Buscar

10 fevereiro 2014

Advogado diz ter nome de suspeito de acender rojão em protesto no Rio

Advogado diz ter nome de suspeito de acender rojão em protesto no Rio

Defensor afirma que transmitir a informação para a polícia investigar.
Cinegrafista foi atingido na cabeça e corre risco de morte.


Jonas Tadeu Nunes, advogado de Fábio Raposo, disse à GloboNews, na manhã desta segunda-feira (10), que um conhecido de seu cliente passou o nome de uma pessoa que seria o autor do disparo do rojão que acertou o cinegrafista Santiago Ilídio Andrade, da TV Bandeirantes, no Centro do Rio, quinta-feira (6). O defensor afirmou que vai transmitir a informação à polícia, para que seja investigada.
Anteriormente, à Radio CBN, Jonas chegou a afirmar que já tinha a identificação do autor do disparo. Às 11h, o cinegrafista seguia internado em estado grave no Hospital Souza Aguiar. Raposo está preso desde domingo (9).

Posteriormente, o advogado declarou à GloboNews que, "através do Fábio, localizei uma pessoa que é íntima desse rapaz [que atirou o rojão] e me passou a identidade e o CPF. Vou entregá-lo à autoridade policial."
À Rádio CBN, Jonas afirmou que acredita que, com a apresentação do nome, Raposo terá o benefício da delação premiada. "O instituto da delação premiada, ela foi concluída, sim. Naquele momento, dentro da delegacia, passou a ser um momento muito tenso. Em um determinado momento em que eu fiquei sozinho com o Fábio, ele pediu que eu procurasse uma determinada pessoa e que essa pessoa ia me passar a identificação do rapaz. Eu já tenho essa identificação, mas eu vou passar para a autoridade policial. Eu já tenho o nome do rapaz, eu já tenho a qualificação dele e logo logo vai estar nas mãos da autoridade policial para o cumprimento da delação premiada”, afirmou o advogado durante a entrevista.
Jonas aproveitou para reafirmar que Fábio não conhece o suspeito: “Esse rapaz que acendeu o rojão e o Fábio se conhecem apenas de manifestações. Eles não pertencem a nenhum grupo e não foram com nenhuma finalidade. Não levaram nenhum rojão. O que o Fábio declara é que o rojão foi achado. E, como eles se encontraram, o rapaz pediu que passasse o rojão. Aquilo tudo é verdadeiro. Foi apenas uma inconsequência, um ato de irresponsabilidade e de negligência de acender o pavio no meio daquela confusão toda e acontecer o que aconteceu de forma lamentável e triste com o cinegrafista”.
O advogado disse também que não tinha conversado até as 9h40 desta segunda com o rapaz que acendeu o rojão, mas ficou sabendo por uma pessoa que conhece seu cliente que ele está abalado.
“Os dois estão muito abalados com isso, e a verdade é essa. Não conversei com o rapaz, mas conversei com pessoa muito próxima a ele. Ele está muito abalado, muito nervoso, desesperado, já pensou até em suicídio e tudo. Eu estou aproveitando, por intermédio dessa pessoa, a oportunidade para convencê-lo a se entregar, a se apresentar espontaneamente a autoridade policial”.
Retrato falado
Na entrevista à GloboNews, o advogado garantiu que seria "impossível" fazer um retrato falado do suspeito de acender o rojão por conta do uso da máscara para esconder o rosto e aconselhou o autor a se "apresentar espontaneamente".

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário