Buscar

30 setembro 2014

Miss Brasil 2014 fala de preconceito: 'Tenho orgulho de onde nasci'

Miss Brasil 2014 fala de preconceito: 'Tenho orgulho de onde nasci'

A cearense Melissa Gurgel recebeu comentários maldosos na web. A OAB-CE afirma que tal atitude pode ser configurada crime de racismo.

Miss Brasil 2014, Melissa Gurgel  (Foto: Luciano A. Gomes / Ego)Melissa Gurgel ao ser eleita Miss Brasil 2014
(Foto: Luciano A. Gomes / Ego)
O primeiro dia de atividades de Melissa Gurgel com a faixa de Miss Brasil 2014, após vencer o concurso no sábado, 27, foi marcado por um polêmica. Na segunda-feira, 29, a cearense - eleita a mulher mais bonita do Brasil - teve que lidar com comentários preconceituosos que surgiram nas redes sociais, referindo-se ao seu sotaque e origem nordestina. "Miss Ceará ganhou o Miss Brasil e eu aqui achando que no Ceará só tinha gente feia", escreveu um internauta. Outros foram mais agressivos e escreveram "Miss Ceará: bonita até abrir a boca e vir aquele sotaquezinho sofrível" e "Lembrem de deixar a TV no mudo quando a Miss Ceará for dar a palestra dela no Miss Brasil do ano que vem."
Melissa Gurgel - Miss Ceará  (Foto: Instagram / Reprodução)Melissa Gurgel, ainda com a faixa de Miss Ceará
(Foto: Instagram / Reprodução)
"Meu primeiro dia de atividades como Miss Brasil foi bastante movimentado e em meio a tanta novidade eu fiquei sabendo dessas declarações na internet. Sou totalmente livre de preconceitos e lamento muito que as pessoas se limitem a julgar os outros pelo que elas aparentam ser e pelas suas características culturais. O nosso país é tão desenvolvido e acolhedor que é desnecessário ainda acontecerem situações tão retrógradas como o que aconteceu comigo. Amo o meu Estado e tenho muito orgulho de ter nascido onde nasci. Me coloca à disposição de todos para que conheçam a Melissa por detrás do sotaque e da beleza. Todos os seres humanos deveriam ser acolhidos dessa forma, pela sua essência. E eu quero mostrar a minha", declarou ela ao EGO.
Melissa também pede respeito a diversidade de cada região brasileira: "O Brasil é um país com tanta diversidade de povos e culturas. Cada região tem a sua peculiaridade, seja no clima, na cultura, no sotaque, na beleza, seja no que for. E nós precisamos saber conviver com todas elas e respeitá-las. Só assim seremos reconhecidos lá fora como uma nação unida, que preza pelos seus."
As ofensas proferidas contra a miss chegaram ao conhecimento do presidente da OAB-CE, Ricardo Bacelar, que se posicionou contra os comentários maldosos. "Soubemos através da imprensa local e a OAB-CE agiu rapidamente para evitar que o povo cearense seja discriminado. Os posts nas redes sociais configuram crime de racismo. Entendemos que as pessoas têm sua liberdade de expressão, mas não podem usar isso para discriminar, nem emitir opiniões depreciativas contra uma pessoa ou um povo. Usaram a Melissa como um símbolo do povo cearense", explicou ele. 
De acordo com Bacelar, a OAB-CE ofereceu representação ao Ministério Público Federal, que vai investigar e identificar os autores das ofensas. Caso a denúncia seja comprovada, fica configurado crime de racismo e incitação ao racismo, cuja pena varia de dois a cinco anos de prisão. "É preciso defender a honra do povo cearense. Temos orgulho de nossa procedência", completou.
EGO NAS REDES SOCIAIS

Sem tempo para dormir
Em conversa com o EGO na noite de segunda, 29, Melissa contou que ainda não conseguiu ter uma noite inteira de sono desde a sua coroação. "Mas isso não diminuiu a minha animação. O meu sonho começou agora e quero curtir cada instante dele. Vou ter tempo o suficiente para descansar ainda. Por enquanto estou na empolgação e na novidade de tudo. Estou curtindo e adorando carregar essa coroa", afirmou ela, que quer curtir cada momento até o Miss Universo em janeiro: "Ainda falta um tempinho e eu quero aproveitar muito bem até lá. Principalmente para me aperfeiçoar e chegar com tudo perfeito ao Miss Universo. Quero também conhecer um pouco mais o meu país e ser apresentada a ele. Só assim vou poder levar, de fato, o Brasil para o mundo inteiro apreciar."
Melissa Gurgel no desfile de traje de banho (Foto: Luciano A. Gomes / Ego)Melissa Gurgel no desfile de traje de banho
(Foto: Luciano A. Gomes / Ego)
Acreditar nos sonhos
Com 1,68m de altura, 90cm de busto, 60cm de cintura e 90cm de quadril e 20 anos, Melissa Gurgel foi perseverante e manteve na cabeça os seus sonhos. "Cheguei até aqui acreditando nos meus sonhos. As pessoas não podem desistir",disse ela assim que foi coroada a mulher mais bonita do Brasil. Melissa malhou pesado para vencer concurso.Com a ajuda de um personal trainer, a cearense investiu na preparação física: afinou as pernas, tonificou o bumbum e marcou a cinturinha. "Quando a Melissa veio até mim ela tinha um corpo com medidas não muito expressivas. Por ser modelo, tinha um shape mais sequinho e isso fugia do perfil que ela almejava para conquistar a coroa de miss", contou seu preparador físico Mardoque Prado.
Mesmo com o sucesso repentino, a Miss Brasil 2014 se manteve humilde. "A gente só perde para a gente mesmo. Essa frase me marcou muito e foi o que me motivou a chegar até aqui e principalmente a ter determinação para pisar naquela passarela e vencer o concurso. A partir do momento em que decidi que vencer seria uma coisa importante para mim, me comprometi na preparação e o resultado foi esse. Podemos ir sempre até onde quisermos com determinação", disse ela ao EGO no domingo, 28, um dia após o concurso.
Melissa Gurgel agora cumpre uma agenda lotada de compromissos, digna de um Miss Brasil. A próxima etapa a ser conquistada é o concurso de Miss Universo, que será realizado em Miami Beach nos Estados Unidos, no dia 18 de janeiro de 2015.
Fonte: EGO

30 municípios sofrem racionamento de água

Segundo o diretor de operações da Cagece, Josineto Araújo, o motivo da medida é o aumento da temperatura, que faz com que as nascentes sequem. Além disso, ainda conforme ele, poços secaram por falta de recarga com água

Já são 30 municípios no Ceará, daqueles dependentes do abastecimento pela Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), que passam por situação de racionamento de água. São mais cinco cidades afetadas pelo problema, em relação ao início do mês de setembro.
A medida implantada pela companhia atinge as cidades de Ararendá, Baixio, Capistrano, Caridade, Catunda, Croatá, Farias Brito, Graça, Hidrolândia, Ipaumirim, Iracema, Irauçuba, Itatira, Martinópole, Mucambo, Mulungu, Novo Oriente, Pacoti, Pacujá, Palmácia, Parambu, Pentecoste, Potiretama, Quiterianópolis, São Luís do Curu, Senador Sá, Trairi, Ubaúna, Umari e Uruoca.
De acordo com Josineto Araújo, diretor de operações da Cagece, o motivo do racionamento nas diversas regiões do Ceará se dá pelo aumento da temperatura, que faz com que as nascentes sequem. "Os mananciais já começaram o ano com uma carga abaixo do normal e sabemos que, quanto maior o calor, maior a evaporação. Além disso, muitos poços secaram, porque não houve a recarga com água", expõe Josineto Araújo.
A principal medida adotada pela Cagece nos municípios afetados foi a organização de rodízios no abastecimento de água, fazendo com que, em cada localidade, áreas diferentes recebam o fluxo de água em dias diversos. "Como foi diminuída a oferta de água, nós divulgamos para a população esse abastecimento em dias alternados", comenta o diretor de operações da Cagece.
Prazos
Josineto Araújo não considera prazos para a duração do racionamento de água, pois afirma que cada cidade possui particularidades específicas em relação à escassez do recurso. Um outro ponto é que, à medida que o problema é resolvido em determinadas localidades, outros municípios também podem começar a sofrer com a falta de água.
Dessa forma, as tentativas de restabelecer o abastecimento normal também acontecem de formas diferentes em cada local. Irauçuba, por exemplo, está à espera do início das operações de uma adutora recém-construída. Segundo Josineto Araújo, tão logo o aparelho comece a transportar água, o município deverá sair da relação das cidades em racionamento.
O Açude Taquara está recebendo interferências durante esta semana para que água seja conduzida para o município de Mucambo. Uma adutora também é construída para abastecer os municípios de Baixio, Ipaumirim e Umari.
"São ações isoladas, cada cidade tem a sua específica. Estamos buscando pelo menos amenizar esse rodízio. Tudo isso vai melhorar o fornecimento de água para essas cidades. A própria Defesa Civil já está agindo naqueles municípios da zona rural que não são abastecidos pela Cagece", conta Josineto Araújo.
Ranniery Melo
Repórter
Fonte: Diário

Cid comanda encontro com aliados em apoio a Camilo

camilo marina park

O governador Cid Gomes (PROS), licenciado do cargo, comandou, na noite dessa segunda-feira (29/09), no Hotel Marina Park, em Fortaleza, encontro com mais de 120 prefeitos e lideranças políticas dos 184 municípios do Ceará em apoio às candidaturas de Camilo Santana, ao Governo do Estado, e de Mauro Filho, ao Senado. Foi o 10º Encontro Regional de Lideranças da coligação “Para o Ceará seguir mudando”. Além de Cid, na linha de frente da mobilização o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, e o ex-ministro e atual secretário de Saúde do Estado, Ciro Gomes.
“Estamos aqui nesta noite para definir as atividades para que possamos decidir a vitória do Camilo. Precisamos dos esforços concentrados em todo o Ceará”, ressaltou Cid Gomes, que, nesta terça-feira, vai aos municípios de Pedra Branca e Várzea Alegre para fortalecer os nomes de Camilo e Mauro. “Aqui nesta reunião está o símbolo da maioria esmagadora do povo cearense. Reunimos vocês por essa confiança que temos em todos. Nós precisamos proteger o Ceará, é isso que está em jogo”, afirmou Ciro Gomes, que lançou a idéia de carreatas simultâneas em apoio a Camilo e Mauro em todos os municípios no próximo sábado (4/10).
Camilo, que até o último final de semana havia visitado 144 das 184 cidades do Ceará, agradeceu aos mais de 120 prefeitos presentes. ”Quero agradecer a receptividade de vocês prefeitos, vice-prefeitos e lideranças políticas nos deram ao longo dessa campanha. Da energia, do carinho, do amor que fomos recebidos em todos os municípios que visitamos”, afirmou.
O candidato ao Senado, Mauro Filho, reafirmou a importância de dar continuidade ao projeto do governador Cid Gomes. “Ao longo desses sete anos, coube a mim a tarefa de trazer os recursos para
que o governador pudesse realizar tarefas tão importantes desse projeto que está em curso. Pretendo com essa luta, com minha garra, que esse projeto continue”, disse ele. “Quero aproveitar para agradecer a vocês que têm nos recebido tão bem nesses municípios ao longo dos dias. A grande certeza que me move é a defesa do nosso Estado e do nosso País”, afirmou Izolda Cela.
Já o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (Pros), citou a importância de todos irem para as ruas nesse momento decisivo da eleição. “O que vai decidir é a rua, a força de vocês. Esse é um momento crucial para o Ceará. É avançar ou retroceder”, defendeu ele. “O trabalho no município (Lavras da Mangabeira) é das seis à meia-noite e vamos atingir nosso objetivo, que é eleger o Camilo para dar continuidade ao trabalho do governador Cid Gomes”, ressaltou o prefeito de Lavras da Mangabeira, Dr. Tavinho (PRB). Com informações da Assessoria de Imprensa da Coligação ‘Para o Ceará Seguir Mudando’.

Acompanhe entrevista de Cid Gomes

IMG_9446

8h30
“A Transposição é uma obra que desde o segundo império de D. Pedro está sendo falada. O Ciro passou dois anos só para conseguir autorização para iniciar a obra quando era ministro da Integração. O problema é que usam muito de chantagens para se aproveitar da situação e falar sem sequer ter pisado na região”.
“Estou na vida pública com mandatos há 22 anos. Tenho como princípio duas coisas: o que foi feito é minha obrigação e o segundo é que eu poderia ter feito mais. Não é sentimento de frustração. Se olharmos o que os cearenses conquistaram nos últimos 8 anos nos coloca em evidência no País. Em saúde temos estruturado uma rede que coloca o Estado em destaque. Samu, hospitais e Policlínicas, o Hora Marcada, exames, e muito mais. Ainda tenho três meses que seguirão em pleno vapor. Estarei licenciado até domingo. O candidato adversário diz que o Estado está em seca e o governador se afasta. Me licencio porque quero o melhor para o Ceará”.
“Tenho 51 anos e desde os 13 anos acompanho e concorro eleições, desde o grêmio da escola. Essa eleição um candidato já estava lançado a muito tempo, se errei em deixar para definir no ultimo momento o tempo vai dizer, mas o Camilo era pouco conhecido. A campanha tem sido crescente, vai ser dura, mas acho que Camilo inspira confiança, é jovem e a população sabe que política é um espaço para servir ao povo”.
8h20
“Tenho o controle de tudo o que está sendo construído no Ceará. Acompanho direto de meu smartphone. Bimestralmente me reúno com os secretários. Antes eram apenas dois encontros. Um no começo e outro no fim da gestão”. “Todos os secretários tem liberdade para opinar e sugerir o que deve ser feito para a melhoria da população cearense. Em Tauá, Quiterianópolis, Crateús, Potiretama, Caririaçu, Irauçuba, Caridade, Canindé, estão sendo feitas adutoras. O discurso de que não está sendo feito nada para a convivência do agricultor com a seca é pura demagogia política”.
8h10
Cid Gomes lembra das frentes de serviços que antes existiam quando em tempos de seca no Ceará. Haviam invasões, saques e grande concentrações de agricultores em Fortaleza. Hoje há um cuidado em oferecer água a essa parcela grande dos cearenses. Houve distribuição de cisternas. Seguro Safra paga a cada agricultor parcelas que garantem renda para os que sofrem com a perda de safra. Hoje mais de 300 mil estão inscritos. O seguro é pago em casos de secas e enchentes. “Tudo o mais que se fala por aí é demagogia de eleição”. “Minha frustração é que eu queria ter feito mais”.
8h
O governador Cid Gomes está no estúdio do Jornal Alerta Geral onde neste momento concede entrevista aos jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida. Cid começou falando da inauguração do Hospital Regional do Sertão Central que acontece até o final deste ano. Ainda na área da Saúde, o governador informou que as filas de cirurgias neurológicas foram zeradas na região Norte.

Procuradoria investiga uso irregular de máquinas do PAC por prefeituras cearenses

pacDevido procedimento que apura o uso indevido de máquinas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para o benefício de gestores e terceiros, o Ministério Público Federal no Ceará (MPF/CE) está recomendando a 32 prefeituras cearenses e ao Ministério do Desenvolvimento Agrário, por meio da Delegacia Federal do Desenvolvimento Agrário no Ceará, que adotem medidas de fiscalização quanto ao uso dos equipamentos.
O procurador da República Patrício Noé da Fonseca, autor da recomendação, estabelece o prazo de 60 dias para que os municípios e a Delegacia Federal do Desenvolvimento Agrário no Ceará informem as medidas adotadas.
Entre as providências recomendadas pelo MPF estão o tombamento dos equipamentos, a designação de local específico para guarda das máquinas, liberação e custeio do deslocamento de servidores para treinamento de operação dos equipamentos, a realização de revisões e manutenções preventivas, o preenchimento de diário de operação indicando o operador, a localidade e os serviços executados, a apresentação dos relatórios anuais de utilização, a guarda da documentação comprobatória pelo prazo mínimo de 10 anos e a disponibilização de canais para que os cidadãos possam encaminhar eventuais denúncias, em obediência às normas contratuais e legais aplicáveis às doações.
De acordo com o procurador Patrício Noé, são constantes as denúncias de malversação no uso de máquinas – caminhões-caçamba, motoniveladoras e retroescavadeiras – doadas pelo Governo Federal, no âmbito do PAC, para os municípios da área de atuação da Procuradoria da República em Limoeiro do Norte e Quixadá. “Os equipamentos se destinam exclusivamente à recuperação de estradas vicinais e outras obras de interesse social relacionadas à promoção da agricultura familiar e da reforma agrária, e o desvio de finalidade, além da aplicação de sanções aos gestores responsáveis, pode resultar na revogação da doação e retomada das máquinas pela União”, esclarece o procurador.
 Com informações do MPF

Eleitor não pode ser preso até 7 de outubro

PLEITO
Eleitor não pode ser preso até 7 de outubro

A partir desta terça-feira (30), cinco dias que antecedem as eleições, até 48 horas após o término do pleito, nenhum eleitor poderá ser preso ou detido.

A exceção é se ele for pego em flagrante ou existir contra ele uma sentença criminal condenando por crime inafiançável, como racismo ou tortura, ou, ainda por desrespeito a salvo-conduto.

A regra também vale para o segundo turno, marcado para o dia 26 de outubro.


Fonte: http://www.cearanews7.com.br/ver-noticia.asp?cod=20675

Ex-prefeita de Fortim é condenada por desvio de verbas para reforma de praça

IMPROBIDADE
Ex-prefeita de Fortim é condenada por desvio de verbas para reforma de praça

A ex-prefeita do Município de Fortim (a 132 km de Fortaleza), Maria da Conceição Chianca de Souza, foi condenada a pagar multa de R$ 30 mil e ressarcir os cofres públicos em R$ 12.225,07, por praticar ato de improbidade administrativa. Além disso, a ex-gestora também teve os direitos políticos suspensos por cinco anos.

A decisão é do juiz Francisco Marcello Alves Nobre, integrante do Grupo de Auxílio do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), para agilizar o julgamento de ações de improbidade e de crimes contra a administração pública (Meta 4 do Conselho Nacional de Justiça).
Segundo os autos (nº 125-18.2002.8.06.0078/0), relatório do Tribunal de Contas dos

Municípios (TCM) constatou aumento de R$ 12.225,07 entre o custo contabilizado e o custo avaliado referente à obra de ampliação e reforma da Praça São Pedro, no referido município, durante o exercício de 1997. Conforme laudo pericial de avaliação do TCM, o custo da obra, que era estimado em R$ 20 mil, não ultrapassaria R$ 7.744,93.

Por isso, em agosto de 2002, o Ministério Público do Ceará (MP/CE) ajuizou ação requerendo a condenação de Maria da Conceição Chianca de Souza pela prática de improbidade administrativa. Na contestação, a ex-prefeita disse que não cometeu nenhum ato ilícito. Por fim, pediu a improcedência da ação.

Ao julgar o processo nessa sexta-feira (26/09), o magistrado considerou que “não obstante o pagamento de obras e serviços de engenharia terem sido efetuados e totalmente liquidados, restou demonstrado nos autos, em especial pelo levantamento in loco realizado pelo Tribunal de Contas, que alguns deles não foram executados de forma regular. Com efeito, há uma diferença de 158% entre o valor contabilizado da obra de reforma da Praça São Pedro e aquele resultante da avaliação levada a efeito pelos técnicos do Tribunal de Contas dos Municípios”.

* Com informações do TJ/CE


Fonte: http://www.cearanews7.com.br/ver-noticia.asp?cod=20662

OAB-Ceará quer punição por ofensa a Miss Brasil

RACISMO
OAB-Ceará quer punição por ofensa a Miss Brasil

A OAB-Ceará quer punição contra responsáveis por ofensas a cearense atual Miss Brasil. A vencedora do concurso, Melissa Gurgel, foi alvo de hostilidade na internet por ser cearense.

Uma representação e notícia-crime foi enviada pela OAB-Ceará ao Ministério Público Federal, a fim de punir os responsáveis pela publicação de mensagens de cunho preconceituoso contra Melissa.

O crime é classificado como racismo e incitação ao racismo, podendo levar à pena de dois a cinco anos de prisão.


Fonte: http://www.cearanews7.com.br/ver-noticia.asp?cod=20672

Justiça Eleitoral dá 18 direitos de reposta a Eunício Oliveira em perfil de Ciro Gomes

FACEBOOK
Justiça Eleitoral dá 18 direitos de reposta a Eunício Oliveira em perfil de Ciro Gomes

Eunício Oliveira (PMDB), candidato ao Governo do Estado do Ceará, ganhou na Justiça o direto de reposta por publicações feitas contra ele pelo secretário da Saúde do Ceará, Ciro Gomes (PROS), na comunidade virtual Facebook. A liminar foi concedida pelo juiz Calor Henrique Oliveira, responsável pela Coordenação de Propaganda Eleitoral no Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE/CE).

De acordo com a representação Nº 257264, publicada no mural eletrônico do TRE/CE, Ciro será notificado sobre a decisão e deverá remover de seu perfil pessoal as postagens consideradas irregulares contra o candidato da Coligação “Ceará de Todos”. O secretário também deverá conceder espaço para a publicação do direito de resposta a Eunício.

 “O direito de resposta deverá ser exercido por meio de divulgação no mesmo veículo, espaços, página eletrônica, tamanhos e caracteres, em até 48h (quarenta e oito horas) após a entrega da mídia física, consoante registrado em sentença, ficando a cargo do demandado (ofensor) a inserção da resposta em sua página eletrônica relacionada ao Facebook, tendo também ficado consignado em decisão que a "resposta deve, necessariamente, estar relacionada exclusivamente ao esclarecimento da ofensa proferida, não se admitindo a utilização do direito ora reconhecido como mera realização de propaganda sem qualquer relação com a ofensa ou ao proferimento de contra-ataques ao ofensor", determina o despacho do juiz eleitoral.

De acordo com a assessoria de comunicação da Secretaria da Saúde do Ceará, o secretário, até o momento, não recebeu qualquer notificação sobre a determinação judicial, portanto, não haveria nada a declarar.

Confira o despacho do juiz Carlos Henrique Oliveira (TRE/CE)

Fonte: http://www.cearanews7.com.br/ver-noticia.asp?cod=20654

Dilma tem 40% das intenções de voto, Marina 24% e Aécio 18%

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, chega minutos antes do início do debate promovido pela Rede Record, em São Pauloq
PESQUISA VOX POPULI
Dilma tem 40% das intenções de voto, Marina 24% e Aécio 18%

Pesquisa Vox Populi, encomendada pela Rede Record, mostra a candidata Dilma Rousseff (PT) na liderança com 40% das intenções de voto para a Presidência da República. A candidata pelo PSB, Marina Silva, aparece com 24% das intenções e Aécio Neves (PSDB) com 18%. Na última pesquisa Vox Populi, Marina tinha 22% das intenções de voto e Aécio, 17%. Dilma manteve a mesma porcentagem.

Na pesquisa divulgada hoje (29), os candidatos Luciana Genro (PSOL) e Pastor Everaldo (PSC) tiveram 1% das intenções de voto cada um. Eduardo Jorge (PV), Levy Fidelix (PRTB), Zé Maria (PSTU), Eymael (PSDC), Mauro Iasi (PCB) e Rui Costa Pimenta (PCO) tiveram menos de 1% das intenções. Brancos e nulos somam 6% e 11% não souberam indicar um candidato ou não quiseram responder.

O Vox Populi fez duas simulações de segundo turno. Em disputa entre as candidatas Marina Silva e Dilma Rousseff, Dilma venceria com 46% das intenções contra 39% de Marina. Brancos e nulos somariam 9%, e 6% seriam os indecisos.

Em uma disputa entre Dilma e Áecio, a candidata do PT venceria com 48% das intenções contra 38% do candidato tucano. Os votos brancos ou nulos seriam 9%, e os indecisos 5%.

Foram feitas 2 mil entrevistas em 147 cidades. O levantamento foi no sábado (27) e domingo (28). A margem de erro é 2,2 pontos percentuais e o nível de confiança é de 95%. O número de registro na Justiça Eleitoral é BR-00888/2014.

* Com informações da Agência Brasil


Fonte: http://www.cearanews7.com.br/ver-noticia.asp?cod=20667

Aécio acusa Dilma de tirar emprego de região pobre de MG

PSDB

Aécio acusa Dilma de tirar emprego de região pobre de MG

Tucano concentra agenda em Estado natal para tentar melhorar sua votação e a de Pimenta da Veiga, candidato do PSDB ao governo mineiro

Felipe Frazão, de Belo Horizonte
O candidato à Presidência da República pelo PSDB, Aécio Neves, com Pimenta Veiga e Antônio Anastasia, durante campanha nesta segunda-feira (29), em Uberlândia, Minas Gerais
O candidato à Presidência da República pelo PSDB, Aécio Neves, com Pimenta Veiga e Antônio Anastasia, durante campanha nesta segunda-feira (29), em Uberlândia, Minas Gerais (Orlando Brito/Divulgação)
O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, acusou nesta segunda-feira a presidente-candidata Dilma Rousseff (PT) de prejudicar Minas Gerais ao vetar lei que facilitava a instalação de uma fábrica da Fiat no Vale do Jequitinhonha, umas das regiões mais pobres do Estado.  
Aécio mostrou ter entrado de vez no embate pelo governo de Minas Gerais. Seu objetivo é ajudar a candidatura de Pimenta da Veiga, que está em segundo lugar nos levantamentos de opinião pública. O tucano tem 25% das intenções de voto contra 36% de seu concorrente, o ex-ministro do Desenvolvimento Econômico Fernando Pimentel (PT). Em seu programa de TV, Pimenta afirmou que o governo do PT tirou empregos do Estado para levar a unidade automobilística para Pernambuco.
Leia também:
Aécio vai apresentar programa de governo 'fatiado' pela internet
Marina apagada, Aécio no ataque e Dilma 'bolada': o debate que você não viu
Corrupção na Petrobras pauta debate quente na TV


"Estava tudo acertado com o presidente mundial da Fiat para que a duplicação da unidade da Fiat ocorresse em Minas Gerais. Os protocolos foram assinados. O governo do PT, no apagar das luzes do presidente Lula, optou por criar condições para transferir a fábrica para outro Estado”, disse. “Não sou contra a descentralização do pacto automotivo brasileiro, mas aquele projeto em especial estava assegurado para Minas Gerais. A grande verdade é que esses investimentos saíram daqui pela ação do governo federal do PT sem que houvesse uma reação sequer das lideranças do PT de Minas, sem uma palavra de solidariedade em especial daquele que hoje disputa o governo do Estado.”
Para o tucano, o veto de Dilma aos benefícios das empresas fornecedoras da Fiat foi lamentável. “Nós éramos minoria no Congresso, mas conseguimos aprovar a extensão de benefícios, com as mesmas isenções fiscais dadas a Pernambuco para o norte de Minas. Isso significaria milhares de empregos para aquela região. O que ocorreu: a presidente Dilma Rousseff vetou esses benefícios para as regiões mais pobres de Minas. Mas ela não estava sozinha nesse veto, que está publicado no Diário Oficial da União. Acompanhou a presidente no veto o senhor Fernando Pimentel. Assinou o veto que impediu que as regiões mais pobres de Minas recebessem esses investimentos e portanto emprego para nossa gente.”

Mercado vê em Dilma ameaça maior do que no início da campanha

Análise

Mercado vê em Dilma ameaça maior do que no início da campanha

Para analistas ouvidos pelo site de VEJA, discurso eleitoral da presidente evidencia guinada à esquerda e guerra declarada ao setor privado

Ana Clara Costa
A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, chega minutos antes do início do debate promovido pela Rede Record, em São Pauloq
A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, chega minutos antes do início do debate promovido pela Rede Record, em São Paulo (Felipe Cotrim/VEJA.com)
Enquanto o eleitor parece cada vez mais inclinado a oferecer à presidente Dilma Rousseff a oportunidade de um novo mandato, investidores sinalizam exatamente o oposto. Um forte movimento de venda de ações fez com que o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores, recuasse 4,52% nesta segunda-feira, a maior queda em três anos. O dólar também disparou, chegando a ser cotado a 2,47 reais — seu maior valor desde 2008, período agudo da crise financeira internacional. A moeda americana perdeu força no final do pregão e fechou a 2,45 reais. As ações das empresas estatais lideraram as baixas: Petrobras caiu 11,4%, enquanto o Banco do Brasil recuou 9%. As ações da própria BM&FBovespa recuavam 8,3% no mesmo período.
Não é de hoje que o mercado financeiro tem reagido de forma pessimista à possibilidade de reeleição da candidata petista. Desde março deste ano, as ações (em especial as da Petrobras) têm oscilado ao sabor das pesquisas eleitorais. Depois da trágica morte do peessebista Eduardo Campos, em agosto, e da ascensão de Marina Silva ao posto de presidenciável, as chances de reeleição de Dilma haviam diminuído — o que trouxe certo alívio para a bolsa e o dólar.
Contudo, a melhora da atual presidente nas pesquisas, que apontam sua vitória no segundo turno ante ambos os concorrentes, Aécio Neves e Marina, fez com que um movimento de venda de ações se aprofundasse na bolsa. O Ibovespa chegou a cair quase 6% na abertura, com os papéis da Petrobras recuando 10%. Em ambos os casos, a queda é muito mais profunda do que o que foi assistido no início de 2014, quando as primeiras pesquisas começaram a ser divulgadas criando alta volatilidade na bolsa. 
O que mudou de lá pra cá, segundo analistas ouvidos pelo site de VEJA, é que aumentou (e muito) a aversão que o mercado nutria em relação à candidata. "Muitos têm opinião pior do que antes sobre a provável política econômica num segundo governo Dilma. Eles perceberam uma inflexão à esquerda em seu discurso, especialmente na questão envolvendo a independência do Banco Central", afirma o economista Tony Volpon, do Nomura. A presidente Dilma encampou o discurso de que ter um BC autônomo significaria "entregar o país a banqueiros". Ela também questionou a necessidade de se cumprir o superávit primário, que é a economia feita pelo governo para pagar os juros da dívida, e reafirmou seu compromisso com subsídios à indústria num momento em que o próprio setor industrial pede maior abertura econômica.
Segundo o analista Felipe Miranda, da Empiricus, antes da morte de Campos, os investidores tinham dúvida se um novo governo Dilma atravessaria uma curva de aprendizado, admitindo erros e retomando um caminho mais ortodoxo. "Hoje, resta pouca dúvida de que um segundo mandato representaria mais do mesmo, com algum recrudescimento, pois a guerra contra o setor privado, num momento em que precisamos retomar os investimentos, está declarada em caráter explícito", afirma Miranda, autor do livro O Fim do Brasil, lançado na semana passada pela editora Escrituras.
Um movimento de queda foi percebido nesta segunda-feira em todos os mercados emergentes, porém, nenhum na mesma intensidade que o Brasil. Nos Estados Unidos, o S&P recuou 0,2% e o Dow Jones, 0,25%. "É um movimento global que pode ser visto na Coreia do Sul, Taiwan, índia, Turquia, África do Sul e Israel. Isso porque acredita-se que a economia americana não está se recuperando no ritmo acelerado que antes se achava", avalia o economista-chefe da Gradual, André Perfeito.
Fonte: VEJA

Em comício em SP, Lula volta a atacar a imprensa

Campanha

Em comício em SP, Lula volta a atacar a imprensa

PT tenta impulsionar a candidatura de Dilma Rousseff e de Alexandre Padilha no Estado de São Paulo, onde a legenda tem os maiores índices de rejeição

Eduardo Gonçalves, de São Paulo
Foto 1 / 24
AMPLIAR FOTOS
A presidente e candidata à reeleição pelo PT, Dilma Rousseff junto com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante comício em Campo Limpo, zona sul da cidade de São Paulo, na noite desta segunda-feira (29)
A presidente e candidata à reeleição pelo PT, Dilma Rousseff junto com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante comício em Campo Limpo, zona sul da cidade de São Paulo, na noite desta segunda-feira (29) - Ivan Pacheco/VEJA.com
Após a edição de VEJA desta semana revelar que a campanha de Dilma Rousseff pediu dinheiro ao esquema do "petrolão" em 2010, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva atacou a imprensa durante comício realizado na noite desta segunda-feira no bairro do Campo Limpo, na Zona Sul de São Paulo. Ao lado de Dilma e do candidato ao governo de São Paulo Alexandre Padilha, o petista voltou a dizer que o partido é "perseguido". "Neste país, a imprensa sempre foi conservadora, mas houve um tempo em que a gente conversava mais com os jornais. Hoje, eles são terceirizados e prepostos. Eu quero que você compreenda por que existe tanta bronca e perseguição contra o PT", disse Lula, dirigindo-se à Dilma.

Leia também:
Mercado vê em Dilma maior ameaça do que no início da campanha
Aécio acusa Dilma de tirar emprego de região pobre de Minas Gerais

A seis dias das eleições, o ex-presidente conclamou a militância a vestir a "camisa do PT" e "ir às ruas". O intuito do evento de campanha era alavancar as candidaturas de Dilma e Padilha em São Paulo, maior colégio eleitoral do país. Na última pesquisa Datafolha, a candidata petista aparece sete pontos atrás da adversária do PSB, Marina Silva, no Estado. Já Padilha não conseguiu alcançar dois dígitos no levantamento desde o início da corrida eleitoral.

Além da imprensa, Lula também concentrou ataques ao governador Geraldo Alckmin (PSDB), que lidera as pesquisas ao Palácio dos Bandeirantes com folga. "A minha pergunta é: se a situação está tão ruim por que tem gente que vota no Alckmin ainda? Por ser o mais rico da federação, esse Estado deveria tratar melhor o seu povo", disse Lula, abraçado a Padilha.

Na sua vez de falar, a presidente-candidata Dilma Rousseff reiterou as críticas ao tucano e disse que foi o governo federal quem financiou as obras propagandeadas pela campanha do governador. "Muita coisa aqui em São Paulo que passa como feita pelo governo do Estado não é verdade. Foi feita com dinheiro do governo federal. Metrô, Monotriho, Rodoanel e outras várias obras foram feitas com o nosso dinheiro", disse a petista. Última a falar e com a voz rouca, Dilma fez um discurso menor do que o do seu adrinho político e para menos gente – parte dos militantes havia ido embora logo depois da fala de Lula.

Em VEJA: Campanha de Dilma em 2010 pediu dinheiro ao esquema do 'petrolão'

Escanteado no início da campanha de Padilha e Dilma por causa da alta taxa de rejeição, o prefeito de São Paulo Fernando Haddad também subiu ao palanque para fazer propaganda do seu próprio governo. Falou da inauguração de uma faixa exclusiva de ônibus no bairro de M’Boi Mirim e da construção de um hospital em Parelheiros. Antes dele, Padilha afirmou que iria fazer a “maior virada” nas eleições e que estava com "muita vontade" de ir para o 2º turno. Durante a sua fala, houve um princípio de tumulto na plateia. Militantes petistas derrubaram grades de contenção para se aproximar do palco.

Além deles, compareceram ao evento o candidato do PT ao Senado, Eduardo Suplicy, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, o ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto, e o presidente estadual do partido, Emídio de Souza
Fonte: VEJA