Buscar

09 julho 2014

Neymar se reapresenta ao Barcelona em agosto para seguir o tratamento

Neymar se reapresenta ao Barcelona em agosto para seguir o tratamento

Médicos do clube espanhol visitam o craque no Guarujá e confirmam lesão na vértebra. Craque brasileiro ainda não tem data para voltar a jogar pelo time espanhol


Médico Barcelona (Foto: Antonio Marcos)Médico do Barcelona chega a casa de Neymar, no Guarujá (Foto: Antonio Marcos)
Após visitar Neymar em sua casa no Guarujá, litoral paulista, na manhã desta quarta-feira, o departamento médico do Barcelona emitiu um comunicado sobre a situação do craque. Os espanhóis confirmaram a lesão na terceira vértebra lombar do jogador e informaram que ele se reapresenta ao clube catalão no dia 5 de agosto para dar continuidade ao tratamento.
O grupo do Barcelona volta aos trabalhos na próxima segunda-feira, mas, de férias, Neymar vai seguir no Brasil ao lado de familiares e amigos. A previsão de recuperação da lesão do atacante é de seis a oito semanas. O clube catalão não informou uma data certa para o jogador retornar aos gramados.
Neymar se lesionou após receber uma joelhada nas costas do lateral-direito Zúñiga, aos 42 minutos do segundo tempo da partida entre Brasil e Colômbia, nas quartas de final da Copa do Mundo, no Castelão, em Fortaleza.
fratura neymar lado esquerdo (Foto: arte esporte)

Fonte: G1


Patrocinadores da Copa mudam tom nas redes sociais após derrota

Patrocinadores da Copa mudam tom nas redes sociais após derrota

No twitter, marcas foram de 'nó na garganta' a pedido de explicações. Empresas expõem tristeza e lembram que Brasil ainda vai jogar uma partida.


Com a derrota do Brasil para Alemanha por 7 a 1 na terça-feira, as marcas patrocinadoras da Copa do Mundo mudaram o tom das campanhas nas redes sociais.
A Coca-Cola, que antes do jogo postou um #EuAcredito, após o vexame descreveu com uma foto o sentimento após o jogo: nó na garganta.
Coca-Cola diz que o sentimento é de nó na garganta. (Foto: Reprodução)Coca-Cola coloca foto traduzindo o sentimento depois do jogo. (Foto: Reprodução)
Depois da campanha "ouse ser brasileiro", a Nike foi para um recado mais duro: encontre os motivos, esqueça as desculpas.
Nike pede explicações sobre o jogo. (Foto: Reprodução)Nike pede explicações sobre o jogo. (Foto: Reprodução)
A Visa disse que esta quarta-feira (9) era de cinza, tamanho o clima de velório.
Visa diz que é quarta-feira de cinzas. (Foto: Reprodução)Visa diz estar sem palavras. (Foto: Reprodução)
A Oi recomendou foco e lembrou que ainda tem Copa: "ainda podemos ganhar da Argentina".
A Hyundai decretou que "a dor é temporária, a paixão é para sempre".
O Gatorade orientou se preparar para o próximo jogo: "amanhã é dia de treino".
O McDonalds fez uma metáfora com seus lanches: "sentimento de quando você já comeu todas as McFritas mas ainda tem molho barbecue".
A Garoto falou da dor e disse não ter explicações para a derrota, mas apontou para o futuro: "Voltaremos mais fortes, mais alegres e sempre Brasil!"
Hyundai aposta que a paixão pelo futebol supera a dor. (Foto: Reprodução)Hyundai aposta que a paixão pelo futebol supera a dor. (Foto: Reprodução)Fonte: G1

Capa de revista sobre fiasco da Copa foi exagerada, diz autor de reportagem

Capa de revista sobre fiasco da Copa foi exagerada, diz autor de reportagem

Der Spiegel publicou manchete 'A morte e os jogos' a um mês do Mundial. Para repórter da revista alemã, futebol animou, mas problemas persistem


Capa da revista alemã 'Der Spiegel' a um mês da Copa com a manchete: 'A morte e os jogos' (Foto: Reprodução/Der Spiegel)Capa da revista alemã 'Der Spiegel' a um mês da
Copa com a manchete: 'A morte e os jogos'
(Foto: Reprodução/Der Spiegel)
Um mês antes da Copa do Mundo, a revista alemã "Der Spiegel" publicou reportagem que destacava o “gol contra do Brasil” sob a capa “A morte e os jogos” e uma bola oficial, Brazuca, em chamas caindo em direção ao Rio de Janeiro. No texto, o repórter Jens Glüsing relatava o clima para o Mundial, de protestos e greves que poderiam fazer dela um “fiasco”.
Chegada a última semana do Mundial, o repórter mantém sua visão sobre o país pré-Copa, mas admite que a capa da revista pode ter sido exagerada. “Essa capa representa o problema da violência, que existia antes, problemas com as UPPs [Unidades de Polícia Pacificadora no Rio]. Tem gente morrendo quase todos os dias. Mas é uma coisa muito dura. Essa capa, quando se olha para ela hoje em dia, fica exagerada”, afirma ele ao G1.

Felipão enaltece trabalho, grupo e só lamenta “pane nos seis minutos”

Felipão enaltece trabalho, grupo e 
só lamenta “pane nos seis minutos”

Comissão técnica exalta desde preparação de treinos até trabalho estrutural na base, trata goleada como fato isolado e Parreira lê até carta de agradecimento ao treinador


Foram apenas seis minutos ruins em um ano e meio. Seis minutos em que a Alemanha fez quatro gols e construiu o massacre de 7 a 1 sobre o Brasil na semifinal da Copa do Mundo. Na visão da comissão técnica da Seleção, todo o resto foi perfeito: o título da Copa das Confederações, o desempenho nos amistosos, o comportamento dos jogadores, o número de treinos, o trabalho de desenvolvimento da CBF nas categorias de base e a classificação final na Copa do Mundo em que, segundo Felipão, “os adversários estavam melhores do que eles imaginavam”. 
Felipão coletiva Brasil (Foto: Heuler Andrey / Mowa Press)Felipão na coletiva da comissão técnico do Brasil na Granja Comary (Foto: Heuler Andrey / Mowa Press)
Luiz Felipe Scolari deu entrevista coletiva nesta quarta-feira, na Granja Comary. Só ele e o coordenador Carlos Alberto Parreira falaram, além de pitacos do auxiliar Murtosa e da presença na bancada do preparador de goleiros Carlos Pracidelli, do preparador físico Paulo Paixão, do médico José Luiz Runco e do chefe de delegação Vilson Ribeiro de Andrade. 
Questionado sobre as declarações do presidente da Federação Catarinense de Futebol e vice da região Sul da CBF, Delfim de Pádua Peixoto, que cobrou a sua saída do cargo de técnico da Seleção e o chamou de ultrapassado e obsoleto, Felipão respondeu em tom de ironia:
- O único título que o futebol de Santa Catarina tem, eu era o técnico (nota da redação: a Copa do Brasil de 1991 com o Criciúma). Então o Delfim tem que me agradecer de joelhos. Nunca ganharam nada. E o que ganharam foi graças a mim. Eu não vou ficar respondendo a presidente de federação nenhuma.
Entre muitas explicações sobre o vexame diante da Alemanha, resumidamente, admitiram que o resultado foi catastrófico, mas defenderam com unhas e dentes o trabalho à frente da Seleção, com destaque para “dona Lúcia”, torcedora que teria enviado um e-mail de agradecimento a Felipão, lido por Parreira nesta tarde (saiba mais). 
Munido de papéis com diversos dados que deixou à disposição, como número de treinos e análises do fisiologista, Felipão repetiu por diversas vezes que a derrota por 7 a 1 foi horrível, mas que a vida dele e nem dos jogadores vão acabar. 
- Depois da Copa das Confederações, tivemos uma derrota e nove vitórias. Tínhamos uma equipe preparada, um sistema de jogo. Foi a primeira vez, desde 2002, que chegamos à semifinal. Foi uma derrota ruim, seis minutos de pane geral. Se eu pudesse te responder o que aconteceu naqueles seis minutos, eu responderia, mas eu não sei - disse Felipão, frequentemente interrompido por uma defesa de Parreira. 
Numa delas, o coordenador técnico leu um e-mail que, segundo ele, foi enviado por dona Lúcia, uma torcedora que já faz sucesso nas redes sociais com um personagem “fake”. Ela agradecia Felipão pela humildade e pelos momentos de felicidade proporcionados à nação, e citava a crueldade do ser humano por conta da pergunta de um jornalista sobre dívidas do técnico após a goleada (veja o vídeo ao lado). 
Felipão voltou a reclamar de tratamento diferente a erros da arbitragem a favor do Brasil e de outros países, se recusou a comentar seu futuro antes do jogo de sábado, em que irá brigar pelo terceiro lugar, elogiou o trabalho estrutural da CBF para melhorar o futebol brasileiro e disse que foi surpreendido pelo nível dos adversários da Copa do Mundo. 
- As equipes estavam melhores do que imaginávamos, jogando um futebol de boa qualidade.
O coordenador técnico Carlos Alberto Parreira insistiu em dizer que não mudaria a postura adotada antes do Mundial, quando falou em amplo favoritismo da Seleção ao título na competição em casa. 
- A visão é a mesma de anteriormente. Positiva, otimista, de quem está jogando em casa. Nunca vi um líder, um comandante dirigir seus comandados e dizer "Vamos para a guerra e vamos perdê-la". Era obrigação nossa ser positivos, acreditar no potencial dos nossos jogadores. O trabalho foi muito bem conduzido em um ano e meio. A Alemanha está há oito ou 10 anos trabalhando com esse time. Sabemos que foi doída a derrota, mas não houve reversão de expectativa. Se me perguntassem de novo qual era a expectativa para a Copa, respondo que era de ganhar. Ficamos tristes, como todos os jogadores. Todos queriam ser campeões em casa. Mas agora é vida que segue, e é olhar para frente.
Carlos Alberto Parreira Coletiva Brasil (Foto: Heuler Andrey / Mowa Press)Carlos Alberto Parreira também tentou dar explicações durante a entrevista (Foto: Heuler Andrey / Mowa Press)

Fifa suspende Nigéria de torneios internacionais por ingerência do governo

  • Nigéria foi eliminada nas oitavas para a França por 2 a 0
    Nigéria foi eliminada nas oitavas para a França por 2 a 0
De acordo com o Estatuto da Fifa, as decisões do futebol nacional são de responsabilidade das federações, e não de governo. O Comitê de Urgência da Fifa detectou o comando de terceiros no futebol da Nigéria, aplicando punição conforme prevê o artigo 13 do Código Disciplinar da entidade.A Fifa suspendeu por tempo indeterminado a Federação Nigeriana de Futebol (NFF), que não poderá promover jogos e competições internacionais. A entidade puniu os nigerianos em razão da interferência do governo local no futebol.
A Federação da Nigéria poderá se explicar em 15 de julho. Caso a decisão seja mantida, o país ficará fora do torneio do Mundial Sub-20 para mulheres, que será realizado em agosto.
A seleção e os clubes nigerianos estão proibidos de disputar competições e jogos internacionais, inclusive amistosos. A Federação Nigeriana está proibida até de promover competições regionais e nacionais.
A punição divulgada pela Fifa acontece pouco depois de a seleção nigeriana participar da Copa do Mundo no Brasil. O time africano se classificou para as oitavas, sendo eliminado no confronto de mata-mata contra a França.

Vicente Nery - Show beneficente em Baturité

Jornais pelo mundo falam sobre a goleada 'inesquecível' da Alemanha sobre o Brasil

  • Jornais pelo mundo falam sobre a goleada 'inesquecível' da Alemanha sobre o Brasil

    A vitória de 7 a 1 da Alemanha contra o Brasil na semifinal da Copa do Mundo, nesta terça-feira (8) em Belo Horizonte, entrou para a história do futebol e ganhou as capas dos jornais pelo mundo.
    Antes mesmo do término da partida da semifinal, os veículos internacionais já repercutiam a goleada aplicada pela Alemanha sobre o Brasil em Belo Horizonte. O tabloide alemão "Bild" tirava sarro da situação. "Será que isso acaba em dois dígitos?" era manchete principal do site no momento do intervalo. Ao fim da partida, a manchete foi trocada, e dizia que "essa vitória é para a eternidade".
    O argentino "Clarín", por sua vez, afirmava que "a Alemanha dá uma surra histórica no Brasil".
    O diário espanhol "As" trazia na manchete a frase "Sete Maracanazos", explicando a derrota histórica para o país.

    Veja também como os jornais "The Telegraph", do Reino Unido, "USA Today", dos Estados Unidos, e "Le Monde", da França, noticiaram a goleada: "Alemanha destrói Brasil e deixa a anfitriã da Copa em choque", disseram os britânicos. O site americano escolheu uma foto da comemoração de um dos gols da finalista e escreveu "Oh meu Deus" em alemão, dizendo que "a Alemanha deixou o Brasil louco com um massacre de 7 a 1 na Copa do Mundo". Já os franceses afirmaram que a Alemanha fez o Brasil suplicar. "Humilhados frente à Alemanha, os brasileiros abandonam seus sonhos de título na semifinal de sua própria Copa do Mundo."

    Veja as images
    :








  • Sites Time Rolling Stones











    Os sites das revistas "Time" e "Rolling Stone" publicaram nesta terça-feira (8) seus prognósticos para o jogo semifinal da Copa do Mundo entre Brasil e Alemanha. Segundo a norte-americana "Time", existem cinco razões para explicar por que a Seleção Brasileira vai perder para a Alemanha (e três pelas quais não vai).

    De acordo com o artigo, os cinco motivos são: a ausência de Neymar; a falta de uma segunda sílaba no nome dos atacantes brasileiros (Fred, Hulk e Jô), uma vez que o Brasil consagrou artilheiros de nomes compridos como Romário, Ronaldo e Ronaldinho; o fato de o time ser considerado "medíocre"; de os atletas jogarem com medo de perder por causa da pressão de disputar um Mundial em casa; e porque a Alemanha não é a Colômbia (leia o artigo original, em inglês).
    Já os três fatores pró-Brasil, segundo a "Time", são: apesar de ruim, o time chegou às semifinais e soube resolver o jogo contra a Colômbia; a Alemanha piora a cada rodada; a Copa é no Brasil, e a Seleção só precisa fazer a sua parte, já que a torcida vai apoiá-la.
    Já a edição alemã da "Rolling Stone" publicou em seu site o palpite oficial da publicação: 1 a 0 para a Alemanha. Segundo os jornalistas, a equipe europeia só perde para ela mesma. "Quem vai fazer alguma coisa pelo Brasil? O batedor de faltas Sideshow Bob (personagem dos Simpsons que tem cabelo parecido com o de David Luiz)? Hulk, Fred? Homem de Ferro?", provoca o texto (leia o original, em alemão).
    O artigo lembra ainda que a Alemanha já eliminou vários países anfitriões de Copas do Mundo, como Inglaterra (Eurocopa de 1996), México (Copa de 1986) e Coreia do Sul (Copa de 2002). "Os brasileiros não vão gostar da gente como fizeram ao receber a nossa equipe", avisa a "Rolling Stones". "Mas não é hora de ter coração mole."
  • Fonte: G1

27° dia: Brasil sofre goleada histórica de 7 a 1 da Alemanha

'Eu fui o responsável', diz Felipão (Reuters)

27° dia: Brasil sofre goleada histórica de 7 a 1 da Alemanha

David Luiz se despede do campo em lágrimas
(Foto: Gabriel Bouys/AFP) 
Foi uma humilhação. O Brasil levou sete gols da Alemanha, cinco deles nos primeiros 30 minutos de jogo no Mineirão, em Belo Horizonte. A seleção de Luiz Felipe Scolari desapareceu em campo e assistiu à maior goleada que o Brasil sofreu na história das Copas.

Logo aos 10 minutos, Toni Kroos cobrou escanteio e Thomas Müller marcou o primeiro. Os quatro seguintes vieram em apenas seis minutos. O atacante Miroslav Klose fez um gol de rebote, o seu 16º em Copas e tornou-se o maior artilheiro de todos os tempos no torneio, batendo Ronaldo Fenômeno. O meio-campo Kroos conseguiu fazer dois em um intervalo curtíssimo, pouco mais de um minuto. Khedira finalizou o quinto, depois de roubar a bola no meio do campo e fazer tabela com Özil. A bola foi no canto direito do goleiro Júlio Cesar.
Quando os brasileiros achavam que a derrota já estava vergonhosa demais, no segundo tempo, o atacante Schürrle recebeu passe de Lahm e completou para a rede. Seis gols. E depois sete, de novo marcado por Schürrle.
Para não ficar tão feio, Oscar conseguiu fazer um gol para o Brasil aos 45 minutos. Placar de 7 a 1 na semifinal.

Agora resta à seleção disputar o terceiro lugar. Será a quarta vez que o país busca essa colocação em uma Copa. No próximo sábado (12), enfrentará o perdedor de Argentina e Holanda, no Mané Garrincha, às 17h (de Brasília). O adversário do Brasil será definido nesta quarta-feira (9).

Antes mesmo do intervalo, torcedores começaram a deixar a Fan Fest, em São Paulo. O local, que tem capacidade para 30 mil pessoas, estava lotado no começo da partida. Melancólicos, os torcedoresaplaudiram o sexto gol alemão. A mesma coisa aconteceu no Alzirão, na Tijuca, Zona Norte do Rio. Em Copacabana, torcedores relataram brigas e tentativas de arrastões.
Até no Mineirão, torcedores decidiram ir embora mais cedo. O clima ficou pesado. Quem resistiu até o final chorou, sofreu, mas aplaudiu e fez coro de "olé" para a Alemanha. Aos 35 minutos do segundo tempo, os torcedores alemães ouviram (em alemão e em inglês) a orientação para permanecer no lugar após o apito final. A saída deles foi escoltada pela Tropa de Choque e por seguranças da Fifa. A medida foi tomada para evitar possíveis acessos de revolta de brasileiros contra os rivais.

Mãe de David Luiz manda mensagem para o filho na internet

Mãe de David Luiz manda mensagem para o filho na internet

Mãe de David Luiz diz nas redes sociais que o filho é um vencedor e que mostrou o seu caráter ao país

Regina Célia, mãe do jogador de futebol David Luiz, escreveu uma mensagem de carinho para o filho após a derrota de 7 a 0 para a Alemanha. Em sua página no Instagram, ela disse que o atleta é um vitorioso e que o país está com orgulho dele.
“Parabéns filho! Você foi e é um vitorioso sem taça! O senhor te honrou até o final e você também! Deus seja louvado e Ele sabe de todas as coisas! Você mostrou para o mundo que é um ser humano exemplar, estamos triste porque perdemos um título, mas felizes porque o Brasil ganhou mais um homem de caráter! Estamos juntos e misturados com você e a equipe que vier para a próxima”, escreveu.

Edinho, filho do Pelé, é preso por lavagem de dinheiro em São Paulo

Edinho, filho do Pelé, é preso por lavagem de dinheiro em São Paulo

Edson Cholbi do Nascimento foi preso em casa e condenado por lavagem de dinheiro
Edinho foi preso hoje, dia 8 de julho, às 8h, no litoral de São Paulo. No dia 30 de maio, Edinho havia sido condenado a 33 anos de prisão pelo crime de lavagem de dinheiro proveniente do tráfico de drogas. Ele recorreu da decisão em liberdade, mas um mandado de prisão preventiva foi expedido.
 O ex-goleiro dos Santos foi julgado na 1ª Vara Criminal da Praia Grande, litoral Sul de São Paulo. A justiça determinou que Edinho entregasse seu passaporte, com o objetivo de evitar a fuga. Ele não cedeu o documento.
 O Delegado Marcelo Gonçalves da Silva, responsável pela prisão do ex-jogador, disse que “ele não entregou o passaporte, alegou que perdeu o documento. Diante do risco dele fugir, foi pedida a prisão preventiva”, afirma Gonçalves.
 Outros dois homens também foram penalizados pela mesma ação que condenou Edinho. Maurício Louzada Ghelardi, mais conhecido como Soldado e Nicolau Aun Júnior, o Véio. Clóvis Ribeiro, o Nai e Ronaldo Duarte Barsotti, o Naldinho também foram condenados.
 Em 2005, o grupo foi descoberto por meio dos trabalhos do Departamento de Investigação sobre Narcóticos (Denarc). Segundo as investigações, Naldinho era o líder da organização, que tinha ligação com o Comando Vermelho, do Rio de Janeiro.
 Devido às investigações, Edinho foi preso por três vezes. A primeira em 2005, sendo liberado dias depois. Outras duas vezes, o ex-goleiro foi preso no ano seguinte, sendo liberado em 2006.
 Sidney Gonçalves, advogado de Edinho, disse ao Globo, que vai pedir a liberdade do seu cliente e que a prisão é “desmotivada”.
 “Essa notícia da prisão nos pegou de surpresa. Ontem, ele (Edinho) juntou ao processo uma certidão da Polícia Federal em Santos comprovando que o passaporte dele está cancelado. Não há como fugir, então não há motivo para a prisão”, comenta Gonçalves.
 Edson Cholbi só poderá ser solto se a Justiça acatar o pedido de Habeas Corpus do advogado.

Aviões quase se chocam durante exibição na Inglaterra

Uma exibição de aviões no RAF Waddington’s International Airshow, em Linconshire, na Inglaterra, quase terminou em tragédia. O caso ocorreu no último domingo (6).
Dois Red Arrows ficaram a poucos centímetros de se chocarem durante as manobras acrobáticas. Os jatos Hawk foram flagrados por Bartosz Duszynski, e os vídeos postados no YouTube para comprovar o momento de tirar o fôlego.
“Foi um momento único”, contou David Sleight, que também registrou o momento. “Eu estava muito animado para ver os aviões. Mas quando vi essa foto corri de volta para o local do show. Você vê fotos deles se cruzando, mas ver as aeronaves quase tocando o nariz é algo muito raro”, concluiu.
Aviões quase se chocam
Aviões quase se chocaram no ar em exibição na Inglaterra
Assista o vídeo abaixo:

Desastre expõe diferença entre CBF e preparo de 8 anos da Alemanha


Brasil e Alemanha se enfrentam no Mineirão, pela semifinal da Copa122 fotos

118 / 122
Oscar lamenta resultado de Brasil x Alemanha após o jogo, no Mineirão Leia mais Flávio Florido/UOL

A escolha por Felipão não pode ser classificada como errada, por pior que fosse o momento na carreira do treinador. Ele levou o Brasil ao título da Copa de 2002, levou Portugal ao quarto lugar na Copa de 2010, e agora colocou novamente a seleção brasileira na semifinal. De 21 jogos possíveis em três Copas do Mundo, ele disputou 21. Mas sua escolha não foi só por isso. Felipão representa um escudo para s dirigentes: é o técnico que todos gostam, incriticável. O inverso de Joachim Löw. 
A seleção brasileira foi protagonista nesta terça-feira da maior partida da história das Copas do Mundo. E de forma negativa. Tomou inesperados 5 a 0 da Alemanha, ainda no primeiro tempo. Sem Neymar, aquilo que era para ser um sonho se realizou de forma inversa, com requintes de crueldade, e serviu para expor a diferença de preparação de equipe entre as seleções brasileira e alemã. Enquanto os adversários, que passam à final, têm há oito anos o técnico Joachim Löw no cargo, a CBF colocou Luiz Felipe Scolari – rebaixado com o Palmeiras – há um ano e meio no cargo. 
 
Enquanto a CBF de José Maria Marin encerrou o trabalho de Mano Menezes de forma repentina para promover a volta de Felipão, a federação alemã apostou no último assistente técnico que teve, entre 2004 e 2006. Löw é treinador desde 1994, mas nunca obteve grande sucesso, nem grandes títulos. Passou parte da carreira de pós-jogador na Áustria. Longe de ser um escudo, até expõe quem o contrata pelo pouco prestígio de um cargo que já foi ocupado por grandes nomes. Mas assim se fez e, em 2006, ele se tornou o técnico. E logo na primeira Copa do Mundo, em casa, foi auxiliar de Jurgen Klinsmann quando conquistaram o terceiro lugar. 
 
Löw promoveu reformulação na seleção a partir de então. Com o respaldo de mais uma boa geração, mudou o estilo do futebol alemão. Acabou com passes e chutes longos e com o jogo marcado mais pela força do que pela técnica. Fez da Alemanha algo mais próximo do estereótipo da seleção brasileira do que o próprio Brasil. Em 2010, na África do Sul, mais uma semifinal. E mais um terceiro lugar. 
 
Até 2014, Joachim Löw comandou um processo que fez a seleção alemã chegar – mesmo jovem – muito experiente à Copa de 2014. Enquanto isso, o Brasil tentou matar Copa por Copa. Em 2010, a comoção popular para que Dunga convocasse Neymar e Paulo Henrique Ganso, que brilhavam no Santos, de nada adiantou. Foram para a África Grafite e Júlio Baptista. Campanha que durou até as quartas de final, apenas. 
 
Diferentemente da Alemanha, que pensou no treinador que conhecia o elenco desde 2004 – ao lado de Klinsmann –, mesmo desconhecido, o Brasil fez o inverso. Apostou no medalhão, naquele que um dia deu certo. 
 
Classificada para a final, a Alemanha aguarda o vencedor do confronto entre Argentina e Holanda, nesta quarta-feira, no Itaquerão. A final acontece no domingo, no Maracanã. Antes disso, no sábado, a seleção brasileira de Luiz Felie Scolari disputa o terceiro lugar em Brasília, no Mané Garrincha. 

Fonte: UOL