Buscar

31 agosto 2014

ESPECIAL | Novos galãs

A Globo resolveu esperar o fim da Copa do Mundo para estrear três novas novelas em sua grade de programação. Um dia após o encerramento do mundial foi lançada a nova temporada de Malhação no começo da noite e mais tarde teve a estreia de O Rebu, a nova novela das 23h. Nessa segunda, dia 21, irá ao ar o primeiro episódio de Império, trama do autor Aguinaldo Silva que ocupará o horário nobre da emissora.

Para diversificar o elenco e descansar a imagem de atores já consagrados pelo grande público, como por exemplo Cauã Reymond e Bruno Gagliasso, a emissora resolveu apostar em novos talentos e renovar seu time de galãs. Bitches House selecionou sete novos atores que prometem que vão conquistar o coração dos telespectadores com sua beleza e simpatia nas noites da Globo.

O pernambuco Jesuíta Barbosa tem apenas 22 anos e já possui uma carreira de sucesso nos cinemas nacionais com os filmes "Tatuagem" e "Praia do Futuro". O galã de olhos verdes estreou na telinha no começo do ano fazendo uma participação na minissérie "Amores Roubados" e agradou a crítica pelo seu talento em frente as câmeras. Em "O Rebu" o ator interpreta o misterioso Alain, um jovem ambicioso que entrou de penetra na festa para tentar se dar com o furto de jóias dos convidados.

No mesmo elenco de "O Rebu" está o argentino de Michel Noher. O "hermano" de 31 anos é filho do também ator Jean Pierre Noher e começou a atuar no Brasil na série "Latitudes", exibida pelo TNT às segundas feiras. Na novela Michel vive o piloto de Fórmula 1 Antonio Gonzalez, um espanhol mulherengo cheio da grana que irá disputar o coração de várias mulheres ao longo da história.

O jovem Chay Suede saiu da novela teen "Rebeldes", exibida na Record, e agora irá estrear no horário da Globo na novela "Império". O ator e cantor de 22 anos irá interpretar o protagonista José Alfredo na primeira fase da trama e promete matar a saudade de muitos fãs que sentiam saudade de ver o jovem em alguma produção da televisão.

Alejandro Claveaux é um dos atores mais requisitados da nova geração e está ganhando cada vez mais destaque em seus papeis. Natural de Goiânia e filho de uruguaios o ator começou a carreira no teatro e já participou do seriado "Clandestinos" e de "Malhação". Recentemente Alejandro fez parte do elenco da série "O Caçador", estrelada por Cauã Reymond e Cléo Pires e exibida às sextas feiras na Globo. O galã fará uma pequena participação na primeira fase de "Império" e será Josué, braço direito do protagonista. Alejandro também está confirmado em "Alto Astral", a próxima novela das sete que ocupará o lugar de "Geração Brasil" a partir de novembro. As gravações deverão ter início em julho.

Outro ator saído de "Rebeldes" é Arthur Aguiar e que agora é o protagonista da nova temporada de "Malhação". Na novelinha teen ele interpreta Duca, um rapaz solar e sedutor que sonha em ser um grande mestre lutador. No início do ano Arthur tinha feito uma pequena participação nos capítulos iniciais da novela "Em Família".

O ator a modelo Diego Amaral é uma das apostas da nova temporada de "Malhação". O gato de 24 anos foi aprovados nos testes e irá interpretar o lutador Alan, irmão mais velho do protagonista da tramaEsta não será a estreia de Diego na televisão, ele já fez participações em diversas campanhas publicitárias.

Paulo Dalagnoli, que participou da novela Guerra dos Sexos, vai interpretar o jovem Lírio na nova temporada de "Malhação".  Ele é um rapaz egocêntrico e vaidoso que irá infernizar a vida de todos os alunos da escola.


Fotos: Divulgação

MARCUS PATRICIUS por Jeff Segenreich

O mineiro Marcus Patricius está de volta em um ensaio que vai tirar o fôlego de muita gente. O gato de 26 anos foi para o Rio de Janeiro especialmente para posar para as lentes do fotógrafo Jeff Segenreiche mostrar toda sua beleza e sensualidade.


Fonte: 

Confira fotos de famosas que não economizaram no decote


Confira fotos de famosas que não economizaram no decote

30.ago.2014 - Em seu perfil no Instagram, Andressa Urach mostrou que quando o assunto é balada, ela não economiza na sensualidade de seu look. Com uma roupa preta superdecotada, a gata fez carão e tirou uma selfie com direito a indireta na legenda: "Não trate com prioridade quem te trata como opção!!! Solteira sim, beber pra esquecer. Hoje tem, partiu baladinha, você não dá valor tem quem dê". Quem será o alvo das provocações da loira? Reprodução/Instagram
Leia mais em: http://zip.net/bkprlR

Charge

Charge

224 ofertas para a Prefeitura de Pacajus

O conteúdo programático da prova aborda língua portuguesa; matemática; informática; e conhecimentos do SUS, SUAS, regionais e específicos
Um total de 224 vagas efetivas foram abertas pela Prefeitura de Pacajus, localizada na Região Metropolitana de Fortaleza.
Os cargos de nível médio são para agente administrativo (38), agente de trânsito (5), agente de combate a endemias (9), fiscal de obras e posturas (2), fiscal de tributos municipais (3), guarda municipal (5) e guarda vidas (2). Salários variam entre R$ 724 e R$ 1.014.
No nível técnico, as vagas se destinam a auxiliar de laboratório (2) e a técnico nas áreas de enfermagem (9), imobilização ortopédica (2), saúde bucal (3) e radiologia (3). As remunerações vão de R$ 724 a R$ 1.301,25.
Os postos que exigem nível superior são de assistente social (4); bibliotecário (1); cirurgião dentista (4); enfermeiro (13); educador físico (2); fisioterapeuta (2); fonoaudiólogo (2); médico (8); psiquiatra (1); nutricionista (1); psicólogo (2); secretário escolar (5); terapeuta ocupacional (2); e professor de educação infantil (30), ensino fundamental (30), ciências (3), artes (2), educação física (4), ensino religioso (3), filosofia (1), geografia (3), história (3), inglês (4), português (6) e matemática (5). Os vencimentos partem de R$ 200 (por plantão) e chegam a R$ 6.000.
As inscrições são pelo site www.Consep-pi.Com.Br até as 17h de 12 de setembro.
As taxas custam R$ 70 para nível médio ou técnico e de R$ 120 para nível superior. A isenção pode ser solicitada até 9 de setembro.
Haverá provas objetivas no dia 9 de novembro, das 9h às 12h, para todas as colocações.
Fonte: Diário

Faltam sinceridade e prova de competência

Os candidatos Camilo Santana e Eunício Oliveira não questionam as propostas um do outro. Eles parecem aceitar tudo como possível de ser feito foto kid júnior

Aumentou o volume de promessas dos candidatos, nestes pouco mais de dez dias de propaganda eleitoral, no rádio e na televisão. Nelas, facilmente se constata o interesse eleitoreiro de todos quantos querem renovar ou conquistar um mandato. Falta consistência às propostas, ou por insuficiência de argumentos dos que as apresentam, ou por não se coadunarem com a realidade econômica e financeira da União e do Estado, ou ainda por não se incluírem no rol de competências do cargo em disputa nesta eleição.
Tem candidato a governador falando de ações que invadem atribuições de prefeitos. Postulantes a vagas de deputado estadual ou federal defendendo posições do Poder Executivo, deixando claro o despreparo para o cargo disputado, o melhor que se pode dizer para não colocá-los na mesma relação dos proferidores de discursos de enganação. Eles se parecem tão iguais no campo da distribuição de ilusões que nenhum discute ou muito menos contesta a promessa feita pelo outro, mesmo a mais inverossímil.
Ousa
Quem quer ser governador do Ceará só está se preocupando em dizer o que vai fazer, como se tivesse concordando com tudo o que o concorrente está dizendo. Ninguém ousa afirmar ser essa ou aquela proposição inadequada para o momento do Estado, impossível de ser efetivada e não estar na relação das prioridades reclamadas pela sociedade ou, também, não existir recurso orçamentário suficiente à sua execução. Nenhum dos candidatos ofereceu um projeto para o Ceará das próximas décadas, além do que o atual governador já diz fazer.
Comentários, sobretudo os críticos, quando existem, em relação às proposições, são feitos reservadamente ou entre correligionários. Por isso é correto se afirmar que os programas eleitorais não estão servindo ao debate, o fim para os quais foram criados, na perspectiva de servirem como importante instrumento de esclarecimento do eleitor, facilitando-o a melhor definir seus candidatos aos diversos postos em disputa. O horário da propaganda eleitoral está tão desvirtuado e servindo bem mais para motivo de chacotas que propriamente de atração para os defensores da boa prática da cidadania.
Postulantes ao Governo parecem não conhecer as limitações impostas pelo Orçamento. O do próximo ano ainda está sendo elaborado na esfera da Secretaria de Planejamento, mas a Lei de Diretrizes Orçamentárias aprovada pela Assembleia, no último semestre, base daquele a ser executado pelo novo chefe do Executivo cearense, é bem explícita.
O Estado, embora hoje bem diferente daquele de décadas anteriores, pois avançou em vários setores, inclusive na parte do gerenciamento da sua máquina, ainda é muito pequeno em relação aos meios necessários ao suprimento dos serviços reclamados por seu povo.
Eles poderiam mostrar essa realidade e discutirem como melhor aplicar os poucos recursos existentes somados a tudo quanto for possível ser buscado no Governo Federal. Sem essa observação, passam uma ideia falsa de que haver, hoje, todos os meios necessários a tornar realidade o que prometem.
A falta desse diálogo transparente só confirma que o Ceará é igualmente pobre politicamente. A pouca atenção dispensada pela União a esta unidade da federação é muito mais pela empatia entre os governantes de plantão (presidente e governador), que propriamente pela ação dos seus representantes. Projetos estruturantes pleiteados há quase cinquenta anos continuam no quadro de promessas. A refinaria da Petrobras é um exemplo. Só o que avançou em relação a ela foi a denominação dada ao projeto: "Premium II". Outros estados nordestinos, pelas ações das suas lideranças avançaram bem mais, embora muito menos que o necessário para pôr um fim nas desigualdades regionais.
Talvez por isso, o único dos postulantes à Presidência da República a engendrar um projeto para o Nordeste, Aécio Neves (PSDB), escolheu a Bahia para fazer o anúncio oficial, embora no mesmo dia tenha vindo ao Ceará, fazer campanha, à noite, no Município de Iguatu. Embora sabendo que a posição do tucano é parte da prática político-eleitoreira, louve-se sua atitude de dizer o que poderá fazer se for presidente da República, pois sequer isso os outros candidatos fizeram.
Pesquisa
A mudança mostrada pelas últimas pesquisas eleitorais sobre a sucessão presidencial, primeiro pelo Ibope e na última sexta-feira pelo Datafolha, seguramente refletirá em algumas disputas estaduais. A priori, em relação ao Ceará, é possível se afirmar que a nova realidade nacional não interferirá na disputa entre os candidatos Eunício Oliveira e Camilo Santana, exatamente pelo fato de a candidata do PSB, Eliane Novais, não ter demonstrado musculatura para poder alavancar sua campanha.
A empresária Nicole Barbosa, que seria a representante do PSB na disputa estadual, sem dúvida, hoje, com o avanço de Marina, poderia estar em patamar bem mais elevado que o alcançado por Eliane, e consequentemente, com chances reais de competição. Nicole foi abruptamente afastada para dar lugar a Eliane Novais, na época candidato à Câmara Federal.
Mesmo com a situação de fragilidade da presidente Dilma Rousseff, apresentada pelos números do Datafolha, ela tem uma expressiva liderança no Nordeste, e com o Ceará solidificando essa posição, Camilo e Eunício, apoiadores dela, não serão molestados, no momento, e tanto um quanto outro vão poder dizer, com a mesma ênfase para o eleitorado cearense, que contam com o apoio da presidente. Até o dia 15 de setembro, sem um outro grande evento, inclusive catastrófico, no interregno, toda e qualquer realidade eleitoral de hoje pode ser alterada.
Edison Silva
Editor de política
Fonte: Diário

Seca pauta promessas de candidatos no Interior

A candidata Eliane Novais é a que menos tem ido ao Interior, restringindo-se aos municípios da Região Metropolitana de Fortaleza

Os candidatos ao Governo do Estado ampliaram, nesta semana, a atuação em municípios fora da Capital e se aproveitaram dos problemas locais para apresentar propostas à população de cada área visitada no Interior. As ações efetivas voltadas para o combate à seca, reforma de equipamentos públicos existentes em cada município e a criação de políticas de integração com o restante do território cearense dominaram as promessas feitas pelos postulantes que têm percorrido o Ceará atrás de voto.
Na última semana, Camilo Santana (PT) visitou oito municípios do Interior. Na quinta-feira, o petista concentrou esforços na Região do Jaguaribe e Centro-Sul cearense, passando por Jaguaretama, Ererê, Cedro e Jaguaribe. Na sexta-feira, cumpriu agenda no Sul do Estado, percorrendo Aurora, Barro, Farias Brito e Várzea Alegre.
Camilo Santana abordou o problema da seca durante a passagem por dois municípios. Em Cedro, o candidato declarou aos moradores que irá universalizar a implantação de cisternas em todo o Estado para garantir acesso à água. "Vamos universalizar a implantação de cisternas no Ceará. Nosso estado será o primeiro do Nordeste a ter cisterna em cada casa nas localidades atingidas pela estiagem", disse.
Estiagem
Já em Jaguaretama, município que sofre com a estiagem, Camilo aproveitou e pediu votos sob a justificativa de que vai ampliar o número de adutoras nos municípios cearenses, além dos projetos da Transposição do rio São Francisco e do Cinturão das Águas. "Com as obras vai ser resolvido o problema de abastecimento da água aqui na região e em outras áreas do Estado, não só para o consumo, mas para a produção, para a indústria. Tenho muito orgulho de fazer parte dessa geração", exaltou.
Em Barro, Camilo se aproveitou de uma reivindicação da população sobre a reforma do hospital local para assumir o compromisso de reestruturar e equipar a unidade de saúde. "Também pretendo fazer a urbanização do Centro, no entorno da Praça da Igreja, valorizando o turismo religioso", listou o petista ao acrescentar a construção de uma delegacia 24 horas.
Na semana que passou, Eunício Oliveira (PMDB) percorreu cinco municípios. Na quinta-feira, esteve em Maranguape e Tamboril e na sexta-feira fez campanha em Acopiara, Quixelô e Várzea Alegre. De acordo com a coordenação de comunicação do candidato, a escolha dos últimos locais visitados foi definida com base nos problemas enfrentados por essas regiões na convivência com a seca.
Durante comício em Tamboril, Eunício chamou atenção para o problema ao atribuir as dificuldades do abastecimento de água à inexistência de obras e projetos hídricos de convivência com a seca. Ele ainda lamentou que R$ 1 bilhão esteja sendo gasto para a construção de um aquário em Fortaleza, enquanto muitos cearenses ainda dependem de carros-pipa.
Nas atividades em Acopiara, Quixelô e Várzea Alegre, Eunício assegurou que tem estudado junto com moradores e técnicos das regiões a construção de uma política de convivência com a seca que possa assegurar a manutenção dos serviços e atividades em cada município, bem como estimular o crescimento da produção agrícola, gerando emprego e renda para a população.
Ailton Lopes (PSOL) também ampliou as atividades no Interior, passando por Barbalha, Crato, Jardim e Juazeiro do Norte e Sobral. Fora da Capital, Eliane Novais (PSB) cumpriu agenda apenas na Região Metropolitana de Fortaleza, fazendo campanha em Caucaia e em São Gonçalo do Amarante.
Fonte: Diário

SÉRIE B Vovô é campeão do 1º turno

Image-0-Artigo-1690815-1
Bill (com dois gols) e Magno Alves (um gol e uma assistência) foram fundamentais na vitória que pôs fim a jejum de três jogos sem triunfos do Alvinegro. Time volta a campo na próxima quarta-feira, ante o Botafogo, pela Copa do Brasil
FOTO: KID JÚNIOR
Se o Ceará tinha como objetivo inicial terminar o primeiro turno no G-4 da Série B do Brasileiro, ontem, além de alcançar a meta, concretizou a primeira colocação da tabela, tornando-se o campeão simbólico da metade inicial da competição. A equipe cearense pôs fim a um jejum de três jogos sem vencer na competição ao bater o Luverdense, no Castelão, pelo placar de 3 a 1.
Com o resultado e o tropeço do América/MG, que apenas empatou com o Sampaio Corrêa em 0 a 0 na sexta-feira, 29, o Alvinegro assume a liderança isolada da Segundona, com 35 pontos, à frente do Avaí, que está com 34.
Na abertura do returno, o Vovô enfrenta o Oeste, no Estádio dos Amaros, no sábado, 6, às 21 horas. Já os mato-grossenses recebem o lanterna Vila Nova, no mesmo dia e horário.
A partida
O jogo no Castelão começou alucinante. Logo a 1 minuto, o meia alvinegro Ricardinho já havia assustado Gabriel Leite em chute de fora da área espalmado pelo goleiro. Na saída de bola seguinte do LEC, o zagueiro Renato bobeou e permitiu que Bill se antecipasse a ele e ao goleiro, em bola recuada da esquerda, para empurrar para as redes e abrir o placar para o Vovô.
E o jogo parecia se desenhar mesmo tranquilo para a equipe comandada por Sérgio Soares. Aos 12, Ricardinho bateu escanteio da direita na cabeça de Magno Alves, que fuzilou o goleiro Gabriel Leite para ampliar.
Só que no segundo tempo, a tranquilidade alvinegra foi quebrada aos 13 minutos. Com uma bobeada da defesa alvinegra, o goleiro Jailson fez pênalti em Samuel. Na cobrança, Misael, que já passou pelo Ceará, bateu com categoria para diminuir a diferença no marcador: 2 a 1. O atacante optou por não comemorar o tento contra seu ex-clube.
Mas aos 41, em rápido contra-ataque, Magno Alves ganhou na velocidade da defesa alviverde e tocou para Bill. O camisa 9 bateu no canto esquerdo do goleiro do LEC, sacramentando o título simbólico do turno.
Vasco goleado
Em São Januário, no Rio, o Vasco, que antes da 19ª rodada lutava pela liderança, sofreu uma goleada histórica para o Avaí de 5 a 0 e caiu para fora do G-4, ocupando agora a 5ª colocação.
O resultado catastrófico acabou causando a demissão do técnico Adilson Batista da equipe carioca após a partida.
Assista ao vídeo


tabela
Fonte: Diário

Eleitorado nordestino deverá ser decisivo em eleição presidencial

Dilma ainda é favorita entre a população nordestina. Em seu favor, ela conta com as políticas de distribuição de renda aplicadas na Região
BUSCA POR VOTOS

Eleitorado nordestino deverá ser decisivo em eleição presidencial

31.08.2014

A região com 38,1 milhões de eleitores tornou-se um dos principais celeiros da disputa à Presidência


Image-0-Artigo-1690625-1
Dilma ainda é favorita entre a população nordestina. Em seu favor, ela conta com as políticas de distribuição de renda aplicadas na Região
FOTO: ICHIRO GUERRA
Image-1-Artigo-1690625-1
Com terceiro lugar na disputa, Aécio Neves tenta conquistar o eleitor prometendo a continuidade de programas como o Bolsa Família
FOTO: IGOR ESTRELA
Image-2-Artigo-1690625-1
Marina Silva cresceu na avaliação após a morte do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, no último dia 13 deste mês
FOTO: ICHIRO GUERRA
Em um País de extensão continental as desigualdades regionais são grandes, determinando o perfil do eleitor. No Nordeste brasileiro, a secura do solo se confunde com a aridez de vidas humanas, formando uma geografia peculiar com demandas diversas, que não podem ser ignoradas no jogo do poder. Compreendendo 26,7% do eleitorado nacional, a região é um celeiro de votos indispensável na campanha à Presidência.
Para arrematar votos, Dilma Rousseff (PT), Aécio Neves (PSDB) e Marina Silva (PSB) criaram uma agenda de campanha mais incisiva na Região. Mesmo com propostas equânimes, eles entendem que para se chegar ao Executivo são necessárias ações que coloquem o nordestino como protagonista.
Nas últimas três eleições presidenciais, os estados nordestinos têm se destacado como principal bastião do Partido dos Trabalhadores no País. Em 2002, Luiz Inácio Lula da Silva foi eleito com 61,2% dos votos, sendo que, no percentual por região, ele garantiu no Nordeste uma votação superior à média nacional, com 61,5% dos eleitores. Este panorama seguiu-se nos pleitos posteriores, com a reeleição de Lula apoiada por 60,8% dos nordestinos, em 2006, e a presidente Dilma Rousseff atingindo uma marca de 70,5% da votação na Região, em 2010.
Segundo os especialistas, a boa avaliação do PT na Região, nos últimos 12 anos, se deve, sobretudo, à implementação de políticas de distribuição de renda e inclusão social, entre as quais está o Bolsa Família, que beneficiou milhares de nordestinos. Nos últimos 10 anos, as transferências do programa foram responsáveis pela criação e manutenção anual de 807 mil empregos e ocupações na Região Nordeste.
"No Brasil, cerca de 40% dos eleitores são de baixa renda, sendo que a maior parcela está no Nordeste. Nos últimos três governos, esta população foi bastante beneficiada. Isto tira a percepção de uma região que tinha o hábito do coronelismo e do voto do cabresto. O que se observa agora é um voto dessas classes C e D motivado por essas políticas sociais de inclusão", avaliou a cientista política e professora do Ibmec no Rio de Janeiro, Christiane Romeo.
O cientista político e professor da Universidade de Fortaleza (Unifor), Clésio Arruda, afirma que o voto revela os interesses da população. Ele entende que, como ainda se observa uma má distribuição de renda, o peso das políticas sociais vai ser mais incisivo na definição do voto. "É de se esperar que um político que se apresente com essas ações vai ter mais aceitabilidade na região", observou.
Propostas
Pelos últimos resultados eleitorais, a disputa política mostrou que ignorar um celeiro eleitoral com 38,1 milhões votos, perdendo apenas para o Sudeste, não é apenas um risco, mas um erro de estratégia para os presidenciáveis. Por causa disso, Dilma, Aécio e Marina estão com um discurso focado nos interesses da população nordestina e com propostas que atendam as suas necessidades.
"O Nordeste tem peso eleitoral bastante significativo e pode decidir uma eleição. Não podemos esquecer ainda do poder de influência que essa população tem sobre o resto do Brasil, já que estamos falando de pessoas que habitam outros estados e regiões do País, mas que são influenciadas pelo que acontece no Nordeste", considerou o presidente da Associação Brasileira de Consultores Políticos (Abcop), Carlos Manhanelli.
Tentativa tucana
Com o objetivo de melhorar a avaliação do PSDB na Região, o tucano Aécio Neves lançou, no último dia 23, em Salvador, o programa "Nordeste Forte", tratado pela campanha como a maior vitrine do partido entre a população nordestina.
Entre os principais pontos do projeto está a promessa de que as famílias nordestinas terão um renda per capita mínima de US$ 1,25 por dia. Ele também prometeu "evoluir o Bolsa-Família", tornando o programa uma "política de Estado". Uma das metas do presidenciável é se blindar do que os tucanos chamam de "tática do medo", que consiste nos rumores de que uma vitória da legenda levaria ao fim dos programas de transferência de renda implantados pelo PT.
Além do pacote de ações, o tucano iniciou um périplo pelo Nordeste e tenta agregar elementos da Região ao marketing de sua campanha. Chamado de "cabra do bem" na propaganda do PSDB, o mineiro ainda não conseguiu transformar o discurso em resultado e aparece em terceiro lugar nas pesquisas.
De acordo com Manhanelli, o principal erro do PSDB é ter um perfil muito ligado ao Sudeste, o que não garante a confiança do eleitor nordestino. Além disso, segundo o especialista, Aécio não é carismático. "O erro do PSDB foi ter formado uma chapa mineira e paulista, em vez de escolher um vice do Nordeste para dar a certeza de que as promessas iam se cumprir. Aécio não dá tranquilidade de o nordestino votar na chapa. A representabilidade dele não soma", avalia.
Em contrapartida, o que falta ao tucano, sobra a Dilma e Marina: uma relação construída com a Região. Enquanto a petista carrega um governo bem avaliado pela população local, Marina herda o legado do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, e um perfil ligado às classes menos favorecidas. "Marina assume o papel de Campos, tem um perfil negociador e não faz parte da esquerda tradicional. Já Dilma apresenta um resultado positivo no governo", considerou Christiane Romeo.
'Fator emoção' acirra disputa
Com o acirramento da disputa após a morte de Eduardo Campos (PSB), no último dia 13, especialistas acreditam que a região pode definir os rumos da eleição presidencial. A última pesquisa Ibope, divulgada no dia 26 de agosto, sinaliza uma possível alteração na avaliação dos candidatos entre os nordestinos após a substituição do ex-governador de Pernambuco.
Segundo o levantamento, neste período de "luto eleitoral", a presidente Dilma Rousseff (PT), que no início do mês tinha 51% das intenções de voto, hoje apresenta 46%. Marina Silva (PSB) tem o apoio de 27% do eleitorado, 15 pontos percentuais a mais que seu antecessor. Já Aécio Neves (PSDB) continua estagnado em 11% das intenções.
O diretor da Associação Brasileira de Consultores Políticos, Carlos Manhanelli, considera que ainda é cedo para dar um diagnóstico sobre uma migração de votos dos eleitores da Região. Segundo ele, os três principais candidatos estão "navegando dentro da margem de erro" e é preciso esperar que o "fator emoção" pela morte de Campos se esgote para avaliar o resultado das pesquisas. "Estamos sob a égide da comoção social, que tem um prazo de validade e aguardamos que esse prazo termine", afirmou o especialista.
A cientista política e professora do Ibmec, Christiane Romeo, também acredita que "ainda não dá para saber se esse resultado é emocional ou uma transferência de voto consciente, que pode ser contabilizado para o candidata do PSB".
Para o cientista político e professor da Unifor, Clésio Arruda, a luta de Marina agora vai ser para manter os votos que têm conotação emotiva.
Segundo o cientista político e professor da Universidade de Brasília, David Fleischer, bem avaliada em Pernambuco, falta a Marina palanque em outros estados para garantir a liderança. "Ela tem forte penetração no Sudeste e o Nordeste pode desempatar a disputa", afirmou.
Política mudou perfil dos votantes
Cada estrato social deve ser considerado na disputa à Presidência da República. Nas bases da motivação do voto, segundo os especialistas, são levadas em conta pelo eleitor as necessidades primordiais diante do contexto socioeconômico em que estão inseridos.
"Os interesses na política são vários. A questão de um candidato obter mais votos é trabalhar um programa contendo o maior número de interesses", explicou o cientista político e professor da Unifor, Clésio Arruda.
O especialista explica que o perfil do eleitorado nordestino mudou em função das políticas de distribuição de renda e inclusão social, implementadas pelos presidentes petistas. "Em 2002, o desemprego era alto. Hoje, vivemos o pleno emprego. Além disso, há mais acesso à educação e pessoas com nível superior. Isso dá um impacto enorme às eleições", considerou o professor.
Segundo ele, os três governos do PT criaram novas demandas para os adversários e impuseram uma necessidade de os opositores ampliarem as propostas com apelo social. "É necessário renovar o discurso, o projeto político. Ainda não foi sinalizado claramente quem seria o candidato capaz de conduzir um programa que atendesse a esse novo projeto de mudança do País".
Clésio Arruda diz que, ao mesmo tempo que é preciso renovar o discurso, a tentativa de abandonar as políticas compensatórias no Nordeste seria "um tiro no pé" para os opositores na Região. "Sair dessa política é voltar para um nível elevado de pobreza. Nenhum candidato vai voltar para isso. Eles precisam elaborar propostas que sejam paralelas sem reduzir a importância da política assistencialista", considerou o professor.
A cientista política e professora do Ibmec, Christiane Romeo, diz que é preciso um foco maior na educação, aliada ao ensino técnico. "É preciso investir numa mão de obra qualificada que permita o desenvolvimento do indivíduo localmente", defendeu.
Julianna Sampaio
Repórter
ARTE NACIONAL 1
Fonte: Diário