio às candidaturas de Thiago Campelo pra deputado estadual 77000 e Mauro Benevides 1555, federal, foi reforçada nesta terça-feira em ato político no município de Itapiúna. O ex-candidato a prefeito Átila Medeiros, a vereadora Érika Medeiros e ex-prefeita Marilene Campelo, secretária de Saúde e lideranças locais, no comitê
de Thiago, renovaram a parceria com Mauro Benevides, que na ocasião apresentou a sua prestação de contas a população.


Com informaçoes do Facebook de Thiago Campelo

Falsas capas de revistas buscam denegrir imagem de Camilo e Eunício

O Escândalo da Petrobras é utilizado em ambas as capas falsas

Quanto maior a proximidade do dia da eleição, maior a chance de o eleitor se deparar com lamentáveis estratégias na busca pelo voto. Neste sentido, já circulam nas redes sociaisfalsas capas de revista – ambas de circulação nacional – que buscam difamar os dois candidatos de maior coligação na disputa do Ceará: Camilo Santana (PT) e Eunício Oliveira (PMDB).

Em ambas as mensagens, são criados episódios fictícios que buscam atingir e denegrir a imagem dos candidatos. Nos dois casos, o chamado Escândalo da Petrobras – que vem atingindo o auge de sua repercussão durante a campanha deste ano – é utilizado para atacar os postulantes.

No caso de Eunício Oliveira, uma montagem que simula capa da revista Carta Capital indica “risco” de o candidato ser afastado de um eventual governo por envolvimento no escândalo.
Já simulação da revista Veja vai mais longe, afirmando que dinheiro desviado do esquema financiaria campanha de Camilo Santana no Estado. Ambas as edições são falsas.

Campanha de Camilo contra-ataca e leva patrimônio de Eunício à TV


A propaganda eleitoral do candidato ao governo Camilo Santana (PT) exibe, a partir desta terça-feira, 30, uma inserção de 18 segundos na televisão na qual evidencia o aumento do patrimônio do senador Eunício Oliveira (PMDB) em um período de três anos e meio.
O vídeo traz o valor declarado pelo candidato do PMDB em 2014 em comparação com o valor divulgado pelo Tribunal superior Eleitoral (TSE) em 2010. 

"Em 2010 Eunício declarou um patrimônio de 36 milhões de reais. Em 2014, três anos e meio depois de se eleger senador, Eunício declarou 99 milhões. O que você acha disso?", diz o texto do vídeo. 

O contra-ataque veio depois que a Justiça Eleitoral suspendeu, na última segunda-feira, 29, o programa do senador que vinculava Camilo ao chamado “Escândalo dos Banheiros”. O juiz auxiliar da Propaganda Eleitoral no Ceará, Antônio Sales de Oliveira, concluiu que foram utilizados “meios publicitários para criar artificialmente juízo de valor negativo” ao candidato.

Em uma segunda inserção, a campanha do petista pede que o eleitor se informe antes de votar. "Antes de votar pesquise na internet: Eunício, Licitação e Petrobras. Saiba a verdade sobre as notícias nas quais ele aparece. Informe-se antes de votar".

Os candidatos ao governo do Ceará participam do último debate do primeiro turno na noite desta terça-feira, 30.

Presidente da OAB-DF nega registro de advogado para Joaquim Barbosa

Joaquim Barbosa se aposentou em junho deste ano

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF),Joaquim Barbosa, teve seu pedido de reativação doregistro de advogado negadopela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Distrito Federal. A informação é do jornal Correio Braziliense, que afirma que críticas do ex-ministro à categoria dos advogados teriam motivado a negativa. Segundo o órgão, Barbosa não possuiria“idoneidade moral” para exercer a função.

Sem o documento, Barbosa não poderá exercer a advocacia. A resposta teria sido dada pelo presidente da OAB do Distrito Federal, Ibaneis Rocha Barros, na última sexta-feira. Apesar da negativa, Joaquim Barbosa ainda poderá requerer registro de advogado à Comissão de Seleção da OAB local.
Em sua decisão, o presidente da OAB-DF cita frases de Joaquim Barbosa sobre a categoria: "Mas a maioria dos advogados não acorda lá pelas 11 horas mesmo?", disse em 2013. Ibaneis Rocha destaca ainda que o ex-ministro teria prejudicado atuação de advogados.
Em quase 12 anos como ministro do Supremo, Joaquim Barbosa teve papel de destaque em vários dos julgamentos mais polêmicos do órgão. Ele foi relator, por exemplo, do processo do Mensalão, onde ficou popular pelo forte rigor aplicado em seus votos.

Microsoft apresenta prévia do Windows 10, que chega ao mercado em 2015

Software

Microsoft apresenta prévia do Windows 10, que chega ao mercado em 2015

Versão do sistema operacional é primeira lançada na gestão do CEO Satya Nadella

Claudia Tozetto
Foto 1 / 8
AMPLIAR FOTOS
Apresentação do Windows 10, novo sistema operacional da Microsoft
Apresentação do Windows 10, novo sistema operacional da Microsoft - The Verge/Reprodução
A Microsoft revelou nesta terça-feira os primeiros detalhes da nova versão de seu sistema operacional, o Windows 10. Com a atualização, a empresa afirma que "reconstruiu o novo sistema desde o princípio para o mundo móvel e de computação em nuvem" e que a base única da nova versão do Windows permitirá que ele funcione "em uma variedade ampla de dispositivos", desde smartphones até computadores. A versão final do sistema para usuários domésticos deve ser liberada pela empresa apenas no final de 2015.
A nova versão vai substituir o Windows 8, lançado no final de 2012. Com o anúncio, a empresa "pulou" o Windows 9, nome esperado por analistas para a nova versão. Durante o evento, os executivos da empresa revelaram poucos detalhes sobre o porquê da escolha. "Quando o produto completo estiver pronto, acreditamos que vão concordar que Windows 10 é um nome mais apropriado", disse Terry Myerson, vice-presidente de sistemas operacionais da Microsoft.
Ao contrário do Windows 8, que chegou com design e funcionalidades totalmente diferentes das versões anteriores, o Windows 10 mescla funcionalidades do Windows 7 e do Windows 8, o que indica a intenção da Microsoft de tornar as mudanças no sistema menos radicais para os usuários, em especial os corporativos. A nova versão marca o retorno do botão "Iniciar" em sua forma original, com acesso aos últimos programas e documentos usados, assim como a funções como "Desligar". O menu "Iniciar" também ganhou uma área que apresenta notificações de apps instalados na nova interface do Windows 8.
O sistema também "emprestou" recursos do MacOS X, sistema operacional da Apple para computadores. Agora, é possível criar múltiplas áreas de trabalho e alternar entre elas. Além disso, assim como usuários da Apple, quem utilizar o Windows 10 poderá baixar apps para computadores, smartphones e tablets a partir de uma mesma loja virtual. A Microsoft afirma que vai detalhar a nova política para desenvolvimento de aplicativos apenas em abril de 2015, durante sua conferência anual para desenvolvedores, a Build.
Os recursos do Windows 10 apresentados pela Microsoft durante o evento são apenas uma prévia dos recursos que a nova versão deve apresentar. Eles podem sofrer alterações ao longo do desenvolvimento do produto. A empresa anunciou que vai iniciar nesta quarta-feira o Windows Insider Program, que permitirá que usuários do sistema possam ter acesso à versão do sistema em desenvolvimento e enviar sugestões para a Microsoft até o lançamento da nova versão. É a primeira vez que a Microsoft receberá sugestões dos usuários sobre uma nova versão do Windows do longo do período de desenvolvimento.

Os cinco maiores desafios da Microsoft

1 de 5

Ganhar relevância no mercado móvel

Embora tenha sido pioneira na oferta de e-mail pelo celular, a Microsoft demorou a reagir à ascensão dos dispositivos móveis. Em 2007, com a chegada do iPhone, Steve Ballmer, CEO da empresa à época, chegou a desdenhar do produto. A Microsoft só direcionou esforços para reagir em 2010, quando lançou o Windows Phone. Ela fez uma parceria estratégica com a Nokia no ano seguinte para competir com iPhone e Android, mas os resultados são modestos: segundo a consultoria Strategy Analytics, o Windows Phone está presente em apenas 3,2% dos smartphones vendidos globalmente no último trimestre de 2013.

As cinco principais dúvidas sobre o fim do Orkut

Redes sociais

As cinco principais dúvidas sobre o fim do Orkut

Descubra como fazer download do perfil, migrar para o Google+ e deixar os games da rede social sem perder os créditos

Orkut chega ao fim
Página do Orkut em 2009. Para muitos brasileiros, foi a primeira porta de entrada para a internet (Reprodução/VEJA)
O Google anunciou nesta segunda-feira que vai desativar o Orkut no final de setembro. Os usuários da rede social, que entrou em declínio após a chegada do Facebook, foram pegos de surpresa, mesmo aqueles que abandonaram seus perfis há anos. Com tantas lembranças publicadas no serviço, como mensagens, depoimentos de amigos, fotos e interações com outros usuários em comunidades, muita gente está com receio do destino que todo este conteúdo terá após o fim da rede social.
O Google já informou que os usuários poderão fazer download de todas as suas informações do Orkut até setembro de 2016. Contudo, ainda há muitas dúvidas sobre o que vai acontecer com as comunidades, aplicativos e jogos baseados na plataforma. Confira, na lista abaixo, as respostas às principais questões sobre o fim da rede social:

As cinco principais dúvidas sobre o fim do Orkut

1 de 5

O que vai acontecer com as comunidades?

Após 30 de setembro, data do fim do Orkut, os usuários não poderão mais acessar seus perfis e, portanto, também estarão impedidos de interagir com outras pessoas por meio das comunidades. No entanto, elas continuarão visíveis na web e formarão uma espécie de “museu on-line” do Orkut, que ainda não tem endereço definido. Os visitantes poderão navegar nas mensagens de todos os usuários do Orkut: se não quiser que leiam suas mensagens, é possível excluir o Orkut de sua conta no Google.

Delcídio é investigado no STF por cobrar comissão por emendas liberadas no Senado

Mato Grosso do Sul

Delcídio é investigado no STF por cobrar comissão por emendas liberadas no Senado

Inquérito apura se candidato do PT ao governo do Mato Grosso do Sul pôs à venda o posto de suplente em sua chapa ao Senado nas eleições de 2010 – e se, já eleito, cobrava comissão de empresas pelas emendas que conseguia aprovar

Gabriel Castro e Silvio Navarro
SUSPEITA – O candidato do PT ao governo de Mato Grosso de Sul, Delcídio do Amaral, em campanha ao lado do ex-presidente Lula: Supremo investiga denúncia de que ele cobraria comissão sobre suas emendas parlamentares e teria tentado vender a vaga de suplente em sua chapa na disputa de 2010 pelo Senado
SUSPEITA – O candidato do PT ao governo de Mato Grosso de Sul, Delcídio do Amaral, em campanha ao lado do ex-presidente Lula: Supremo investiga denúncia de que ele cobraria comissão sobre suas emendas parlamentares e teria tentado vender a vaga de suplente em sua chapa na disputa de 2010 pelo Senado (Ricardo Stuckert/Divulgação)
O senador Delcídio Amaral (PT) pode ser eleito governador de Mato Grosso do Sul já no próximo domingo. Segundo as pesquisas, ele tem uma boa vantagem sobre os adversários e chances reais de liquidar a disputa no primeiro turno. O parlamentar petista é respeitado até mesmo pela oposição: foi ele quem conduziu a CPI dos Correios, que investigou o escândalo do mensalão em 2005. Mas um escândalo ronda a campanha do senador. Corre em segredo de Justiça, com autorização do Supremo Tribunal Federal (STF), um inquérito que apura se Delcídio pôs à venda, por 5 milhões de reais, o posto de suplente em sua chapa ao Senado nas eleições de 2010 – e se, já eleito senador, ele cobrava comissão de empresas pelas emendas que conseguia aprovar (as emendas destinam dinheiro do governo federal para obras nos estados).
O nome de Delcídio surgiu na Operação Uragano, da Polícia Federal, que desmontou, em 2010, a máfia instalada na prefeitura de Dourados (MS). O senador não era alvo daquelas investigações. Mas, diante das menções ao seu nome em escutas feitas pela PF, o material foi enviado à Procuradoria Geral da República, uma vez que Delcídio tem direito a foro privilegiado. O procurador-geral, Rodrigo Janot, considerou que havia indícios suficientes para o início de uma investigação e encaminhou o caso ao STF, em setembro do ano passado. No mês seguinte, o ministro Luís Roberto Barroso concordou com os argumentos e determinou a instalação do inquérito. "Presentes os elementos indiciários mínimos da ocorrência do fato e de eventual autoria por pessoa com foro por prerrogativa de função perante esta Corte, determino o prosseguimento do inquérito", afirmou ele em sua decisão.
Procurada pela reportagem de VEJA.com, a assessoria de Delcídio afirmou que, durante a Operação Uragano, todos os depoentes inocentaram o senador quando interrogados. Sua campanha credita a acusação à articulação de adversários políticos.
Comissões – Um dos diálogos que integram o inquérito, reproduzido no parecer de Janot, mostra uma conversa entre Jorge Hamilton Torraca, então diretor de Obras de Dourados (MS), e Eleandro Passaia, que era secretário de Comunicação e delatou o esquema na cidade. Ambos falam sobre a comissão cobrada em empreendimentos feitos com recursos federais.
"O Delcídio não sabe que é 10%, por que ele quer só cinco? Ele é bonzinho demais"?, pergunta Passaia. "Não", diz Torraca, antes de iniciar uma explanação sobre a dificuldade de obter comissões altas em determinados tipos de obras.
"Aquelas casas que a Engepar está fazendo para o PAC [sic] dá 2% só porque não compensa, o custo não dá. (...). Estou numa briga para dar quatro, 5%. Já emenda de asfalto e drenagem dá para dar até dez sem problema nenhum", diz Torraca.
A conversa continua com uma menção ao então prefeito Ari Artuzi, que chegou a ser preso e morreu no ano passado: "A prefeitura vai pagar. Então, teoricamente, foi dividido e acertado esse negócio. Aí tem umas emendas do Delcídio..."  
 
"Aí o Delcídio fica com cinco e o Ari com cinco?", pergunta Passaia. Torraca confirma: "É." O colega prossegue: "De todos os 35 milhões?". Resposta: "Agora, é", diz o diretor de Obras.
Como aponta o inquérito, a comissão de 5% para o petista também foi mencionada em outra conversa: entre o empresário Eduardo Uemura, influente na prefeitura local, e Eleandro Passaia. No diálogo travado em 29 de junho de 2010, eles comentam que Delcídio teria reclamado por não ter recebido 75 000 reais cobrados de uma emenda de 1,5 milhão de reais destinada à compra de máquinas. Passaia também afirma que Delcídio e o então prefeito dividiram os 10% de comissão sobre uma obra de drenagem cujo valor era de 35 milhões de reais. 
Suplência – Em outro diálogo, Uemura disse que Delcídio negociou por 5 milhões de reais uma vaga de suplente em sua chapa. O próprio Uemura teria participado das negociações para que sua mãe, Helena Uemura, assumisse o lugar, mas as tratativas não avançaram por causa do valor considerado alto. Na conversa, Uemura afirma que a suplência era valiosa porque o petista deixaria o Senado para assumir um ministério ou se candidataria ao governo de Mato Grosso do Sul neste ano – a segunda hipótese se confirmou. "E se ele não for ministro?", indaga o interlocutor. O empresário responde que "ele tira na obra", o que aparentemente significa que o dinheiro pago pela suplência seria compensado com desvio de dinheiro de obras. 
VEJA

Datafolha: Aécio encosta em Marina no 2º lugar

Eleições 2014

Datafolha: Aécio encosta em Marina no 2º lugar

Levantamento mostra a presidente-candidata Dilma Rousseff na liderança, com 40% das intenções de votos; diferença de Aécio e Marina caiu para 5 pontos

Presidenciáveis, Dilma Rousseff (PT), Marina Silva (PSB) e Aécio Neves (PSDB)
Presidenciáveis, Dilma Rousseff (PT), Marina Silva (PSB) e Aécio Neves (PSDB) (Felipe Cotrim/VEJA.com)
Pesquisa Datafolha divulgada nesta terça-feira, a cinco dias das eleições, mostra que o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, mantém sua trajetória ascendente e agora está a cinco pontos da segunda colocada, Marina Silva (PSB), cuja candidatura segue em rota de queda. Segundo o instituto, o tucano marca 20% (tinha 18% na rodada anterior), e a ex-senadora, 25% (tinha 27%). Há um mês, logo após Marina entrar na corrida, a diferença entre os dois era de 20 pontos porcentuais.
A presidente-candidata Dilma Rousseff (PT) mantém a dianteira, com 40% das intenções de votos, mesmo índice divulgada no último dia 26. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.
De acordo com a sondagem, encomendada pelo jornal Folha de S.Paulo e pela TV Globo, Dilma também abriu oito pontos de vantagem na simulação de um eventual segundo turno contra Marina – 49% a 41%, ante 47% a 43% na rodada passada. Se o adversário no segundo turno fosse Aécio, Dilma venceria por 50% a 41%.
O instituto ouviu 7.520 eleitores em 311 municípios, nos dias 29 e 30 de setembro. O número de registro na Justiça Eleitoral é BR-00905/2014. O Datafolha divulgará duas novas pesquisas até as eleições de domingo, na próxima quinta-feira e no sábado.
DataFolha/Reprodução 

Datafolha/O Povo mostra Tasso Jereissati com 58% e Mauro Filho 21%

PESQUISA
Datafolha/O Povo mostra Tasso Jereissati com 58% e Mauro Filho 21%

Pesquisa Datafolha contratada pelo jornal O Povo, mostra o candidato do PSDB, Tasso Jereissati, na liderança da disputa ao Senado Federal, seguido de Mauro Filho (PSB) com 21%. Confira os números abaixo:

Tasso Jereissati (PSDB) - 58%
Mauro Filho (PSB) - 21%
Raquel Dias (PSTU) - 1%
Geovana Cartaxo (POL) - 1%
Em branco/nulo/nenhum - 7%
Não Sabe - 12%

A pesquisa ouviu 1,28 mil eleitores entre os dias 29 e 30 de setembro e  está registrada com os números CE-00025/2014 e BR-00905/2014. /.


Fonte: http://www.cearanews7.com.br/ver-noticia.asp?cod=20704

O que é permitido e o que é proibido fazer durante as eleições

CERTO E ERRADO
O que é permitido e o que é proibido fazer durante as eleições

No domingo (5), 142,8 milhões de brasileiros poderão votar para presidente da República, governador, senador, deputado federal e deputado estadual ou distrital. No Senado, um terço das vagas (27, de um total de 81) está em disputa: cada estado e o Distrito Federal elegerão um senador, com mandato de 8 anos. Na Câmara, a eleição é para todas as 513 cadeiras. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) estima que a totalização dos votos da maior parte das urnas será finalizada poucas horas após o encerramento da votação, o que significa que alguns resultados poderão ser conhecidos ainda no domingo. O segundo turno está marcado para 26 de outubro.

Veja no infográfico o que é permitido e proibido durante as eleições de domingo, da campanha nas ruas até a cabine de votação.

* Com informações da Agência Senado
http://www12.senado.gov.br/noticias/materias/2014/09/29/info_eleicao.jpg





Fonte: http://www.cearanews7.com.br/ver-noticia.asp?cod=20697

Bancários fecham 272 agências no primeiro dia de greve no Ceará

GREVE
Bancários fecham 272 agências no primeiro dia de greve no Ceará

O primeiro dia de greve da categoria bancária em Fortaleza começou forte nessa terça-feira (30), tanto nos bancos públicos como nos bancos privados, quando foram paralisadas 272 agências em todo o Estado. A informações é do Sindicato dos Bancários do Ceará. De acordo com seus representantes, a categoria aderiu em massa ao movimento como forma de pressionar banqueiros e governo a atender as reivindicações apresentadas durante um mês e meio em mesa de negociação e até o momento sem respostas.

A força da categoria já arrancou uma proposta com aumento real somente com a deliberação da greve no último dia 24/9. Em negociação realizada no sábado, 27/9, os banqueiros ofereceram 7,35% de reajuste, proposta considerada ainda insuficiente pelo Comando Nacional dos Bancários.

“O que nós estamos cobrando nessa campanha salarial é que os banqueiros atendam nossas reivindicações econômicas, mas também todo o conjunto da pauta que aborda melhores condições de trabalho para a categoria e um melhor atendimento à sociedade. Pedimos o apoio e a solidariedade de todos, pois se nesse momento a população enfrenta dificuldades no atendimento nos bancos, esta já passou o ano inteiro nesse sofrimento. Muitas vezes não é permitido sequer que o usuário possa entrar na agência, pois os bancos empurram a população para ser atendida em correspondentes bancários”, destacou Marcos Saraiva, diretor do Sindicato e empregado da Caixa Econômica Federal.

“Os bancários foram à greve unicamente por culpa dos banqueiros, pois antes de paralisarmos as agências, insistimos em mesa de negociação para que fossem atendidas nossas reivindicações  e, por pura intransigência dos banqueiros, o único meio que nos restou foi paralisar as atividades no Brasil inteiro para arrancar nossas conquistas”, completou Áureo Júnior, presidente da Apcef/CE e diretor do Sindicato.

O presidente do Sindicato dos Bancários, Carlos Eduardo Bezerra, também culpou a intransigência dos banqueiros pela greve e destacou as péssimas condições de trabalho a que os bancários estão submetidos. “É inadmissível que o setor que mais lucra nesse País aposte no confronto com os trabalhadores, submetendo a população à interrupção das atividades e pagando para ver a força que a categoria bancária tem para se defender. O atendimento é muito ruim pela condição precária de trabalho, pela escassez de funcionários nas agências, sobrecarregando quem fica nos locais de trabalho, causando adoecimento, precarizando o atendimento e criando um caos que se vê dia-a-dia nas agências”, concluiu.

Entre as principais reivindicações dos bancários estão o reajuste salarial de 12,5% e a valorização do piso para R$ 2.979,25, valor equivalente ao salário mínimo calculado pelo Dieese. Os bancários também têm reivindicações que visam proteger o emprego, acabar com a terceirização e melhorar as condições de trabalho e saúde, como o combate às metas abusivas e ao assédio moral.

Depois de oito rodadas de negociação, os bancos só ofereceram 7,35% de reajuste (0,94% de aumento real) no salário, na PLR e nos auxílios, além de 8% (1,55% acima de inflação) de aumento no piso. A proposta dos bancos não atende nenhuma reivindicação sobre emprego, saúde, segurança, condições de trabalho e outras importantes demandas dos bancários.

* Com informações do Sindicato dos Bancários do Ceará

Fonte: http://www.cearanews7.com.br/ver-noticia.asp?cod=20699

TSE recebeu três representações por homofobia contra Levy Fidelix

LEIÇÕES
TSE recebeu três representações por homofobia contra Levy Fidelix

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pode julgar, ainda hoje (30), os pedidos de direito de resposta ajuizados contra o candidato à Presidência da República, Levy Fidelix (PRTB). Com menos de 1% da intenção de votos segundo as últimas pesquisas, Fidelix é acusado de homofobia durante debate entre os presidenciáveis, nesse domingo (28).

Defensores dos direitos LGBT acusam o candidato de ter incitado o ódio contra lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis ao explicar porque é contrário ao casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Três representações contra o candidato foram protocoladas no TSE. A primeira, ajuizada pela Comissão Nacional da Diversidade Sexual da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), requer que parte do tempo de propaganda eleitoral gratuita a que o candidato tem direito seja destinada para que entidades de defesa da comunidade LGBT se manifestem sobre as declarações de Fidelix. A OAB também pede a cassação do registro de  sua candidatura. (Agência Brasil.).




Fonte: http://www.cearanews7.com.br/ver-noticia.asp?cod=20688

Pesquisa DataFolha traz Eunício com 39% e Camilo Santana com 37%


Pesquisa O Povo/DataFolha, há cinco dias da eleição, registra empate técnico entre os candidatos ao governo do Estado Eunício Oliveira (PMDB), com 39% das intenções de votos, e Camilo Santana (PT), com 37%. O peemedebista, dentro da margem de erro, fica entre 36% e 42%, enquanto o rival tem entre 34% e 40%. Ailton Lopes (PSOL) e Eliane Novais (PSB) empataram com 1%.

Na consulta estimulada, às vésperas da eleição, os indecisos ainda somam 14%. Mas o percentual é bem maior na consulta espontânea, onde os eleitores não têm acesso à lista de candidatos, chegando a 37%, pouco mais de um terço do total de pessoas entrevistados. A indecisão do eleitorado pode acabar beneficiando o candidato Eunício, que, considerando apenas os votos válidos, chega a 50%, contra 47% de Camilo. 

Mesmo com tão pouca diferença entre os dois candidatos, a eleição pode ser definida no primeiro turno, uma vez que, para o resultado final, só são considerados os votos válidos e que, se um candidato alcançar 50% dos votos mais um, ele é eleito. Os votos válidos excluem os brancos, nulos e indecisos.